31 janeiro 2023 11:15
31 janeiro 2023 11:15

Caso Rafael: delegado diz que policial federal atirou em legítima defesa

“Acredito que a intenção de Victor era repelir os agressores e que infelizmente o estudante foi atingido”, disse Rodrigo Noll.

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

Durante seu testemunho no início do julgamento do policial federal Victor Campelo, acusado de matar com um tiro o estudante Rafael Chaves Frota, nesta terça-feira, 24, o delegado de Polícia Civil, Rodrigo Noll garantiu em juízo, que o réu agiu em legítima defesa no dia do crime para evitar agressões de três homens que estavam na boate no dia do ocorrido.

“Após as investigações concluímos que o policial federal, Victor Campelo agiu em legítima defesa, já que estava sendo agredido por parte de Nelcione e Marquinhos, além de uma terceira pessoa. Consideramos que aquela foi a única alternativa que ele tinha, no momento, para impedir as agressões, porém, mesmo efetuando os disparos, os agressores continuaram o agredindo”, disse o delegado.

Para ele, a fatalidade foi um erro de execução. “Acredito que a intenção do policial era repelir os agressores e que infelizmente Rafael Frota foi atingido. Victor efetuou três disparos, um em sua própria perna, outros dois sem gravidade em um dos agressores e o quarto atingiu o estudante”.

A Gazeta do Acre

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS