5 outubro 2022 10:47
5 outubro 2022 10:47

As apostas de Bolsonaro na reta final para o 1º turno; da deflação ao “datapovo”

A menos de um mês do pleito, campanha do presidente tenta emplacar feitos do governo em busca da reeleição ao Palácio do Planalto

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

Com a proximidade do primeiro turno das eleições, a campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL) quer emplacar de vez as “boas notícias” do atual governo e faturar com críticas a adversários políticos.

Segundo interlocutores, o grupo que trabalha pela reeleição do chefe do Executivo nacional tem três pontos considerados “chave” para investir na campanha do presidente na reta final das eleições. O primeiro deles diz respeito às “previsões acertadas” sobre a economia brasileira.

O resultado do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ou a inflação oficial, divulgada na semana passada, por exemplo, foi motivo de comemoração no núcleo do mandatário da República. O índice apontou deflação de 0,36% em agosto, influenciada pela queda no preço dos combustíveis. Além disso, a inflação ficou abaixo dos dois dígitos pela primeira vez em um ano.

Atento ao cenário desde julho e aconselhado por aliados, Bolsonaro passou a “prever” deflação – oposto da inflação, que consiste na redução no preço dos produtos. Agora, dizem auxiliares, o titular do Planalto deve insistir nesse discurso para mostrar que a economia sempre esteve bem, apesar dos desafios enfrentados durante sua gestão, como a pandemia de Covid-19 e a guerra entre Rússia e Ucrânia.

Ainda no âmbito econômico, o candidato à reeleição deve voltar a exaltar medidas anunciadas pelo governo para reduzir o preço dos combustíveis, além de ressaltar a parceria com o Congresso Nacional, em especial com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Na quinta-feira (8/9), durante sua tradicional live semanal, Bolsonaro elogiou Lira, conhecido por ser um dos principais caciques do “Centrão”.

“[Queda no preço do] Combustível. A culpa é de quem? A culpa é do Bolsonaro. E também culpa do Arthur Lira. A dupla do combustível: Arthur Lira e Bolsonaro”, disse o chefe do Executivo federal.

“Datapovo”

Empenhado em desacreditar pesquisas de intenção de voto, Jair Bolsonaro e aliados devem “surfar na onda do 7 de Setembro”, como definiu um auxiliar palaciano.

De acordo com levantamento do Instituto Ipec divulgado na segunda (5/9), Luiz Inácio Lula da Silva (PT) manteve 44% das intenções de voto, enquanto Bolsonaro oscilou de 32% para 31%. Já a sondagem mais recente do Instituto Datafolha, publicada nessa sexta (9/9), aponta que o petista manteve os mesmos 44% das intenções de voto em relação ao estudo realizado há uma semana; o atual mandatário, por sua vez, foi de 32% para 34%.

No levantamento do Ipespe, feito em parceria com a Associação Brasileira de Pesquisas Eleitorais (Abrapel) e divulgado nesse sábado (10/9), as intenções de votos para Lula não aumentaram. Ficaram em 44%, mesmo percentual verificado na última consulta, divulgada no dia 3 de setembro. Já Bolsonaro oscilou um ponto percentual, dentro da margem de erro, passando de 35% para 36%.

Os próprios integrantes da campanha do presidente admitem que ele está “cristalizado” – ou seja, não varia além da margem de erro das pesquisas. Dizem, porém, que os atos realizados em comemoração ao Bicentenário da Independência serão usados justamente para contrapor os levantamentos de intenção de voto.

A estratégia é mostrar que a adesão aos atos políticos realizados em Brasília, Copacabana e São Paulo foi alta e, por isso, o atual titular do Palácio do Planalto será reeleito ainda no primeiro turno. Na Esplanada dos Ministérios, a campanha do presidente tem dito que a estimativa de público foi de 1 milhão. “Eu nunca vi tanta gente”, disse Bolsonaro em sua live semanal.

Críticas a Lula

A última cartada de Bolsonaro a menos de 25 dias das eleições já é conhecida e passou a ser explorada pelo presidente de forma mais enfática. O candidato à reeleição voltou a reforçar que existe uma “luta do bem contra o mal” e que o mal, em referência ao seu principal adversário político, Lula, não voltará à cena do crime.

Na reta final da campanha, Bolsonaro foi aconselhado a abandonar críticas às urnas eletrônicas e aos ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). O conselho foi seguido à risca pelo presidente nos atos de 7 de Setembro e, por isso, aliados estão confiantes que Bolsonaro investirá apenas na polarização contra Lula.

No ato político do 7 de Setembro realizado em Copacabana, no Rio de Janeiro, Bolsonaro sugeriu que o petista fosse “extirpado da vida pública”. No dia seguinte, durante transmissão ao vivo nas redes sociais, o presidente duvidou de que o petista tenha potencial para vencer o pleito de outubro no primeiro turno.

“Alguém acha que o Lula vai ganhar a eleição? Alguns aqui, Datafolha, por exemplo, [dizem] que pode ganhar no primeiro turno. Alguém acredita que, em uma eleição limpa, o Lula ganha?”, questionou.

Metrópoles

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS