25 novembro 2022 3:08
25 novembro 2022 3:08

Polícia Militar faz cerco e mata homem que assassinou irmão e prometia chacina

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

A Polícia Militar precisou cercar a comunidade rural de Bambus, em Esmeraldas, na Grande BH, no fim da tarde desse domingo (13/11), para deter um homem de 44 anos que, segundo testemunhas, estava embriagado, matou o próprio irmão, pôs a mãe na mira de uma arma de fogo e saiu de casa prometendo eliminar mais de 50 desafetos e depois tirar a própria vida.

No fim da tarde, depois de tomar bebidas alcoólicas, Claudinei da Silva Teixeira, de 44 anos, teria discutido com a mãe, na casa dela, na comunidade de Vista Alegre, em Esmeraldas. Ela disse para a polícia que Claudinei mirou nela uma carabina de calibre composto, 22 e 36, mas que ela conseguiu fugir para o mato. Mas o irmão do agressor, Kennedy Luiz da Silva, de 47 anos, chegou ao local e foi baleado na altura da costela direita, caiu e morreu.

Transtornado, segundo a própria esposa disse à polícia, Claudinei foi até a sua casa, no mesmo terreno, a 100 metros do local do crime, reuniu farta munição, entrou em seu carro e partiu, dizendo a ela que iria matar mais de 50 pessoas e depois se suicidar. A Polícia Militar foi acionada e um rastreamento e cercos foram posicionados pela 6a Companhia.

Segundo consta na ocorrência da PMMG, Claudinei foi até a casa de uma pessoa com quem tinha brigado no dia anterior, na comunidade de Bambus, mas só encontrou a mãe dele. Ele disse a ela que voltaria para o matar e partiu para uma fazenda próxima, onde encontrou outro alvo, um homem que fugiu para uma mata sob os disparos do homem.

Nesse meio tempo a comunidade foi cercada e Claudinei, avistado. Ele fugiu por estradas de terra, tentando escapar dos bloqueios por mais de um quilômetro e tendo uma viatura no seu encalço. Até que decidiu parar e enfrentar os policiais militares.

De acordo com a ocorrência policial, ele desembarcou do carro, um Volkswagem Gol, após uma forte freada. Teria então aberto a porta e já saído atirando, o que obrigou os policiais a abandonar às pressas a viatura e revidar.

Um soldado ficou ferido numa das coxas por estilhaços de vidro da viatura, atingido pelos disparos de Claudinei. Três policiais atiraram para conter Claudinei.

Baleado pelos policiais, Claudinei voltou para o carro, recarregou a carabina, mas ao deixar o veículo para atacar novamente os policiais, ele cambaleou e caiu morto, segundo o testemunhos dos militares.

Ao todo, os três policiais fizeram 66 disparos nesse cerco, sendo 10 de fuzil calibre 556. Na arma de Claudinei foram encontradas duas munições. No carro do suspeito havia ainda 40 munições de calibre 36 e oito de calibre 22, além de um estojo de munição deflagrada de calibre 39 no bolso da bermuda – o que pode indicar que Claudinei ainda tinha poder de fogo para perseguir mais vítimas.

Fonte: EM

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS