8 agosto 2022 2:47
8 agosto 2022 2:47

Mulher transgênero é transferida de presídio após engravidar duas presas nos EUA

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

Uma mulher transgênero que estava presa em uma penitenciária feminina, nos Estados Unidos, foi transferida após engravidar duas detentas. Demi Minor, de 27 anos, deixou uma unidade prisional exclusiva a presidiárias em 24 de junho e foi levada para instalações destinadas a jovens infratores do sexo masculino.

Rafael Caro Quintero: Justiça mexicana suspende extradição imediata do narcotraficante para os EUA

‘Insano’: Reino Unido deve registrar nesta segunda noite mais quente da História

Dan Sperrazza, porta-voz do Departamento de Correções do estado de Nova Jersey, disse á Fox News que as relações sexuais de Demi com as duas presas foram consensuais. Ela foi transferida no mês passado da Edna Mahan Correctional Facility para a Youth Correctional Facility.

Demi cumpre uma sentença de 30 anos por homicídio culposo. Ela é atualmente a única mulher encarcerada na instalação para jovens infratores e está alojada na unidade para pessoas em condições vulneráveis.

A transgênero escreveu em seu blog, no dia 15 de julho, que foi forçada a viver em uma instalação masculina. Na publicação, ela acusa os agentes penitenciários de tê-la espancado durante a transferência.

Ferida com machado: Mulher acorda de coma após dois anos e identifica o irmão como agressor

Neste domingo, Demi publicou uma mensagem em sua conta no Twitter. Ela escreveu: “Obrigado a todos aqueles que apoiam justice4demi.org e enviaram seu amor, eu odeio isso aqui e, acima de tudo, estou com o coração partido pelo abuso que o Departamento de Correções está realizando. Tive coragem de postar esse vídeo…”

O Departamento de Correções do estado de Nova Jersey informou que está investigando a denúncia, mas que não poderia fazer qualquer comentário sobre o andamento da apuração.

“O Departamento de Correções não pode comentar sobre nenhuma investigação ativa”, diz um comunicado. “O Departamento tem tolerância zero para abusos, e a segurança da população e dos funcionários encarcerados são de importância crítica”, acrescenta a nota.

Yahoo!

ÚLTIMAS