15 setembro 2022 1:47
15 setembro 2022 1:47

A profunda podridão na máquina de guerra russa é exposta pela Ucrânia

Liderança pobre e inflexível, moral azeda das tropas, logística inadequada e hardware prejudicado por problemas de manutenção ficaram evidentes desde os estágios iniciais da guerra.

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

Para a Rússia, os números são catastróficos.

De quarta a domingo, as forças militares de Vladimir Putin viram pelo menos 338 peças de equipamento militar importante, de caças a tanques e caminhões, destruídos, danificados ou capturados, de acordo com números do site de inteligência de código aberto Oryx, enquanto as forças ucranianas avançavam. Território controlado pelos russos em uma ofensiva que os surpreendeu em sua velocidade e amplitude.

O principal comandante militar da Ucrânia afirmou no domingo, 11 de setembro, que mais de 3 mil km² de território foram retomados pelas forças de seu país desde o início de setembro. E para mais perspectiva, apenas “desde quarta-feira, a Ucrânia recapturou território pelo menos duas vezes o tamanho da Grande Londres”, disse o Ministério da Defesa britânico na última segunda-feira (12).

Relatos ucranianos dizem que as tropas de Putin estão fugindo para o leste, para a fronteira russa, em qualquer transporte que possam encontrar, até mesmo levando carros da população civil nas áreas que capturaram desde o início da guerra em fevereiro.

Em seu rastro, eles deixam centenas de peças da máquina de guerra russa, que desde o início da chamada “operação militar especial” de Putin, não chegou nem perto de cumprir seu faturamento pré-guerra como uma das grandes potências do mundo.

Essas perdas russas são o acúmulo de uma infinidade de problemas existentes que agora estão colidindo frontalmente com um exército ucraniano que tem sido paciente, metódico e infundido com bilhões de dólares em equipamentos militares ocidentais que a Rússia não pode igualar. E sem uma intervenção drástica e potencialmente não convencional de Putin, as vitórias ucranianas provavelmente se acelerarão, dizem analistas.

Muitos dos problemas da Rússia, liderança pobre e inflexível, moral azeda das tropas, logística inadequada e hardware prejudicado por problemas de manutenção, ficaram evidentes desde os estágios iniciais da guerra, há mais de sete meses.

O núcleo oco dos militares russos, incluindo tanques que eram presas fáceis para tropas terrestres ucranianas e caminhões que não tinham os pneus certos para atravessar a paisagem da Ucrânia, foi rapidamente exposto por táticas inadequadas para a blitzkrieg que Putin havia planejado.

Lembra daquele comboio de 64 quilômetros que parou no caminho para a capital Kyiv e foi destruído por defensores ucranianos? À medida que o comboio parou, os relatórios filtraram que as tropas russas tinham problemas de moral significativos, alguns nem sabiam que estavam na Ucrânia ou, se sabiam, por que estavam lá. À medida que os combates se intensificavam, as forças ucranianas atacaram a liderança russa, matando generais e coronéis que deveriam reunir as forças russas. E os russos certamente precisavam de uma liderança mais forte para acreditar nos relatos das dificuldades das tropas.

Pavel Filatyev, um paraquedista russo que lutou contra a captura da cidade ucraniana de Kherson por seu exército no início da guerra, disse à CNN no mês passado que sua unidade não tinha nem o básico durante a operação.

“Vários dias depois de cercarmos Kherson, muitos de nós não tínhamos comida, água ou sacos de dormir”, disse ele.

“Como estava muito frio à noite, não conseguíamos nem dormir. Nós encontrávamos algum lixo, alguns trapos, apenas para nos embrulhar para nos mantermos aquecidos.” E seus armamentos eram de qualidade inferior, disse ele. “Todas as nossas armas são da época do Afeganistão”, onde as forças russas lutaram de 1979 a 1989, disse ele.

O impacto das doações de armas ocidentais

Enquanto isso, armas ocidentais fluíram para a Ucrânia, entre eles poderosos sistemas avançados de artilharia como o HIMARS, ou Sistemas de Foguetes de Artilharia de Alta Mobilidade.

Os HIMARS com rodas oferecem o que o fabricante americano Lockheed Martion chama de “capacidade de atirar e fugir”, eles podem disparar foguetes altamente precisos em alvos a cerca de 70 a 80 quilômetros de distância e depois se mover rapidamente para evitar qualquer contra-ataque.

A Ucrânia os usou com efeito devastador nas linhas de suprimentos russas, depósitos de munição e postos de comando.

“As forças armadas da Ucrânia empregaram o HIMARS e outros sistemas ocidentais para atacar linhas de comunicação terrestres russas em Kharkiv e Kherson Oblasts, estabelecendo condições para o sucesso desta operação”, disse o Instituto para o Estudo da Guerra (ISW) em um post no blog no domingo. 

O golpe aplicado pelo HIMARS ucraniano implantado nas linhas de suprimentos russas tem sido implacável, de acordo com analistas ocidentais.

“A artilharia ucraniana de longo alcance provavelmente está atingindo os cruzamentos do Dnipro (rio) com tanta frequência que a Rússia não pode realizar reparos em pontes rodoviárias danificadas”, disse o Ministério da Defesa do Reino Unido na segunda-feira (12).

Trent Telenko, ex-auditor de controle de qualidade da Agência de Gerenciamento de Contratos de Defesa dos EUA, que estudou a logística russa, disse que as forças ucranianas usaram foguetes de precisão disparados das baterias HIMARS para eliminar os principais depósitos de armas russos perto das linhas ferroviárias bem atrás das linhas de frente.

Isso significou que a Rússia teve que usar caminhões para dispersar peças de artilharia e munição para depósitos menores, dificultando a distribuição, disse Telenko.

Quando a Ucrânia começou sua ofensiva relâmpago, a Rússia não conseguiu trazer poder de fogo apropriado para deter o avanço ucraniano porque sua artilharia estava muito dispersa, disse ele. Mas o HIMARS e outros poderosos sistemas de artilharia ocidentais não devem receber todo o crédito, disse a ISW.

Eles foram combinados com fintas e engenhosidade ucraniana. Na semana passada, a Rússia redistribuiu forças para o sul para reforçar suas fileiras à frente de uma contraofensiva ucraniana na região de Kherson, de acordo com autoridades ucranianas e imagens de equipamentos passando pela Crimeia. Isso abriu a porta para as forças ucranianas mais ao norte.

“A longa discussão de Kyiv e o anúncio de uma operação contraofensiva direcionada a Kherson Oblast afastaram tropas russas substanciais dos setores em que as forças ucranianas realizaram ataques decisivos nos últimos dias”, disse o ISW.

Depois que essas forças russas se moveram, os militares ucranianos investigaram pontos fracos nas linhas russas, disse Mark Hertling, analista da CNN e ex-general do Exército dos EUA.

“O que eles conseguiram fazer foi realizar reconhecimento com uma pequena força para descobrir onde conduzir um avanço muito maior, empurrando tanques e artilharia pelos buracos na frente russa e depois entrando nas áreas traseiras russas”, disse Hertling.

Suprimentos para a Ucrânia para alimentar seu avanço

A rápida retirada russa permitiu à Ucrânia capturar armas, munições, combustível e suprimentos russos nessas áreas de retaguarda, disse Telenko, acrescentando que a adição de caminhões e trens ao inventário ucraniano permitirá que Kyiv “sobrecarregue” seus avanços.

Analistas também notaram a falta de apoio aéreo russo. Richard Hooker Jr., membro sênior não residente do Conselho do Atlântico, disse no mês passado que a Ucrânia montou uma força de sistemas antiaéreos mais antigos já em seu inventário com suprimentos de equipamentos americanos e alemães e “em grande parte marginalizou o poder aéreo russo”.

“A Ucrânia tem sido extremamente bem-sucedida em negar a supremacia aérea da Rússia com defesa aérea extremamente eficaz e uma estratégia de ‘negação aérea’”, escreveu Hooper no blog “Alerta Ucrânia” do Atlantic Council.

E os reveses russos são apenas combustível para ainda mais problemas à frente, uma espiral de derrotas que pode estar além da capacidade de Moscou de parar.

Mick Ryan, membro adjunto do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais e ex-general do Exército Australiano, chama isso de “fracasso em cascata” em um post no Twitter. “Cada perda e retirada no campo de batalha leva a mais fracassos”, disse ele.

À medida que as opções diminuem, também diminuirá o moral russo em apuros.

À medida que as forças em retirada recuam, elas trazem histórias de sua retirada com elas.

Será quase impossível para o Kremlin impedir que essas histórias se espalhem dentro de suas forças e até mesmo para seus parentes em casa.

O território que a Rússia capturou na Ucrânia ao longo de sete meses, ao custo de dezenas de milhares de baixas russas, foi perdido em uma semana. E os generais da Rússia aparentemente não têm resposta imediata.

Mesmo quando as forças de Putin avançavam, esses avanços eram lentos e desgastantes. E no início da guerra, os defensores da Ucrânia nunca fugiram como as tropas russas na semana passada.

“A confiança já limitada que as tropas desdobradas têm na liderança militar sênior da Rússia provavelmente se deteriorará ainda mais”, disse o Ministério da Defesa britânico na segunda-feira. O relatório do ministério disse que os ataques ucranianos tornaram difícil para a Rússia mover tropas substitutas para as linhas de frente.

Onde Moscou encontra substitutos?

A grande questão é se a Rússia tem novas tropas treinadas para seguir em frente.

Em julho, a CNN informou que o chamado havia sido feito em toda a Rússia para que mais de 30 mil voluntários se juntassem ao esforço de guerra na Ucrânia.

A atração eram grandes bônus em dinheiro e nenhuma experiência era necessária.

Mas Kateryna Stepanenko, pesquisadora russa do ISW, disse que esses novos recrutas provavelmente seriam de pouca ajuda no campo de batalha, pois não haveria tempo suficiente para treiná-los.

Por exemplo, treinar uma tripulação de tanque pode levar vários meses no mínimo e às vezes mais de um ano, dizem os especialistas.

“É improvável que o treinamento de curto prazo transforme voluntários sem experiência prévia em soldados eficazes em qualquer unidade”, disse Stepanenko. E essas mais de 300 peças de hardware russas destruídas, danificadas ou abandonadas no campo de batalha nos últimos dias também não serão fáceis de substituir.

A indústria russa foi prejudicada pelas sanções ocidentais.

Os depósitos de armas russos já foram invadidos para substituir as perdas anteriores. E embora um grande número de armas possa permanecer nesses depósitos, eles provavelmente são antigos e precisam de reparos ou reforma, disse Jakub Janovsky, analista militar que contribui para o blog Oryx.

“Na prática, as substituições costumam ser veículos muito mais antigos, provavelmente sofrem com problemas de confiabilidade e com menor eficácia em combate”, disse ele. Moscou mantém a capacidade de fabricação, mas carece dos melhores componentes para o que pode produzir, disse Janovsky.

“Devido às sanções, eles podem ter que substituir sensores e eletrônicos por alternativas inferiores, e a quantidade que podem produzir no curto prazo é uma fração do que estão perdendo. Essas perdas materiais… não são sustentáveis”, disse ele.

Então aproveite a Ucrânia, pelo menos no curto prazo. Mas Ryan, o ex-general australiano, continua cauteloso.

“É muito cedo para falar em termos excessivamente triunfantes. Os russos ainda têm capacidade de resposta. O sul e o leste ainda estão ocupados pelos russos. Os ucranianos conquistaram uma vitória significativa, mas ainda há uma guerra a ser vencida”, tuitou.

Fonte/ CNN BRASIL

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS