24 janeiro 2023 5:57
24 janeiro 2023 5:57

Morre Roberto Dinamite, ídolo do Vasco, aos 68 anos

O ex-jogador vinha lutando contra um tumor no intestino desde o fim de 2021, teve uma piora no quadro e foi internado neste sábado, no hospital da Unimed, no Rio de Janeiro.

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) – O futebol brasileiro perdeu uma referência e o Vasco o grande ídolo. Morreu neste domingo (8) Carlos Roberto de Oliveira, o Roberto Dinamite, maior artilheiro da história do Cruz-Maltino e jogador com mais jogos pelo clube. Ele tinha 68 anos e desde o fim de 2021 fazia tratamento para tumores descobertos na região do intestino.

Pelo Cruz-Maltino, Dinamite foi campeão do Campeonato Brasileiro de 1974, dos Cariocas de 1977, 1982, 1987, 1988 e 1992, das edições do Troféu Ramón de Carranza em 1987 e 1988, dentre outros.

O ex-atacante ainda detém as marcas de maior artilheiro da história do Campeonato Brasileiro, com 190 gols, e do Campeonato Carioca, com 279. Não à toa, ele tem uma estátua atrás de um dos gols de São Januário.

Ao longo da carreira, ele também vestiu as camisas do Barcelona, da Espanha, da Portuguesa, do Campo Grande e, claro, da seleção brasileira.

Fora das quatro linhas, Dinamite elegeu-se vereador em 1992, pelo PSDB. Em 1994 se elegeu deputado estadual, cargo que ocuparia ainda por mais quatro mandatos. Também foi presidente do Vasco por duas gestões, entre 2008 e 2014.
Roberto ganhou o apelido de “Dinamite” devido ao Jornal dos Sports, mas há versões levemente diferentes. O ex-jogador, em entrevista ao UOL Esporte em 2019, citou uma manchete após o primeiro jogo no Maracanã.

“Eu fiz a minha estreia no Maracanã em um jogo entre Vasco e Internacional, no time principal, e aí surgiu o apelido Dinamite. Na época, o técnico interino me levou para a partida no Maracanã e eu entrei no segundo tempo. Peguei uma bola na intermediária, fui levando, levando, dei um corte no zagueiro e bati, um chute forte, de fora da área”, começou.

“Naquela época, a rede tinha um ferrinho, não era esticada como é hoje. Quando a bola entrou, ela levou a rede, carregou. E um fotógrafo tirou a foto e mostrou [para o time do Vasco]. O Jornal dos Sports deu, à época, ‘o garoto dinamite explode o Maracanã’. Desse título [da matéria, no jornal já extinto], surgiu o Roberto Dinamite”.

André Garone, no livro “1898 em diante”, porém, mostra que Roberto já era chamado de Dinamite antes do episódio narrado pelo ídolo vascaíno. Ele mostra trecho de uma matéria do Jornal dos Sports que citava “‘Roberto, agora chamado de Garoto Dinamite, não recebeu aplausos apenas pelos gols” antes mesmo do duelo com o Internacional.

Campeão brasileiro

Dinamite foi promovido ao elenco profissional no início da década de 1970 e se tornou um dos principais nomes do Vasco na conquista do Brasileiro de 1974. Com faro artilheiro, fez gols importantes e a relação com a torcida cresceu, vieram conquistas com a do Carioca de 77, e a identificação com o clube ficou ainda mais forte com o passar dos anos.

Um dos gols que marcou uma geração foi marcado em um clássico com o Botafogo, no Carioca de 1976. Na jogada, ele recebeu da direita, matou a bola no peito, deu um lençol no zagueiro Osmar e finalizou com uma espécie de voleio. O gol, aos 45 minutos do segundo tempo, garantiu a vitória vascaína de virada por 2 a 1 e ficou conhecido como “O Gol do Lençol”. Muitos o classificam como o gol mais bonito do Maracanã.

Ida para a Espanha e retorno

Em 1980, Dinamite foi vendido ao Barcelona, da Espanha, mas pouco após a estreia, houve uma troca no comando técnico e o brasileiro perdeu espaço. Neste cenário, o Flamengo, presidido por Márcio Braga, procurou o atacante. Após certa pressão da torcida, o Vasco foi ao Velho Continente e o repatriou.

O primeiro jogo após o retorno a São Januário foi contra o Náutico, que muitos, inclusive o próprio, não se lembram. A partida, talvez, tenha perdido o brilho diante dos cinco gols marcados na vitória por 5 a 2 sobre o Corinthians, no Maracanã, duelo que consolidou a retomada do laço.

Portuguesa e Campo Grande

Roberto Dinamite ficou no Vasco até 1989, marcou inúmeros gols e se afirmou como maior ídolo do clube. Em 1989, com 35 anos e em meio à chegada de outros nomes para a posição, ele acabou emprestado à Portuguesa e participou de uma das grandes campanhas da Lusa no Brasileiro.

Neste período, ainda viu o “nascimento” de Dener, de quem seria companheiro posteriormente no Cruz-Maltino.

Dinamite ainda retornaria à Colina. Em 1991, após o Brasileiro, o Vasco fez mudanças no grupo e o então atacante foi para o Campo Grande.

Em 1992, vestiu novamente a cruz de malta e, já na reta final da carreira, ainda foi campeão do Carioca.

Seleção brasileira

Roberto Dinamite disputou as Copas de 1978 e 1982, além de outros torneios. A última participação com a amarelinha foi em 1984 – mesmo em boa fase no Vasco, acabou não sendo convocado para a Copa de 1986.

A aposentadoria

Dinamite parou em 1993, pelo Vasco, e o adeus aos gramados aconteceu em um amistoso contra o La Coruna, da Espanha, em partida que Zico, maior ídolo do Flamengo, vestiu a camisa cruz-maltina.

Vida política

Dinamite também teve um currículo na política. Em 1992, se elegeu vereador no Rio de Janeiro pelo PSDB. Em 1994, venceu a corrida para deputado estadual, cargo este onde se reelegeria em mais quatro pleitos. A partir de 2002, passou a concorrer pelo PMDB.

Presidente do Vasco

Ídolo do Vasco, Dinamite também foi presidente do clube por dois mandatos, entre 2008 e 2014. Neste período, conseguiu o acesso de 2009 e conquistou a Copa do Brasil, até então inédita no clube, em 2011. Porém, terminou em baixa com o rebaixamento de 2013 e uma campanha irregular na Série B de 2014, mas que terminou com a vaga na elite.
Estátua

Em abril de 2022 o Vasco inaugurou uma estátua em homenagem a Roberto Dinamite, que fica atrás de um dos gols de São Januário e de frente para a torcida. O evento contou até mesmo de rivais, casos de Zico e Júnior, que fizeram questão de prestigiar o amigo de longa data.

“O Vasco foi, é e continua sendo muito importante na minha vida. E espero que esse momento aqui represente aquele algo a mais, do respeito e do amor. Estou emocionado”, disse, na ocasião.

A obra foi realizada com a contribuição da torcida, que fez doações para um financiamento coletivo para este fim.

 POR FOLHAPRESS
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS