25 novembro 2022 1:16
25 novembro 2022 1:16

Ministro Alexandre Moraes diz que teste nas urnas mostrou que não houve divergência nos votos

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

O ministro Alexandre de Moraes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), informou nesta quinta-feira (6) durante a sessão que o teste de integridade das urnas eletrônicas no primeiro turno não apresentou divergências.

Isto quer dizer que, conforme o teste de integridade, os votos dados pelos eleitores foram os mesmos votos registrados pelas urnas para os candidatos.

Desde 2002, o teste de integridade simula uma votação normal e é realizado nos tribunais regionais eleitorais no dia da eleição. O objetivo é verificar se o voto depositado é o mesmo que a urna eletrônica registra.

O teste foi feito em 640 urnas aleatórias e retiradas das seções eleitorais. A votação do teste de integridade é filmada e, ao fim, os fiscais conferem se o boletim da urna bate com os votos inseridos.

Conforme Moraes, “todas as urnas conferiram os votos dados na urna com os votos dados em papel”.

O presidente do TSE tem reiterado que as urnas eletrônicas são confiáveis e auditáveis e que o processo eleitoral é transparente.

‘Absoluta lisura’ das urnas

O ministro também afirmou que o projeto-piloto com biometria, feito em 20 estados e no DF com 58 urnas, não apresentou divergências.

“Da mesma forma, não houve nenhuma divergência, 100% de aprovação no teste de integridade com biometria”, disse.

“Ou seja, novamente o primeiro turno nas eleições 2022 se repetiu o que houve nas eleições 2020, 2018, 2016. […] Vinte anos de absoluta lisura das urnas eletrônicas com comprovação imediata pelo teste de integridade”, declarou.
A biometria foi uma reivindicação do Ministério da Defesa, que integra com o TSE e outros órgãos uma comissão de transparência das eleições. Segundo Moraes, participaram 493 voluntários.

G1

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS