7 fevereiro 2023 8:12
7 fevereiro 2023 8:12

Filho ‘bastardo’, incerteza da morte da mãe e rainha fofoqueira: as revelações bombásticas do livro de príncipe Harry

‘Spare’ vai ser lançado na terça-feira, 10; imprensa britânica repercute negativamente os trechos já publicados

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

A entrevista do príncipe Harry  à rede britânica ‘ITV’, no programa “60 Minutes”, da CBS, transmitida no domingo, 8, redeu novas revelações sobre a família real às vésperas do lançamento de sua autobiografia “Spare”. As declarações do segundo filho do rei Charles III estamparam as capas dos tabloides nesta segunda-feira, 9. “Eu não disse que a família real é racista”, estava escrito no Daily Mirror com uma foto do duque de Sussex, se referindo as acusações de racismo feitas em março de 2021 em entrevista a televisão americana. “Por favor, não case com Camila”, estava no The Teleghaph. Essas foram duas das falas de Harry durante o programa. Ele também acusou a imprensa de semear a discórdia na família real, disse que não reconhece mais seu pai ou seu irmão e acusa membros de sua família de “ir para a cama com o diabo” –a imprensa dos tabloides britânicos– para manchar a reputação dele e de sua esposa Meghan Markle e melhorar suas próprias reputações. Harry também acusou Camilla, rainha consorte, de vazar histórias sobre a família para a imprensa britânica como parte de sua campanha para “reabilitar sua imagem”. O segundo filho de Charles III disse que tornou públicas suas desavenças com a família real britânica e que partiu para o ataque contra a imprensa para tentar ajudar a monarquia e mudar a mídia, em uma investida que seu pai, o rei Charles III, descreveu como uma “missão suicida”.

“Durante estes 38 anos, muitas pessoas falaram sobre a minha vida de forma interessada. Isso me fez pensar que tinha chegado a hora de explicar a minha própria história”, disse durante a entrevista, transmitida poucos dias depois da polêmica provocada pelas revelações em suas memórias sobre as divergências com o seu irmão, sua vida sexual e consumo de drogas. “Deixei meu país natal com minha mulher e meu filho temendo por nossas vidas”, afirmou Harry à ITV, sobre sua decisão de ir morar na Califórnia. Ao longo dos últimos dias, a imprensa britânica repercute negativamente os trechos já publicados de “Spare”, que será lançado oficialmente na terça-feira, 10. Entre os detalhes vazados estão a acusação de que seu irmão, William – herdeiro do trono -, o agrediu durante uma discussão sobre sua esposa, a ex-atriz americana Meghan Markle, um relato de como perdeu a virgindade, uma confissão sobre o uso de drogas e a afirmação de que matou 25 pessoas em uma missão militar no Afeganistão. O príncipe também menciona como Charles III fazia piadas “sádicas” sobre o “verdadeiro” pai de Harry. Ele diz que cresceu ouvindo rumores sobre sua semelhança com James Hewitt, amante de Diana, falecida em 1997.

revelações de príncipe harry (1)
Capas dos jornais britânicos após revelações de príncipe Harry │Daniel LEAL / AFP

Para o Daily Express, o livro do príncipe é “um desastre pessoal cujas consequências prejudicarão Harry pelo resto de sua vida”. “O livro o expôs ao mundo como uma criança ciumenta, cuja incontinência verbal é igualada apenas a sua paranoia”, afirma o jornal. O The Sun vê a publicação como uma “mistura de uma sessão de terapia pública com a busca pessoal de um homem cuja última linha de defesa é o ataque”. Já o The Guardian relembrou a avó de Harry, a rainha Elizabeth II, que faleceu em setembro passado, aos 96 anos. “Se tivesse vivido para ver, isso não teria matado a rainha. Mas poderia tê-la tornado republicana”, brincou. Na opinião de Richard Fitzwilliams, especialista em família real, “o pior” do livro é “a forma como William é apresentado”. “Alguém que traiu a sua confiança, alguém que realmente o atacou. Não é um retrato muito lisonjeiro para um futuro rei”, sublinhou.

No domingo, o The Sunday Times citou fontes próximas ao príncipe William que dizem que ele está “triste” e “queimando por dentro”, mas permanece em silêncio pelo bem de sua família e país. Já o Telegraph acredita que, apesar do duro conteúdo do livro, Charles III estaria disposto a uma reconciliação como “a única forma de sair desta confusão”. Apesar de Harry concentrar seus ataques em William, o rei Charles III não se sente “menos magoado por não ter sido pessoalmente o foco da maior parte da raiva e frustração do livro”, disse um amigo próximo do rei.  Na entrevista de pouco mais de uma hora e meia, Harry afirmou que ainda acredita na monarquia, embora não se saiba se terá algum papel em seu futuro. O segundo filho de Charles III, revelou que “chorou uma vez” depois que sua mãe, a princesa Diana, morreu e se sentiu culpado por não expressar sua dor, enquanto cumprimentava uma multidão. Ele também contou que durante anos, ele e seu irmão, acreditaram que sua mãe teria fingido a própria morte e que um dia ela voltaria às suas vidas.

Com informações Jovem Pan

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS