29 novembro 2022 11:26
29 novembro 2022 11:26

Isolado no Brasil e no mundo, Bolsonaro não vai à cúpula do G20

Bolsonaro não irá à cúpula do G20, gesto inédito entre os presidentes brasileiros e marca um fim melancólico de seu governo, assinala o jornalista Jamil Chade no UOL

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

Jair Bolsonaro termina seu mandato à frente do Poder Executivo brasieiro de maneira melancólica. Derrotado nas urnas por Luiz Inácio Lula da Silva, à frente de uma ampla coalizão de forças progressistas, isolado politicamente no país e repudiado em todo o mundo, o ocupante do Palácio do Planalto não vai à cúpula do 620, que se realiza na próxima semana em Bali, Indonésia.

O Brasil será representado pelo chanceler Carlos França. “O encontro tem em sua agenda alguns dos principais temas internacionais, num grupo considerado como o diretório do planeta”, sublinha o jornalista Jamil Chade no UOL.

Completamente marginalizado no mundo, Bolsonaro se deu conta que nenhum outro governo desejava manter reuniões com ele e que o foco da comunidade internacional é mesmo com a posse de Luiz Inácio Lula da Silva. Nenhuma reunião bilateral havia sido agendada para ele, escreve Chade.

Isto atesta a irrelevância do governo Bolsonaro. De acordo com o jornalista, trata-se de um réquiem “de um governo que apequenou o Brasil no mundo”.

Para diplomatas estrangeiros, a ausência de Bolsonaro é uma mistura de alívio e de “pena” diante do colapso de uma política externa de um país que servia de referência ao mundo, ressalta Chade, ao apontar a condição de pária internacional do Brasil sob o governo de Bolsonaro.

Em 2021, na cúpula do G20, em Roma, Bolsonaro ficou no ostracismo, em sua condição de pária internacional

Brasil 247

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS