24 janeiro 2023 6:30
24 janeiro 2023 6:30

“Não sou Deus para perdoar”, diz mãe de jovem morto por PF em boate no Acre

A mãe da vítima conclui dizendo que não espera a prisão do acusado.

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

O policial federal Victor Campelo irá a julgamento nesta terça-feira (24). Ele foi preso em flagrante, acusado de homicídio contra o acreano Rafael Chaves Frota, ocorrido em frente a boate Set Club, em Rio Branco, em julho de 2016.

O acusado será julgado por júri popular, formado por 7 jurados. Por se tratar de um caso complexo, a sentença tem previsão para ser anunciada apenas na sexta-feira (27).

Da esquerda para a direita: o PF acusado pelo crime, e o jovem Rafael Frota/Foto: Reprodução

Victor pode ter uma pena de seis a 20 anos de reclusão. A defesa terá 10 testemunhas disponíveis para o caso. Já a acusação, terá 05.

À reportagem, Alcineide Frota, mãe da vítima, disse que espera há 6 anos e 6 meses pelo julgamento. “Eu espero que seja feita a justiça. Que as calúnias que foram feitas em relação ao meu filho sejam esclarecidas”.

Morando há 2 anos em João Pessoa, na Paraíba, Alcineide voltou ao Acre para acompanhar o julgamento. Ela criticou o fato do acusado alegar legítima defesa, mas diz não desejar o mal de Victor.

“Não desejo nada de ruim pra ele. Tirou a vida do meu filho dizendo que foi legítima defesa. Não sei que legítima defesa é essa se meu filho nem conhecia ele”.

Tiroteio em boate termina com estudante de morto em Rio Branco - 3 de Julho Notícias
Tiroteio em boate termina com estudante de morto em Rio Branco. Foto: 3 de Julho Notícias

Em 2016, foi expedido um alvará de soltura a Victor, que voltou a exercer suas atividades como Policial Federal em outro estado brasileiro. Questionada sobre se achava correto, Victor voltar às suas funções mesmo sendo acusado de cometer homicídio, Alcineide disse que o cenário já é conhecido.

“Isso já se esperava. Como sempre, eles se protegem muito. Na época, ele estava em estado probatório. Só dele ir a júri popular já é uma grande coisa. Nunca um policial federal pagou pelos seus erros que fez aqui. Fazem o que fazem, depois vão embora e acabou ali. E ele não. Vai ser julgado”, opina.

Alcinete declarou que não tem como perdoar Victor. “Não sou Deus para perdoar, não tenho ódio dele, graças a Deus. Mas eu tenho uma mágoa muito grande. Quiseram deixar meu filho como se ele fosse o assassino, que meu filho era o bandido da história”.

A mãe da vítima conclui dizendo que não espera a prisão do acusado.

“Não queria nem que ele fosse preso, queria que ele perdesse a farda, porque ele não tem competência para ser policial federal. Ele não tem competência para proteger vidas, se ele tira vidas”.

Entenda o caso

Na madrugada de 2 de julho de 2016, durante uma confusão em uma casa noturna em Rio Branco, o policial federal Victor Campelo foi acusado de ter disparado com arma de fogo dentro da boate, um desses tiros atingiu o estudante Rafael Frota, que chegou a ser socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas morreu na sala de cirurgia do Pronto-Socorro de Rio Branco.

Além de Rafael, os tiros também atingiu um homem e a própria perna do policial federal, que ficou internado no Pronto-Socorro devido aos ferimentos.

Com informações Contilnet.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS