24 setembro 2022 11:17
24 setembro 2022 11:17

Perícia aponta que van causou acidente que matou cinco mulheres

Polícia Civil concluiu inquérito e indiciou o motorista da van, Jean Lopes de Oliveira Junior, por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. Caso foi encaminhado para o Judiciário de Xapuri. Acidente ocorreu em julho deste ano na BR-317, em Xapuri.

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

A perícia concluiu que o acidente entre uma van e um caminhão em julho na BR-317, em Xapuri, interior do Acre, foi causado após a van invadir a pista contrária e bater no outro veículo. A informação foi confirmada pelo delegado responsável pelas investigações, Gustavo Neves, nessa quarta-feira (14).

Acidente ocorreu na BR-317, em Xapuri, em julho deste ano — Foto: Arquivo/Corpo de Bombeiros do Acre

Com a conclusão do inquérito, a Polícia Civil indiciou o motorista da van, Jean Lopes de Oliveira Junior, por homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

“A perícia apontou que a van invadiu a mão contrária da pista onde o caminhão estava. Eu já conclui o inquérito e enviei para o Judiciário na segunda-feira [12]. Ele foi indiciado por homicídio culposo. A perícia não confirmou como houve, lá não têm câmeras, a perícia só fez essa menção de quem invadiu a pista foi o motorista da van”, destacou Gustavo Neves.

Ainda segundo o delegado, as testemunhas não relataram que o motorista estava em alta velocidade. Ele confirmou que, além dos motoristas, foram ouvidos cerca de sete passageiros. “O caso foi encaminhado para o Judiciário de Xapuri. Não cabe nenhum pedido de prisão e só encaminhei o relatório do inquérito com as peças. O juiz deve agora abrir para o MP, que vai ou não oferecer denúncia”, concluiu.

O advogado Mário Rosas, responsável pela defesa do motorista, disse que a defesa não foi notificada do resultado da perícia e que vai primeiro verificar o teor da perícia para se posicionar. Contudo, segundo ele, o cliente nega que houve uma invasão dele na pista contrária. “Temos testemunhas que irão esclarecer”, resumiu.

A batida, no km 181 da rodovia, deixou cinco mulheres mortas e diversas outras pessoas feridas. Ao todo, 16 pessoas estavam na van. Os passageiros seguiam do interior para a capital acreana para fazer exames ou acompanhamento médico no Hospital de Amor.

Jean Lopes de Oliveira Junior, que conduzi a van, sofreu apenas escoriações. Na época, ele tinha um cargo de diretor operacional da Companhia de Armazéns Gerais e Entrepostos do Acre (Cageacre) e foi afastado da função.

Porta da van ficou presa no caminhão após a batida — Foto: Arquivo/CBM-AC

Segundo informou o governo na época do acidente, o cargo ocupado era de dedicação exclusiva e por isso não poderia atuar como motorista da van, que não tinha ligação com o órgão público. Após o afastamento, o motorista foi exonerado do cargo de diretor.

A van tinha sido concedida por meio da ajuda do deputado estadual Antônio Pedro que foi quem pagou pelo transporte, segundo confirmou à Rede Amazônica. O deputado disse que negociou com o dono da van que atua nesse tipo de transporte de passageiros e que o valor pago era mais uma ajuda de custo para o combustível e que o trabalho feito era para ajudar as mulheres.

Depoimentos dos motoristas

Os dois motoristas foram ouvidos um dia após a batida, no dia 28 de julho. O motorista do caminhão relatou que seguia na via quando sentiu o impacto da batida. Ele afirmou que a van que invadiu a pista na contramão e bateu contra o caminhão.

Já em seu depoimento, Jean Oliveira Júnior rebateu a versão do motorista do caminhão e afirmou que, na verdade, que caminhão que saiu da contramão e atingiu a van.

O condutor falou ainda para a polícia que fez contato com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para socorrer as vítimas e também receber atendimento médico. Segundo a polícia, Júnior estava bastante abalado durante o depoimento.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS