3 fevereiro 2023 6:06
3 fevereiro 2023 6:06

Prefeito de Nova York fornece pílulas abortivas gratuitas em clínicas da cidade

Aborto continua proibido em pelo menos 13 estados americanos

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

O prefeito de Nova York, Eric Adams, anunciou que pílulas abortivas serão fornecidas gratuitamente em clínicas públicas da cidade. A medida passa a valer nesta quarta-feira (18).

Segundo o jornal inglês The Guardian, esta é uma iniciativa pioneira em unidades clínicas de saúde pública dos EUA. Onze hospitais públicos de Nova York já oferecem o medicamento abortivo.

Pílulas abortivas são usadas em mais da metade de todos os abortos nos Estados Unidos, mas a maioria é administrada em hospitais onde os pacientes e seus planos de saúde devem pagar pelo serviço.

Essas clínicas visam mulheres de baixa renda e sem plano de saúde.

“Por muito tempo, os cuidados de saúde foram centrados nos homens, mas isso mudou hoje”, disse o prefeito Adams.

A primeira unidade a distribuir as pílulas é a Clínica de Saúde Sexual Morrisania, no Bronx. Até o final do ano, os abortivos estarão disponíveis em clínicas do Brooklyn, Manhattan e Queens.

“Esse tempo é necessário porque profissionais de saúde precisam passar por um treinamento exigido pelo governo federal”, informou o comissário do Departamento de Saúde e Higiene Mental da Cidade de Nova York, Ashwin Vasan.

A iniciativa se baseia em programas e serviços lançados durante o primeiro ano de mandato de Eric Adams, que incluem:

um centro de acesso ao aborto que encaminha confidencialmente grávidas de todo o país para clínicas de aborto de Nova York;
auxílio com os gastos do transporte;
auxílio com os gastos de hospedagem;
auxílio e suporte financeiro extra para as mulheres que optam pelo aborto.
“Esta semana é um aniversário amargo: deveríamos comemorar os 50 anos de proteção dos direitos reprodutivos por meio de Roe vs Wade”, disse Ashwin Vasan .

O comissário se referiu à decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos que derrubou, em junho de 2022, a lei conhecida como “Roe vs Wade”, que permitia o aborto no país.

“Em vez de focar no que está perdido, vamos colocar nossa energia em ganhos para a saúde da mulher e mobilizar todos os setores de nossa cidade para esta causa”, completou Vasan.

Vice-comissária do Centro de Equidade em Saúde e Bem-Estar Comunitário, a médica Michelle Morse afirmou que “a medicina e a saúde pública se espelham numa sociedade na qual o sexismo e o racismo são normalizados e prejudicam a saúde da cidade e do mundo”.‍

“Não podemos simplesmente confrontar as falhas do passado para corrigir esses problemas. Devemos avançar com políticas e ações reparadoras. O anúncio de hoje é um pequeno, mas importante passo nessa jornada”, comemorou Morse.

Em Nova York, o aborto é legal, mas é proibido em pelo menos 13 estados:

Alabama, Arkansas, Idaho, Kentucky, Louisiana, Mississippi, Missouri, Oklahoma, Dakota do Sul, Tennessee, Texas, West Virginia e Wisconsin

Com informações Brasil Paralelo

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS