31 janeiro 2023 11:45
31 janeiro 2023 11:45

O mundo ficou chato e burro graças aos ‘mimizentos’ ‘empoderados’

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

O médico acreano acusado de ‘gordofobia’ foi anteriormente criticado por fazer ‘blackface’. E se acaso o leitor não tem conhecimento do que tratam ambos os vocábulos, não se preocupe: é coisa de gente chata, ‘mimizenta’, frustrada e – quase sempre – de esquerda.

Companheiros e camaradas são os reis e as rainhas do ‘mimimi’. Já fui vítima deles, à época do governo de Tião Viana (PT). Usando a estrutura do Estado, um grupo de mulheres lotou carros e vãs para protestar contra mim, em frente ao meu local de trabalho, em decorrência de uma discussão nas redes sociais. Eram cerca de 30, todas ligadas ao partido e algumas com cargo comissionado no governo.

O protesto teve direito a cartazes e até a uma ‘página de repúdio’ no Facebook. A então deputada Leila Galvão (hoje no MDB) chegou a proferir discurso na Assembleia Legislativa contra mim.

Os detalhes do caso são irrelevantes: o foco aqui é o modus operandi dessa gente, que vai da criação de novas palavras (ou da deturpação de outras), à invasão do seu local de trabalho caso você os incomode com suas ideias e discursos.

A propósito, como jornalista, me recuso a usar o termo “feminicídio”, mais uma invenção dessa gente capciosa e, ao mesmo tempo, idiota. O vocábulo nada mais é do que a morte de uma mulher por ser mulher, e se faz desnecessária por já ter outro termo que designa seu sentido: homicídio.

Fico estupefato vendo promotores do Ministério Público (estadual e federal) usando esse linguajar, que na minha opinião é impróprio para aqueles se fizeram especialistas em leis ao mesmo tempo em que se atoleimaram para o bom senso.

Nossa permissividade serviu ao ‘empoderamento” dessa gente na medida em que fomos perdendo o nosso próprio poder de expressar o que pensamos. O médico citado no começo deste artigo que o diga. A patrulha de plantão lhe caiu em cima como um enxame de abelhas.

Tempos atrás, em uma discussão com amigos de longa data, vi a indignação de um deles com o youtuber Monark, por ter se declarado a favor da criação de um partido nazista. O cara perdeu o sono e o emprego por causa disso. Aí eu fiz a seguinte pergunta: partido nazista não pode porque Hitler foi responsável (se não em engano) pela morte de 6 milhões de judeus na Segunda Guerra Mundial; mas partido comunista pode mesmo que os regimes de Pol Pot, Fidel Castro, Mao Tse Tung e Stálin tenham sido responsáveis pela morte de quase 100 milhões de pessoas?Ninguém me respondeu.

A turma com a qual eu conversava está na faixa dos 50 anos, como eu. A metade parou nos anos 80. E haja mimimi.

Não se engane, porém, o leitor: há também os mimizentos de direita – e eu já fui vítima de alguns. Estes últimos, todavia, nunca se conluiaram contra mim, nunca se juntaram em caravana na tentativa de afetar os meus afazeres profissionais. Apenas usam de estultice na direção oposta à dos adversários.

Mas o quebra-quebra em Brasília no último domingo pode ser um indício perigoso de que a turma da direita está assimilando o modus operandi dos adversários políticos. Não posso concordar com vandalismo – que a imprensa companheira insiste em tachar de ‘atos terroristas’. É de matar!

Mas caso esteja mesmo acontecendo isso, rogo pra que, ao menos, eles deixem o idioma em paz.


spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS