7 outubro 2022 3:45
7 outubro 2022 3:45

Brasil e Argentina brigam por vaga na semifinal em clima de revanche

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

Depois de passar com tranquilidade pelo Irã nas oitavas de final do Mundial de Vôlei masculino, que está sendo disputado na Polônia, a seleção brasileira terá um adversário pesado pela frente na briga por uma vaga na semifinal, nesta quinta-feira: a Argentina, que venceu a disputa pelo bronze das Olimpíadas de Tóquio e deixou o Brasil sem medalha após quatro edições consecutivas.

O sportv2 transmite a partida e o ge acompanha em tempo real às 12h30 de Brasília.

Diante do Irã, o Brasil não pôde contar com uma das suas principais peças: Lucarelli, que foi substituído por Rodriguinho. Mas o ponteiro, que apresentou um edema na panturrilha, participou do treino da tarde desta quarta-feira e a comissão técnica aguarda até o momento do jogo para definir se Lucarelli terá condições de jogo.

Na primeira fase, os argentinos ficaram na terceira posição do grupo F, e nas oitavas bateram a Sérvia por 3 a 0. A última partida entre Brasil e Argentina foi a disputa do título do campeonato Sul-Americano, há um ano, quando os brasileiros levaram a melhor por 3×1.

– Quartas de final de um Mundial sempre será uma partida equilibrada, com muita atenção dos dois lados. E enfrentar a Argentina sempre tem um aspecto diferenciado, pois trata-se de um clássico sul-americano. Toda vez que estas equipes se enfrentam fazem partidas interessantes e o mais importante é termos condições de estudar bastante os argentinos e fazer o nosso melhor – analisa o técnico Renan Dal Zotto.

Para ele, paciência será a chave para bater a Argentina.

– O time argentino tem bons sacadores, mas a característica principal o volume de jogo. Então precisamos jogar com paciência e colocá-los sob pressão o tempo todo. É uma equipe que merece todo o nosso respeito – encerrou Renan.

Fernando Cachopa também destaca que o equilíbrio deve marcar o duelo.

– Eles têm muito volume, como algumas outras equipes que enfrentamos por aqui no Mundial. O poderio ofensivo deles também é bastante interessante, muitos atletas e o próprio técnico têm muita experiência atuando no Brasil. Então tem tudo para ser um confronto muito interessante. Eu joguei poucas vezes contra a equipe treinada pelo Marcelo Mendez, que foi meu técnico por oito anos, nos conhecemos muito bem. É um grande desafio – disse o levantador.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS