2 dezembro 2022 2:05
2 dezembro 2022 2:05

Líder do grupo invazor do Capitólio em 6 de janeiro deve passar por julgamento nas próximas horas

Oath Keepers pretendia impedir que Joe Biden assumisse a presidência dos EUA; Stewart Rhodes, líder do grupo, e outros quatro réus serão julgados pelos atos que teriam sido cometidos em Washington.

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos vai apresentar seus argumentos no julgamento desta semana. É a primeira vez em mais de uma década que um grupo de americanos conspirou para se opor violentamente ao governo dos EUA.

O julgamento histórico do líder do Oath Keepers, Stewart Rhodes, e quatro de seus principais tenentes fornecerá um mergulho profundo em uma milícia de extrema direita e movimento extremista.

Eles, supostamente, planejavam impedir Joe Biden de se tornar presidente em janeiro de 2021 por qualquer meio necessário, o que resultou na invasão do Capitólio.

Os promotores federais pretendem provar que o plano incluía uma viagem de reconhecimento a Washington, DC, encenar uma “força de reação rápida” armada em um hotel do outro lado do rio Potomac, usar formação militar para invadir o Capitólio dos EUA. A procuradoria dos Estados Unidos ainda pretende comprovar que alguns réus foram orientados a procurar legisladores dentro do local.

A acusação histórica é o caso mais agressivo e politicamente carregado que os promotores abriram contra um grupo de supostos desordeiros até o momento e marcou uma mudança dramática na abordagem do departamento para processar os réus de 6 de janeiro.

Este é o primeiro de três julgamentos sobre o caos programados para este ano.

O caso também vem com pesadas ramificações políticas. Quando foi revelado em janeiro de 2022, a acusação provocou protestos de alguns apoiadores de Trump e figuras de proa da direita que alegaram que as acusações eram forjadas ou politicamente motivadas, e o Departamento de Justiça investiga aqueles que se mostraram alinhados com o ex-presidente.

O julgamento contra os Oath Keepers começa nesta terça-feira com a seleção do júri no tribunal federal de DC. Todos os cinco réus se declararam inocentes da acusação e podem ser condenados a uma sentença máxima de 20 anos em uma prisão federal.

Os réus

Stewart Rhodes, de 57 anos, é um ex-paraquedista do Exército dos EUA e formado pela Yale Law School. Rhodes, que é do Texas, fundou os Oath Keepers em 2009 e lidera a milícia desde então.

Kelly Meggs, 53, é a líder da filial da Flórida dos Oath Keepers. Meggs atendia pelo apelido de “Gator 1”. Jessica Watkins, 40, é uma veterana do Exército e dona de um bar de Ohio. Watkins, que serviu no Afeganistão, era a “comandante” de sua própria milícia baseada em Ohio, usando o apelido de “Cap”.

Kenneth Harrelson, 41, é um ex-sargento do Exército e líder do Oath Keepers da Flórida. Harrelson usou o apelido de “Gator 6”.

Thomas Caldwell, 68, da Virgínia, é um ex-tenente-comandante da Marinha e funcionário do FBI. Caldwell atendia pelos apelidos “CAG” e “Spy”. Ele negou que seja um membro dos Oath Keepers.

Ataque ao Capitólio de Washington, em janeiro de 2021 / 06/01/2021 REUTERS/Stephanie Keith

O caso

Para defender seu caso, os promotores apresentarão uma extensa reconstrução de 6 de janeiro e os meses que antecederam o tumulto. A história contará com mais de 40 testemunhas, disseram promotores no tribunal, incluindo agentes do FBI, policiais do Capitólio, jornalistas e fontes confidenciais.

Eles também planejam usar gravações de reuniões de planejamento do grupo até o dia da invasão ao Capitólio, além de comunicações por walkie-talkie durante o cerco.

Em conjunto, os promotores acreditam que as evidências apresentarão um plano sofisticado dos Oath Keepers que começou a tomar forma poucos dias após a eleição de 2020.

Em uma mensagem no dia 5 de novembro de 2020, Rhodes supostamente alertou os Oath Keepers que “não estamos passando por isso sem guerra civil. Tarde demais para isso. Prepare sua mente, corpo e espírito”.

Menos de uma semana depois, de acordo com documentos judiciais, Caldwell viajou para Washington para uma viagem de reconhecimento e relatou suas descobertas a Rhodes.

Rhodes, Meggs, Watkins, Harrelson e Caldwell se organizaram por várias semanas, dizem os promotores, inclusive participando de campos de treinamento paramilitares e alugando quartos em um hotel da Virgínia para guardar armas caso fossem necessárias em Washington.

Em 6 de janeiro, os Oath Keepers vestiram equipamentos de combate e táticos e supostamente se posicionaram ao redor da capital do país, alguns no Capitólio, outros fornecendo segurança e um terceiro grupo esperando em um esconderijo de armas na Virgínia.

Naquela tarde, os promotores alegam que o grupo convergiu para o Capitólio na direção de Rhodes.

Meggs, Harrelson e Watkins, que estavam em uma formação militar “empilhada” com outros Oath Keepers, empurraram os policiais para dentro do prédio, dizem os documentos do tribunal. Enquanto Watkins tentava empurrar os policiais que guardavam um dos principais corredores do local, os promotores dizem que Meggs, Harrelson e outros Oath Keepers se separaram em uma busca sem sucesso pela presidente da Câmara, Nancy Pelosi.

Rhodes dirigiu o grupo de fora, dizem os promotores. Caldwell também não é acusado de ter entrado no prédio.

Após o tumulto, Rhodes e outros foram ao restaurante Olive Garden para comemorar o ataque e “discutir os próximos passos”, de acordo com documentos judiciais. No dia da posse, 20 de janeiro de 2021, Rhodes supostamente disse aos associados que organizassem milícias locais para se opor ao governo Biden.

Os advogados dos cinco réus argumentaram que os Oath Keepers vieram a Washington para atuar como “mantenedores da paz” se tumultos eclodissem entre apoiadores de Trump e Antifa. Alguns membros entraram no Capitólio para ajudar os policiais, afirmaram os advogados dos réus.

Ataque de apoiadores de Trump ao Capitólio de Washington / 06/01/2021 REUTERS/Stephanie Keith

Extremismo na América

Embora não esteja claro como o julgamento afetará o futuro dos Oath Keepers, especialistas dizem que a acusação por si só afetou severamente a organização.

“A mídia, o público e, em seguida, a responsabilidade legal que foi derrubada sobre os Oath Keepers teve efeitos incrivelmente prejudiciais nessa organização e, francamente, quase a dizimou”, Rachel Carroll Rivas, analista de pesquisa sênior do Southern Poverty Law Center. que estuda o extremismo.

Como a organização carecia de uma estrutura de liderança robusta, disse Rivas, o destino do grupo subiu e desceu com Rhodes. Rhodes está sob custódia federal desde sua prisão em janeiro, e Rivas disse que “removê-lo da capacidade de ser um líder nessa organização teve um enorme impacto”.

Independentemente do resultado do caso, a ameaça de extremismo doméstico continua grande nos EUA, disse Jon Lewis, pesquisador do programa sobre extremismo da Universidade George Washington.

“A ameaça hoje tem metástase muito além de grupos individuais”, disse Lewis. “A vida ou a morte dos Oath Keepers, não muda os contornos da ameaça hoje.”

“Acho que o que é mais preocupante da nossa perspectiva, é que a retórica que os inspirou e as narrativas que eles disseminam não desapareceram. O ódio só ficou mais forte”, disse Lewis.

Fonte/ CNN BRASIL

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS