29 setembro 2022 7:03
29 setembro 2022 7:03

Após eliminação da Libertadores, o técnico do Palmeiras desabafa e faz duras críticas à arbitragem do jogo: “Vários erros!”

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

O técnico Abel Ferreira, do Palmeiras, se mostrou revoltado com o árbitro Esteban Ostojich após a eliminação de sua equipe para o Athletico na Libertadores, em jogo ocorrido na noite de ontem dentro do Allianz Parque. Em entrevista concedida pouco depois do confronto, que acabou em 2 a 2 (3 a 2 no placar agregado), o português afirmou que o juiz cometeu “erros graves” que prejudicaram o resultado.

Vocês assistiram ao jogo, viram nossa equipe cansada? Não viram”, iniciou ele ao ser questionado sobre um possível desgaste dos atletas. “Foram fatores extras que prejudicaram, e muito, a nossa performance. Erros graves. Não vamos dar a volta [e falar sobre desgaste]. Fizemos tudo o que tínhamos que fazer.”

Para Abel, o volante Alex Santana deveria ter recebido cartão vermelho por uma cotovelada em Rony fora do lance de jogo ainda no 1° tempo, o jogador do Athletico levou cartão amarelo pela atitude. “É a primeira vez que vejo um amarelo por agressão, mas não vou me alongar. É um orgulho muito grande treinar meus jogadores. É dar os parabéns ao Athletico, que não tem culpa nenhuma.

Naquilo que controlamos, meus jogadores fizeram de tudo. Estamos tristes, muito tristes. Eles mereciam ter saído desta competição de outra forma, não por terceiros. Houve fatores que condicionaram muito o resultado hoje, que tiveram impacto direto naquilo que foi o desfecho final”, iniciou.

“Acho que todo mundo viu o mesmo que eu sobre a expulsão no lance do Rony. O árbitro deu amarelo. A nossa expulsão [do zagueiro Murilo] me pareceu justa, mas os critérios… foi difícil porque merecíamos mais.” O português ainda revelou que o ambiente no vestiário palmeirense era de “revolta” diante das decisões de Ostojich. Veja mais declarações de Abel na entrevista coletiva: Trabalhar psicologicamente o grupo É um golpe, vai testar nossa força mental e nossa resiliência pela forma que foi. Se fosse de outra forma… Já levamos pancada, também saímos da Copa do Brasil da forma que foi e agora temos de continuar o nosso caminho, não há outra forma. Mais uma vez é dar os parabéns ao nosso adversário, que foi competente e feliz quando fez o 2° gol. Tivemos com o Menino a oportunidade de fazer o terceiro, mas o goleiro fez grande defesa. Fizemos de tudo. Do que controlamos, é dar os parabéns aos jogadores. Eles mereciam que nos respeitassem mais. Isso é brincar com o nosso trabalho e não podemos brincar quando temos acesso às imagens pelo VAR. Eu não vou dizer o que estou pensando.

Quantidade de expulsões na Libertadores Faz parte do jogo. A intensidade com que se disputam os lances, com que se vive o jogo… mas não foi igual para os dois lados. Houve critérios diferentes, não sei por quê… foi uma arbitragem que não entendo. Mais uma vez, parabéns ao nosso adversário, que passou. Espero que desfrutem da final, era o que iriamos fazer, mas vamos assistir do sofá.

Vestiário Sentimento de revolta. Revolta é o que nós sentimos, revolta. Obediência tática Eu não vi o mesmo jogo que o seu colega. Com menos um, fechamos com 4-4-1, foi o que fizemos, não havia outra forma. Conseguimos chegar ao 2 a 0 e fizemos uma alteração normal [saída do Rony]. Tivemos nos pés do Menino o 3 a 1. O que pudemos fazer, fizemos tudo. Tivemos um oponente extra [árbitro] que poderia ter saído limpinho e não saiu.

Os jogadores não mereciam sair da competição desta maneira. Os jogadores cumpriram o que tinham que cumprir. Ocorreu tudo como tínhamos planejado, mas houve um fator extra que não controlamos e que hoje foi muito, muito mal. Reação dos jogadores Meus jogadores têm que estar com a consciência em paz, fizemos tudo o que tínhamos que fazer. Não faço a mínima ideia se há intenções por trás. Sei que vi duas equipes a se enfrentarem muito bem. Parabéns ao Athletico.

Infelizmente um dos que estavam em campo não esteve ao nível das duas equipes e houve interferência direta. É fruto de erros que eu acredito que são erros humanos, mas que custam muito porque têm interferência direta nas organizações dos clubes. Da forma como foi, é duro. Em uma falta no Atuesta, me falaram que era impedimento, mas a falta foi antes… meus atletas fizeram tudo o que tinham de fazer, inclusive chegamos a ganhar de 2 a 0. Há dias assim e acredito que o árbitro teve um dia ruim, é nisso que acredito, não posso acreditar em outra coisa.

Felipão Não sei se os jogadores sentem isso ou não, mas eu sinto. É um sentimento de carinho e gratidão. Até por aquilo que ele já fez neste clube. O futebol é isso, ano passado estava no Grêmio e agora está na final da Libertadores. Espero que ele desfrute e pense bem o que quer fazer. Eles conseguiram fazer o que era preciso. Foi e vai continuar sendo uma honra poder enfrentá-lo. Já percebi porque ele ganhou tantos títulos aqui. Hoje foi uma pena, parabéns para ele e para sua equipe. Foram bravos, lutaram e fizeram aquilo que tinham de fazer. Os meus jogadores também fizeram e o sentimento de revolta é natural e justificável por todas as incidências, mas o que vai ficar para a história é a classificação do Athletico. Parabéns para ele em especial. Desejo a ele as maiores felicidades do mundo porque ele merece.

Fonte/ Portal UOL esportes

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS