24 setembro 2022 4:44
24 setembro 2022 4:44

Bolsonaro será denunciado por ligar monkeypox aos gays, diz vereadora

Erika Hilton, que ocupa cadeira na Câmara Municipal de SP, além de Natasha Ferreira, suplente em Porto Alegre, anunciaram denúncia

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

A vereadora de São Paulo Erika Hilton e a vereadora suplente de Porto Alegre Natasha Ferreira, ambas do PSol e ativistas pelos direitos das pessoas trans e travestis, anunciaram nesta terça-feira (9/8) que devem denunciar o presidente Jair Bolsonaro (PL) ao Ministério Público por homofobia.

A justificativa foi uma afirmação do titular do Palácio do Planalto ao podcast Flow, quando insinuou que a epidemia de varíola dos macacos estaria relacionada à homossexualidade.

Bolsonaro concedeu entrevista ao apresentador Igor Coelho e, quando o comunicador disse que tomaria a vacina contra monkeypox, Bolsonaro rebateu: “Tu não me engana. Eu tenho certeza de que você quer tomar”.

“O mundo inteiro está preocupado com a epidemia de monkeypox e está se mobilizando para encontrar políticas concretas de combate à doença. Infelizmente, o presidente do Brasil mais uma vez se coloca na contramão da lógica e da ciência, exatamente como foi com a covid-19”, afirmou Erika Hilton.

Para Natasha, a piada deixa implícito que o apresentador teria comportamento homossexual. “Grupos conservadores já começaram a usar a doença para estigmatizar pessoas LGBTI+, assim como aconteceu com o HIV. Quando Bolsonaro faz esse tipo de piada nas entrelinhas, ele tenta se proteger, mas deixa evidente o preconceito e a mensagem de discriminação é entregue. Homofobia é crime no Brasil. Não vamos silenciar”, completou.

Na denúncia que será apresentada, as vereadoras pretendem lembrar que Bolsonaro é reincidente em casos de homofobia e lembram que o Ministério Público já reconheceu ações discriminatórias dele.

Em 2020, as vereadoras, juntamente às deputadas Fernanda Melchionna, Luciana Genro e Sâmia Bomfim, todas do PSol, denunciaram Bolsonaro por ter feito piadas homofóbicas no Maranhão, ao afirmar que viraria homossexual por tomar um guaraná de cor rosa.

Fonte: Metrópoles

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS