9 dezembro 2022 2:43
9 dezembro 2022 2:43

Coreia do Norte lança mais um míssil capaz de atingir os EUA

Líderes de EUA, Japão, Canadá, Coreia do Sul, Nova Zelândia e Austrália condenam lançamento e anunciam "resposta" internacional

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

A vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, e os líderes de Japão, Canadá, Coreia do Sul, Nova Zelândia e Austrália condenaram nesta sexta-feira (18/11) o lançamento de um míssil balístico intercontinental (ICBM, na sigla em inglês) pela Coreia do Norte.

Eles alertaram que encontrarão “uma resposta forte e determinada da comunidade internacional”, após participarem de uma reunião de emergência convocada por Harris devido ao disparo norte-coreano, à margem da cúpula do fórum da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec) em Bangkok.

“Também pedi a eles que se juntassem para que nós, como aliados e parceiros, pudéssemos realizar consultas sobre os próximos passos. Essa conduta da Coreia do Norte, mais recentemente, é uma insolente violação das múltiplas resoluções de segurança da ONU. Isso desestabiliza a segurança na região e aumenta desnecessariamente as tensões”, acrescentou.

“Pedi a este grupo de aliados e parceiros que se unisse a nós para condenar o lançamento de mísseis balísticos de longo alcance pela Coreia do Norte”, disse Harris.

Logo em seguida, a Casa Branca emitiu um comunicado afirmando que os participantes da reunião concordaram que o lançamento do míssil “é uma violação flagrante de várias resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas”.

Por isso, pedem aos países-membros da ONU que implementem resoluções para responder a essa violação, reafirmando que “o caminho do diálogo está aberto para a República Democrática da Coreia do Norte”, à qual exortaram que “abandone a provocação desnecessária e retorne a uma diplomacia séria e sustentada”.

Capacidade para atingir os EUA

O mais provável é que o míssil tenha caído no mar a cerca de 210 quilômetros a oeste da cidade japonesa de Hokkaido, de acordo com a Guarda Costeira do Japão. Segundo o ministro da Defesa japonês, Yasukazu Hamada, o míssil tinha alcance suficiente para atingir o território continental dos Estados Unidos.

O ministro do Exterior do Japão, Fumio Kishida, chamou o lançamento do míssil de “totalmente inaceitável” e pediu uma ação unida da comunidade internacional para a desnuclearização completa da Coreia do Norte.

O Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul informou que o lançamento foi realizado por volta das 10h15 (hora local) na área de Sunan, onde fica o aeroporto internacional de Pyongyang, local escolhido pelo regime para também lançar mísseis balísticos intercontinentais em fevereiro, março e 3 de novembro, embora dois dos lançamentos tenham fracassado.

O lançamento desta sexta-feira se soma aos cerca de 30 projéteis disparados por Pyongyang desde o início de novembro em resposta a grandes manobras aéreas de Seul e Washington, incluindo outro ICBM que, aparentemente, falhou e caiu prematuramente nas águas do Mar do Japão.

A tensão na península atinge níveis sem precedentes devido aos repetidos testes de armas norte-coreanos, às manobras dos aliados e à possibilidade de que, conforme indicam os satélites, o regime de Kim Jong-un já esteja pronto para realizar seu primeiro teste nuclear desde 2017.

Resposta de EUA e Coreia do Sul

Os exércitos sul-coreano e americano responderam nesta sexta-feira ao lançamento norte-coreano, disparando bombas guiadas em caráter de teste a partir de caças F-35, além de realizar outras manobras aéreas combinadas sobre o Mar do Oriente (nome dado pelas duas Coreias ao Mar do Japão).

Os caças F-35A sul-coreanos de quinta geração lançaram bombas guiadas a laser GBU-12 em alvos que simulavam ser plataformas móveis norte-coreanas (TELs), enquanto outros quatro F-35A sul-coreanos e quatro F-16 americanos realizaram voos de formação de combate sobre o Mar do Japão, informou o Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul, em comunicado.

Metrópoles

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS