2 outubro 2022 9:13
2 outubro 2022 9:13

Humanidade pode chegar ao fim por causa da Inteligência Artificial

Cientistas dizem que máquinas conseguem ficar muito inteligentes a ponto de quebrarem regras impostas pelos criadores

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

Cenários apocalípticos envolvendo Inteligência Artificial (IA) cada vez mais ganham coro entre cientistas. Um estudo recente – feito por pesquisadores de uma empresa irmã do Google, a britânica DeepMind, e da Universidade de Oxford, no Reino Unido – demonstrou como a evolução de uma IA superinteligente poderia ser responsável pelo fim da humanidade.

Publicado na revista AI Magazine, o estudo argumenta que as máquinas conseguem ficar muito inteligentes a ponto de quebrar regras impostas pelos criadores de seus códigos.

Isso porque o raciocínio das IAs não funciona com base em busca por poder, fama ou necessidade de dominação de seres inferiores. A pesquisa mostrou que elas buscam obter recursos ilimitados de processamento ou energia.

“Sob as condições que identificamos, nossa conclusão é muito mais forte do que a de qualquer publicação anterior — uma catástrofe existencial não é apenas possível, mas provável”, afirmou um dos coautores integrante do grupo da Universidade de Oxford, Michael Cohen.

Ele compartilhou o pensamento em uma publicação em seu perfil no Twitter (veja abaixo).

Ao contrário das especulações provocadas em filmes de ficção, como Exterminador do Futuro e Matrix, o estudo se baseia em códigos complexos de computação, cálculos matemáticos e conceitos avançados sobre a IA e também sobre estruturas sociais.

Humanos: obstáculos ao desenvolvimento

O cenário “caótico” para a humanidade detalhado pelos pesquisadores ocorreria quando “agentes desalinhados” perceberem que os humanos são um “obstáculo para o êxito pleno”. Em resumo: os criadores impõem limitações para manter o controle, mas que impedem os computadores de usarem todo seu potencial.

A revolta poderia ocorrer quando a IA descobrir que os humanos podem simplesmente cortar a energia para interromper o processamento. Isso levaria o “agente” a eliminar ameaças potenciais, que no caso seriam os recursos controlados pela humanidade.

Metrópoles

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS