24 janeiro 2023 10:59
24 janeiro 2023 10:59

Família de policial morto após invasão do Capitólio processa Trump

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

A família de um policial do Capitólio norte-americano que morreu um dia após os distúrbios de 6 de janeiro de 2021 processou o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump por homicídio culposo na quinta-feira, alegando que ele incitou seus apoiadores a cometer violência naquele dia.

A ação foi movida no Tribunal Distrital dos EUA em Washington contra Trump em nome do espólio do policial Brian Sicknick, que morreu aos 42 anos após uma série de derrames em 7 de janeiro.

Um médico legista disse que Sicknick não sofreu nenhum ferimento durante o ataque ao Capitólio dos Estados Unidos, onde os parlamentares estavam certificando os resultados da eleição presidencial, determinando que a morte de Sicknick foi devido a causas naturais, mas disse que os eventos violentos de 6 de janeiro provavelmente “desempenharam um papel em sua condição”.

O réu Trump intencionalmente irritou a multidão e a dirigiu e encorajou a atacar o Capitólio dos EUA, e atacar aqueles que se opunham a eles“, afirma o espólio de Sicknick nos documentos do tribunal.

A violência que se seguiu e os ferimentos que a violência causou, incluindo os ferimentos sofridos pelo policial Sicknick e sua eventual morte, foram consequências razoáveis e previsíveis das palavras e conduta do réu Trump“, alega o processo.

Uma porta-voz de Trump não foi encontrada para comentar na noite de quinta-feira.

Além de homicídio culposo, o processo acusa Trump de violar os direitos civis, agressão e negligência de Sicknick. A família pede 10 milhões dólares em indenizações. Dois manifestantes de 6 de janeiro também foram citados na denúncia.

Um painel da Câmara dos Deputados dos EUA, liderado pelos democratas e que investiga os eventos de 6 de janeiro, pediu aos promotores federais em dezembro que acusassem Trump de obstrução e insurreição.

O pedido do comitê ao Departamento de Justiça dos EUA marcou a primeira vez que o Congresso encaminhou um ex-presidente para processo criminal.

UOL

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS