31 janeiro 2023 11:46
31 janeiro 2023 11:46

Entenda o risco de rinomodelação acabar em necrose, como aconteceu com Naldo Benny

De acordo com especialista, efeitos colaterais do procedimento são raros, mas podem causar sequelas estéticas irreversíveis

Por Portal R7

- Publicidade -

No último sábado (26), o cantor Naldo Benny contou em suas redes sociais que está tratando um princípio de necrose no nariz após ter passado por uma rinomodelação — procedimento estético no nariz.

Segundo Wendell Uguetto, cirurgião plástico da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e do Hospital Albert Einstein, efeitos colaterais como esse são raros em procedimentos estéticos, mas podem ser bastante graves e causar sequelas estéticas irreversíveis.

Em uma série de stories no Instagram, Naldo contou que ficou “muito preocupado” com o estado do seu nariz, mas que já estava sendo muito bem cuidado por uma equipe profissional. Ele compartilhou um depoimento da médica Cindy Alves, que está acompanhando o seu caso.

No vídeo, a médica explica que “ele realizou um procedimento com outro profissional e teve uma intercorrência: uma obliteração de vasos e um princípio de necrose”. Nas imagens, é possível ver o nariz de Naldo inchado e com manchas escuras.

Segundo Uguetto, “a necrose de pele acontece quando a gente injeta o produto dentro de alguns vasos sanguíneos que irrigam o nariz ou quando há uma grande injeção de produto num mesmo dia. Ou seja, injetado muito produto, essa pele fica tensa, e isso atrapalha a circulação”. Quando isso acontece, a pele e os tecidos infectados começam a morrer.

Quais os riscos da rinomodelação?

A rinomodelação é um procedimento que muda a estética nasal por meio da aplicação de um produto. Na maioria das vezes, é utilizado ácido hialurônico, que é considerado um material seguro para o corpo humano.

“Ele [ácido hialurônico] é absorvido pelo organismo e é de fácil retirada, então, é um produto de qualidade. O grande problema da rinomodelação é que ela está, também, associada a algumas complicações e intercorrências”, diz Uguetto.

Segundo o médico, as complicações graves que podem acontecer após uma rinomodelação são edemas com infecção e necrose de pele, como aconteceu com Naldo.

“É raro você ter necrose, é raro ter infecção, mas quando isso acontece essas complicações são graves, porque causam sequelas estéticas irreversíveis”, afirma.

Geralmente, esses problemas são criados quando o procedimento estético é feito de forma negligente, em lugares que não têm as condições adequadas ou por profissionais que não são capacitados.

“A clínica [em que Naldo fez o procedimento] era ‘especializada em harmonização facial’, mas muitas vezes o procedimento não é realizado por um médico — às vezes é feito por biomédico —, e a falta de conhecimentos em anatomia é o que pode levar a essas complicações”, explica.

Naldo não deu detalhes sobre o local nem a especialidade do profissional que realizou a sua rinomodelação.

Sintomas, tratamentos e sequelas

Quando há necrose de pele ou edema com infecção, a região infectada tende a ficar inchada, vermelha, quente ao toque e, em alguns casos, com bolhas. A pessoa costuma sentir dor intensa no local, mal-estar e febre.

O tratamento adequado demanda avaliação médica individual e varia de caso para caso. Geralmente, são receitados antibióticos ou anti-inflamatórios para conter a infecção.

Em caso de necrose, quando é irreversível, é necessário retirar os tecidos necrosados e reconstruir a pele do local afetado. A depender do tamanho da infecção, é preciso fazer um transplante de pele.

O médico pode retirar pele de outras regiões do corpo do paciente, como da testa ou da bochecha, para reconstituir a pele do local afetado pela necrose. Ao fim, o paciente fica com uma cicatriz.

“Uma reconstituição nunca é igual ou perfeita à pele normal do paciente, por isso falamos que as sequelas estéticas são irreversíveis”, alerta Uguetto.

Quando a necrose não é tratada rapidamente, ela pode ultrapassar a barreira da pele e afetar a parte interna do nariz. “A pessoa pode perder o nariz, atrapalhando a parte funcional da respiração, porque o ar deixa de passar pelo nariz”, finaliza o médico.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS