17 agosto 2022 12:38
17 agosto 2022 12:38

Disputa ao governo tem Gladson Cameli, Mara Rocha, Jorge Viana e Márcio Bittar no páreo.

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

O prazo para a realização das convenções partidárias encerrou na última sexta-feira, 5. No Acre, as siglas optaram por realizar o evento e apresentar seus respectivos candidatos nas chapas majoritária e proporcional apenas no último dia.

O próximo passo agora é o registro da candidatura no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que encerra no próximo dia 15. Até lá, as siglas podem retirar as candidaturas desde que os filiados do partido tenham dado permissão à executiva para discutir esses assuntos.

Gladson Cameli traz Mailza Gomes como vice e Ney Amorim ao Senado

A coligação ‘Avançar para Fazer Mais’, formada por PP, PDT, PSDB, Podemos, Solidariedade, Brasil 35, Cidadania, Democracia Cristão, Patriota e PMN oficializou a candidatura à reeleição do governador Gladson Cameli. Após muitos nomes terem sido suscitados a vaga de vice, mas foi o nome da senadora Mailza Gomes que acabou sendo chancelado.

“Não tem sido fácil cumprir uma promessa feita em 2018, que é colocar as pessoas em primeiro lugar. Estou aqui nesse momento de peito aberto, de braços abertos. Assumimos o governo em 2019 com a missão de governar para todos e é o procuramos fazer”, ressaltou Cameli.

Cameli pontuou ainda que, caso reeleito, continuará o trabalho de tentar desenvolver todos os setores no Estado, dando ênfase na geração de empregos; avanço no atendimento à Saúde; melhorias na Educação; e desenvolvimento.

O progressista diz ainda que a pandemia fez com que a saúde fosse a prioridade na tomada de decisões, não só no Acre, mas em todo o país.

“Priorizamos a proteção à vida. Ainda assim, impulsionamos o agronegócio como gerador de empregos, construímos e colocamos para funcionar dois hospitais em tempo recorde, tivemos na Segurança a maior queda de homicídios do Brasil e pela primeira vez na história, o Acre subiu em competitividade no ranking dos estados e começamos grandes obras de infraestrutura”, destacou.

A convenção ocorreu no ginásio do Sesc-Bosque, em Rio Branco, e contou com cerca de quase dez mil pessoas. Na oportunidade, foi chancelado também o nome do ex-deputado estadual Ney Amorim na disputa a única vaga de Senador da República na eleição deste ano.

Jorge Viana, Marcus Alexandre e Nazareth Araújo voltam ao jogo

“Vamos Juntos Pelo Brasil”. Foi com essa frase que a Federação Brasil da Esperança, formada pelo Partido dos Trabalhadores, PCdoB e PV, confirmou o nome do ex-senador Jorge Viana na disputa do Governo do Acre, tendo o ex-prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre como vice.

Em seu pronunciamento, Viana lamentou a ‘a falta de gestão’ nos últimos quatro anos no Acre. “Os que estão nos governos, na prefeitura estão com os olhos fechados. Àqueles que ganharam o governo não fizeram uma única casa, não fizeram uma única rua nova, não asfaltaram um único ramal, não fizeram uma única escola em quatro anos, um único posto de saúde. Nós vamos ficar de braços cruzados diante disso? Nós vamos ficar indiferentes diante disso?”, questionou ao afirmar que todos esses problemas o ajudaram a repensar sua decisão.

Seguindo a mesma linha de Jorge, Marcus Alexandre lembrou que na disputa ao governo em 2018, o atual governador ‘prometeu’ muito coisa e não cumpriu quase nada.

“Receber o abraço e o carinho de vocês é a certeza que estamos no caminho certo. Não foi fácil chegar aqui hoje, vocês sabem disso. Quando eu vinha para cá, eu lembrei da campanha de 2018, uma campanha limpa. Para ganhar da gente diziam que tinha dinheiro, mas não tinha gestão. A pergunta que fazemos agora: o que está faltando então? O Jorge quando foi governador ensinou para a tirar projeto do papel. O pessoal que está aí não consegue tirar um projeto do outdoor. Estão lançando pedra fundamental todo dia. Em 2018, para ganhar da gente prometeram tudo. Vamos voltar em todos os cantos que fomos em 2018, com a esperança, com a vontade de trabalhar”, afirmou Marcus Alexandre.

Ao debater ideias e propostas para sua gestão, caso eleito, Jorge destacou melhorias nas áreas da segurança pública; saúde; educação; e mais empregos.

“Quando o governo vai mal, o povo que sofre e acho que com a experiência nossa é isso que vamos oferecer. Vamos oferecer nosso trabalho, nossa experiência para socorrer quem está precisando de socorro, para fazer o Acre voltar a prosperar novamente. Nossa pré-candidatura é para ver se os bons tempos voltam, ver se a gente pacifica a sociedade, se a gente faz um abraçar o outro, as famílias ficarem mais unidas e isso só vai acontecer se tiver trabalho, paz e não violência, se tiver políticas públicas, moradia, educação, saúde que é um problema gravíssimos no estado”, disse Jorge Viana.

MDB chancela Mara Rocha como candidata ao Governo do Acre

O MDB confirmou o nome de Mara Rocha para concorrer à vaga ao Governo do Acre. A coligação, que tem como tema Esperança, também apresentou o nome do pecuarista Fernando Zamora (PRTB) como vice na chapa majoritária.

“Esse é um momento muito importante, carregamos conosco a esperança do povo acreano que não aguenta mais ser enganado. Vamos fazer um governo da verdade, transparente e realmente preocupado com o nosso povo. Vamos trabalhar para fortalecer o setor produtivo, da agricultura familiar ao agronegócio e com isso tornar o Acre um estado mais forte gerando emprego e renda”, disse Mara Rocha.

Fernando Zamora agradeceu a confiança depositada em seu nome para compor a chapa majoritária e foi categórico em afirmar que ajudará Mara Rocha a tornar o Acre um estado produtivo e forte economicamente.

“Como agricultor sei da importância de se ter um estado produtivo, com economia forte e gerando emprego. Aceitei essa missão e com toda certeza ajudarei a Mara a torna o Acre um estado forte e de economia pujante”, afirmou Zamora.

A candidata tem como pauta principal o incentivo à produção rural e também a regularização fundiária. Entre suas principais propostas estão:
• geração de emprego;
• humanizar, equipar e estruturar a saúde estadual
• fortalecer e incentivar a produção rural com melhoria de ramais em parcerias com as prefeituras;
• programa de regularização fundiária (parceria Incra e Iteracre)

Ela ainda defende a compra da produção da agricultura familiar para atender a merenda escolar, hospitais e ação social para famílias carentes. Além disso, ela propõe a modernização e informatização dos serviços de licenças ambientais e guia de transporte animal. Além de:
• Implantação da polícia rural;
• parceria com a Ufac para oferecer assistência técnica aos produtores rurais;
• incentivar os acadêmicos com pagamento de bolsas;
• programa de construção de casas populares em todas as regionais.

“Nosso governo será um governo humano, de muito trabalho, de paz e focado no desenvolvimento do Acre. Trabalharemos, desde o primeiro dia, para fazer uma gestão que, se Deus permitir, ficará na história do nosso estado”, disse.

Ala radical não quer Márcia na disputa ao Senado

Márcia Bittar foi apresentada como candidata ao Senado pela coligação. Ao chegar ao local do evento, a candidata foi recebida com vaias e gritos de “Fora, Márcia!”.

Contrariado com a escolha de Márcia para disputar o cargo, o deputado federal Flaviano Melo logo deixou a convenção, seguido da ala mais radical e fiel ao emedebista. A rixa entre Flaviano e Márcio ocorreu após o deputado decidir colocar o nome dele para apreciação do partido na disputa ao Senado.

Porém, após intervenção de Vagner Sales, Márcia acabou sendo a escolhida.

Márcio Bittar é candidato ao governo do Estado e Alan Rick ao Senado pelo União Brasil

O partido União Brasil lançou oficialmente a candidatura do senador licenciado Marcio Bittar para o Governo do Acre. Mesmo com o clima de crise dentro da sigla, os candidatos mantiveram um discurso voltado para o desenvolvimento do Acre.

A candidata a vice foi anunciada ao longo da convenção e será a médica Geórgia Michelleti. Ela já foi diretora do Pronto-Socorro e tinha lançado pré-candidatura para deputada federal.

Após ter sido confirmado como vice na chapa a reeleição de Gladson Cameli, o deputado federal Alan Rick acabou sendo chancelado como candidato ao Senado Federal pela sigla.

Fonte/ Jornal Opinião

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS