1 fevereiro 2023 2:03
1 fevereiro 2023 2:03

Rússia “não sabe lutar, a única coisa que ainda pode fazer é aterrorizar”

O presidente ucraniano comentou os nove meses desde o início da guerra no país: "A Rússia não encontrou uma forma de nos quebrar. E não vai encontrá-la", destacou

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, acusou, esta quinta-feira (24), a Rússia de “não saber lutar” e de querer “aterrorizar” o povo ucraniano. No seu habitual discurso à nação, o chefe de Estado comentou os nove meses da guerra, que teve início a 24 de fevereiro, e fez ainda um ponto de situação sobre os ataques russos às infraestruturas de energia.

“Eles não sabem como lutar. A única coisa que eles ainda podem fazer é aterrorizar. Ou terror energético, ou terror de artilharia, ou terror de mísseis – é tudo a que a Rússia se degradou sob os seus atuais líderes”, afirmou Zelensky.

Na ótica do presidente ucraniano, a Rússia não quer apenas que os ucranianos fiquem “sem luz e calor”, mas também que se isolem “uns dos outros”.

A restauração de energia continua decorrendo um pouco por toda a Ucrânia e há agora “problemas com a água em 15 regiões”, sendo Kyiv, Kirovohrad, Dnipropetrovsk, Lviv, Poltava e Kharkiv as mais afetadas.

“A situação com a eletricidade continua sendo difícil em quase todas as regiões. Mas mesmo assim, estamos afastar-nos pouco a pouco do apagão – a cada hora restauramos a energia a novos e novos consumidores”, afirmou Zelensky, acrescentando que a restauração da energia é uma “tarefa de âmbito nacional”.

Sobre a situação atual do conflito, o chefe de Estado diz receber “quase todas as horas, relatórios de bombardeamentos dos ocupantes em Kherson e outras comunidades da região”. “Tal terror começou imediatamente após o exército russo ter sido forçado a fugir da região de Kherson. Esta é a vingança daqueles que perderam”, considerou.

E deixou um alerta: “Só a libertação da nossa terra e garantias de segurança fiáveis para a Ucrânia é que podem proteger o nosso povo de qualquer escalada russa”.

Zelensky saudou ainda a troca de 50 prisioneiros de guerra, dois oficiais e 48 soldados, que agora “finalmente, estarão em casa”, e garantiu que a Ucrânia fará “tudo o que for possível e impossível para recuperar todos os homens e mulheres ucranianos que ainda estão detidos pelos ocupantes”.

“Passámos nove meses de guerra em grande escala e a Rússia não encontrou uma forma de nos quebrar. E não vai encontrá-la. Temos de continuar aguentando assim no futuro! Em unidade e ajudando-nos uns aos outros”, destacou.

O conflito entre a Ucrânia e a Rússia começou com o objetivo, segundo Vladimir Putin, de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia. A operação foi condenada pela generalidade da comunidade internacional.

A ONU confirmou que cerca de seis mil civis morreram e mais de dez mil ficaram feridos na guerra, sublinhando que os números reais serão muito superiores e só poderão ser conhecidos quando houver acesso a zonas cercadas ou sob intensos combates.

POR NOTÍCIAS AO MINUTO BRASIL

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS