5 outubro 2022 12:47
5 outubro 2022 12:47

Conheça as moedas que o Brasil teve em sua história; veja fotos

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

A série era composta por moedas de prata nos valores de 20, 40, 80, 160, 320 e 640 réis (dinheiro vigente em Portugal).

A moeda de 320 réis, chamada pataca, deu nome à série. Nessa época, as moedas tinham nomes diversos como tostão (moeda de 100 réis de Portugal), vintém (vinte réis), mil-réis (mil réis).

Divulgação/BC

Até hoje estes nomes são sinônimos de dinheiro. “Não vale um tostão” ou “não tem um vintém” ainda são expressões usadas

Divulgação/BC
Divulgação/BC

Depois da criação do Banco Central em 1964, o cruzeiro só foi mantido por três anos e em 1967 entrou em circulação temporariamente o cruzeiro novo, que tinha o objetivo de conter a desvalorização apresentada pela moeda anterior.

Divulgação/BC
Divulgação/BC

As cédulas do cruzeiro novo usavam como referência diversas personalidades nacionais até o momento. Entre eles Getúlio Vargas (NCr$ 0,01), Princesa Isabel (NCr$ 0,05) D. Pedro II (NCr$ 0,10), D. João VI (NCr$ 0,50), Pedro Álvares Cabral (NCr$ 1), Tiradentes (NCr$ 5) e Santos Dumont (NCr$ 10). 

Divulgação/R7

A moeda temporária serviu como unidade de troca dos brasileiros por apenas três anos e deu lugar às cédulas que receberam o nome somente de cruzeiro. Apesar da mudança, a nova moeda tinha o mesmo valor do cruzeiro novo.

Divulgação/BC

cruzeiro seguiu a mesma tendência da moeda anterior e continuou estampando rostos de importantes lideranças nacionais, com a inclusão de Deodoro da Fonseca, Floriano Peixoto, Barão do Rio Branco, Duque de Caxias, entre outros.

Divulgação/BC

cruzeiro sobreviveu por 16 anos durante o regime militar, mas caiu junto com os generais ao final da ditadura. A moeda não resistiu ao crescimento da inflação de preços registrada a partir de 1986 e deu lugar ao cruzado. A maioria das notas foi reaproveitada e um cruzado valia então mil cruzeiros.

Divulgação/BC

cruzado também teve vida curta e três anos após seu lançamento, em 1989, surgia o cruzado novo para ocupar seu lugar. A moeda recebeu carimbos antes da impressão final das cédulas. Na ocasião, cada cruzado novo tinha valor equivalente a mil cruzados.

Divulgação/BC

No cruzado novo apareceu pela primeira vez a representação da República. O símbolo foi impresso na cédula de 200 cruzados novos e dividiu espaço com grandes nomes da literatura brasileira, como Machado de Assis, Cecília Meireles e Carlos Drummond de Andrade.

Divulgação/BC

Para ocupar o lugar do cruzado novo surgiu novamente uma moeda chamada de cruzeiro, em 1990. Ambas tinham o mesmo valor e mais uma vez as cédulas colocadas em circulação eram carimbadas.

Divulgação/BC

No ano de 1993, nascia a moeda que daria origem ao real atual. O surgimento do cruzeiro real deu início à reforma monetária para acabar com a hiperinflação e cada cédula tinha o valor de mil cruzeiros. No caso do cruzeiro real, a novidade se deu em função das notas de CR$ 5.000 e CR$ 50 mil. Elas representavam os rostos de um gaúcho e uma baiana, respectivamente.

Divulgação/BC

No ano seguinte, em 1994, finalmente apareceu o real, que se estabilizou e já está há 28 anos nos bolsos dos brasileiros. Neste caso, não houve corte de zeros e nem carimbos nas cédulas anteriores. O BC determinou a substituição de todo o dinheiro em circulação e cada real tinha o valor de 2.750 cruzeiros reais.

Divulgação/Banco Central

A primeira família do real era composta por notas de R$1, R$ 5, R$ 10, R$ 50 e R$ 100, que continham figuras de animais típicos da fauna nacional, como garça, arara e onça-pintada.

Joel Santana Joelfotos/Pixabay

As notas de R$ 2 e R$ 20 foram lançadas em 2002 que foram estampadas com animais ameaçados de extinção: a tartaruga-marinha e o mico-leão-dourado.

Divulgação/BC

Com a desvalorização da moeda ao longo do tempo, em 2020 foi lançada a nota de R$ 200, estampada com a figura do lobo-guará.

Adriano Machado/Reuters

Em homenagem aos 200 anos da Independência, o Banco Central lançou duas moedas comemorativas, uma de prata e a outra de cuproníquel, que retratam dois momentos históricos do evento.

Divulgação/Banco Central

A de prata, de 5 reais, apresenta a sessão do Conselho de Estado em que se tomou a decisão de enviar a dom Pedro I cartas com a recomendação de que ele rompesse com a Coroa portuguesa. A reunião histórica foi presidida pela princesa dona Leopoldina e teve a participação de José Bonifácio.

Divulgação/Banco Central

A de cuproníquel, de 2 reais, mostra o Grito da Independência, momento em que dom Pedro I, ao receber as cartas da princesa e do ministro José Bonifácio, às margens do rio Ipiranga, proclama a Independência do Brasil.

Divulgação/Banco Central

Outra impressão especial do real aconteceu no ano de 2000. A cédula comemorativa dos 500 anos do “descobrimento do País” tinha valor de R$ 10. A moeda contava com a face de Pedro Álvares Cabral, navegador português que chegou ao Brasil em 1500, e um mapa com rostos de povos brasileiros (índio, branco, negro e mestiço).

R7

 

 

 

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS