4 dezembro 2022 4:45
4 dezembro 2022 4:45

Navio de guerra de superfície mais avançado é enviado pelos Estados Unidos para o Leste da Ásia

USS Zumwalt é o primeiro de uma classe de três destroieres de mísseis guiados multimissão que a marinha dos EUA diz que “criará um novo nível de complexidade do espaço de batalha para potenciais adversários”

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

O navio de guerra de superfície mais avançado da marinha dos Estados Unidos está mostrando seu perfil furtivo no Pacífico ocidental em uma missão que pode preparar o terreno para a eventual implantação de mísseis hipersônicos dos EUA na região.

O USS Zumwalt é o primeiro de uma classe de três destroieres de mísseis guiados multimissão que a marinha diz que “criará um novo nível de complexidade do espaço de batalha para potenciais adversários”.

No Pacífico, um desses potenciais adversários é obviamente a China, e o Zumwalt certamente atrairá a atenção de Pequim.

“A presença de um navio de guerra furtivo atrairá muito interesse (chinês)”, especialmente se o Zumwalt estiver equipado com armas hipersônicas, disse o analista Carl Schuster, ex-capitão da marinha dos EUA.

E esse tempo pode não estar longe.

Um relatório de agosto do Instituto Naval dos EUA disse que o Zumwalt será atualizado no próximo ano para acomodar o Common Hypersonic Glide Body (C-HGB) do Pentágono, um sistema de armas que usa um motor de foguete de reforço para disparar mísseis em velocidade hipersônica.

De acordo com um relatório do Serviço de Pesquisa do Congresso de maio de 2022, “o C-HGB deve ser manobrável, tornando-o mais difícil de detectar e interceptar e pode viajar a Mach 5 ou superior… até 13.000 milhas (20.921 quilômetros) por hora”.

“O C-HGB deve ser capaz de destruir alvos apenas em virtude de sua velocidade”, disse o relatório.

Depois de fazer uma escala em Guam na semana passada, o Zumwalt chegou ao Japão na segunda-feira (26), disse o porta-voz da 7ª Frota da Marinha dos EUA, tenente Mark Langford.

Um comunicado da marinha disse que o navio de guerra foi designado para o Destroyer Squadron 15, o maior esquadrão de contratorpedeiros da marinha dos EUA baseado fora dos Estados Unidos, operando na Base Naval de Yokosuka, perto de Tóquio.

Zumwalt “desempenha um papel fundamental na manutenção de nossa vantagem competitiva e na garantia de nossos aliados e parceiros na região”, disse a tenente Katherine Serrano, porta-voz do Destroyer Squadron 15.

Zumwalt supera outros destróieres dos EUA

Com 185 metros de comprimento e 16.000 toneladas, o Zumwalt é “o maior e mais avançado combatente de superfície do mundo”, de acordo com uma ficha técnica da marinha.

Em contraste, os destroieres da classe Arleigh Burke, a espinha dorsal da frota da marinha dos EUA, são cerca de 30 metros mais curtos com um deslocamento inferior a 10.000 toneladas.

O maior combatente de superfície da China, o destroier Type 055, desloca cerca de 12.000 a 13.000 toneladas.

Mas, embora a marinha do Exército de Libertação Popular (ELP) da China não possa se equiparar ao tamanho de Zumwalt, certamente pode vencer a batalha pela quantidade.

A marinha dos EUA terá apenas três navios da classe Zumwalt, sendo os outros o USS Michael Mansoor e o futuro USS Lyndon B. Johnson.

A marinha do ELP tem seis Type 055 ativos e espera-se que mais venham como parte de um enorme programa de construção naval que viu a frota naval chinesa ultrapassar os EUA e se tornar a maior do mundo.

O USS Zumwalt está armado com 80 células de lançamento vertical para mísseis que podem atingir alvos terrestres e marítimos, bem como foguetes antissubmarinos, mas o Type 055 possui 112 células de lançamento capazes das mesmas tarefas.

A marinha dos EUA diz que o Zumwalt possui uma série de inovações, a mais impressionante entre elas é seu design furtivo.

“O design do casco tumblehome que perfura as ondas facilitou uma ampla gama de avanços. A superestrutura composta reduz significativamente a seção transversal do radar e outras assinaturas, tornando o navio mais difícil de detectar pelos inimigos no mar”, de acordo com a ficha técnica da marinha.

Programa problemático

A classe Zumwalt dos destroieres tem sido um programa controverso e caro para a marinha dos EUA. Com os custos de pesquisa e desenvolvimento acumulados, os três navios da classe têm um preço de cerca de US$ 8 bilhões cada, de acordo com um relatório de 2018 do Government Accountability Office (GAO) ao Congresso.

Esse preço por navio teria sido consideravelmente reduzido se a marinha tivesse prosseguido com seu plano original de construir 32 dos destroieres maciços, mas esse número foi reduzido para os três atuais depois que o serviço decidiu que a classe Zumwalt precisaria de modificações substanciais para realizar uma missão de defesa antimísseis balísticos, algo que os Arleigh Burkes poderiam fazer mais barato, de acordo com o Serviço de Pesquisa do Congresso.

Os navios também demoraram a entrar em operação. O Zumwalt foi comissionado em 2016, mas levou quatro anos para a marinha aceitar a entrega final do construtor de navios General Dynamics depois que todos os seus sistemas foram verificados.

Embora os movimentos de um navio de guerra sejam normalmente chamados de desdobramentos, a marinha não está usando esse termo para a presença atual do Zumwalt no Pacífico, disse um oficial.

“Enquanto o navio e a tripulação estão sendo encarregados como os navios normalmente seriam, seu emprego faz parte do processo de integração da frota de introduzir uma classe de navio no ambiente operacional e entender como ele pode operar melhor com outros navios/plataformas”, disse o oficial.

Schuster, o analista do Havaí, chamou os movimentos de Zumwalt de “mais políticos do que militares” até que a marinha possa colocar essas armas hipersônicas a bordo.

“Com mais de US$ 8 bilhões cada, a Marinha está lutando para encontrar uma missão para esses navios atualmente levemente armados”, disse ele.

Ainda assim, disse ele, isso dará à marinha da China algo em que pensar.

Fonte: CNN Brasil

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS