22 setembro 2022 12:55
22 setembro 2022 12:55

Possíveis ameaças às eleições do ano de 2022 são elencadas pela ABIN

Plano Estratégico elaborado pela Agência Brasileira de Inteligência também define limites para atuação de agentes.

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

O Plano Estratégico para a Segurança Institucional das Eleições 2022, elaborado pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin), considera a possibilidade de interferências externas, ataques cibernéticos, terrorismo e ações contrárias ao Estado Democrático de Direito como principais ameaças ao pleito deste ano.

O documento, que a reportagem teve acesso, tem caráter reservado. Nele, os integrantes da agência são orientados a “identificar e neutralizar ações que afetem o processo eleitoral”.

O plano também define limites para atuação dos agentes e deixa claro que o trabalho “não envolve o monitoramento da sistemática de votação, nem a análise de resultados eleitorais”.

Isso significa que ao considerar a possibilidade de ataques cibernéticos, a Abin não faz referência às urnas eletrônicas. As considerações dizem respeito a ações criminosas, em ambiente virtual, com potencial de influenciar o voto do eleitor.

Procurada, a assessoria de comunicação da Abin confirmou os eixos de atuação nas eleições deste ano e a existência de um documento com orientações sobre o trabalho a ser feito durante o pleito.

“O plano está organizado em linhas de análise, que congregam as principais linhas de atuação e explicitam o escopo e o não-escopo de trabalho, o qual poderá ser atualizado e adaptado ao longo da execução do plano”, afirma.

A Abin acrescenta, ainda, que tanto a Agência quanto os órgãos que compõem o Sistema Brasileiro de Inteligência (Sisbin) têm tido participação ativa na garantia da segurança do processo eleitoral, na preservação dos valores democráticos e na defesa da soberania nacional.

“A agência exerce função de assessoramento em temas de impacto no processo decisório nacional, definidas na Política Nacional de Inteligência”, finaliza o texto.

Fonte/ CNN BRSIL

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS