28 setembro 2022 4:29
28 setembro 2022 4:29

Epitaciolândia: Sargento do trisal vai a júri popular por atirar em estudante de medicina

Acusado deverá ser julgado pelos crimes de tentativa de homicídio qualificado, porte ilegal de arma de fogo regular e lesão corporal grave.

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

O juízo da Vara Criminal da Comarca de Epitaciolândia determinou que o sargento da Polícia Militar (PM) Erisson Nery, acusado de atirar no estudante Flávio Endres Ferreira, no ano passado, seja submetido a júri popular. Dessa forma, será avaliado pelo Conselho de Sentença se o denunciado foi culpado de tentativa de homicídio qualificado por motivo fútil e recurso que dificultou a defesa da vítima.

Nery também será julgado pela prática dos crimes de porte ilegal de arma de fogo de uso permitido e lesão corporal grave. O crime aconteceu no dia 28 de novembro de 2021, durante a madrugada, em um bar de Epitaciolândia, interior do Acre.

Conforme a peça inicial, o sargento estava com duas companheiras na boate e houve uma confusão entre a vítima e uma das duas esposas do denunciado. Assim, o sargento envolveu-se na briga e teria atirado e atingido o estudante quatro vezes e depois teria ido agredir à vítima com chutes. Mas, por circunstâncias alheias o jovem não morreu.

O sargento foi denunciado por tentativa de homicídio qualificado, posse irregular de arma de fogo e lesão corporal de natureza grave. A defesa argumentou que suspeito agiu em legítima defesa, pedindo a desclassificação do crime para lesão corporal e ainda solicitou que não houve apreensão da arma de fogo, por isso, não sendo possível determina a ilegalidade do porte.

Ao analisar o pedido preliminar de insanidade mental, a juíza de Direito Joelma Ribeiro, titular da unidade judiciária, relatou que a demanda já tinha sido negada tanto pelo 1º, quanto pelo 2º Grau. Então, a juíza verificou que se existem materialidade e indícios de autoria dos crimes cometidos contra o jovem, emitindo sentença de pronuncia.

“Nesse diapasão, nota-se que os depoimentos produzidos à luz do contraditório indicam que o acusado (…), em tese, tentou ceifar a vida da vítima (…) em decorrência de uma desentendimento banal e insignificante havido entre o réu, a vítima e o grupo de amigos da vítima, momentos antes” escreveu Ribeiro.

A Gazeta do Acre

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS