17 agosto 2022 11:07
17 agosto 2022 11:07

Lula compara mensalão e orçamento secreto em ato: ‘fizeram um tremendo Carnaval’

Por Redação Ecos da notícia

- Publicidade -

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante a campanha eleitoral, o petista realizou um evento na Universidade de Brasília (UnB), nesta quinta-feira (28). Em seu discurso, o petista fez diversas comparações entre seu governo e o atual, do presidente Jair Bolsonaro (PL), seu principal rival, inclusive no tema da corrupção.

“Vire e mexe o presidente fala que não tem corrupção no governo dele, mas parece que ele esqueceu a família que tem”, declarou. “Fizeram um tremendo Carnaval com mensalão e hoje estão aprovando um orçamento secreto, que é a maior excrescência desse país.”

O candidato à Presidência fez um ato que integrou a programação da 74ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que começou na última segunda-feira (25). O ato ocorreu no Auditório da ADUnB (Associação dos Docentes da Universidade de Brasília), a Casa do Professor.

Para o petista, o Brasil está em uma “máquina do tempo rumo ao passado”.

“Ultrapassando as piores previsões, o atual governo colocou o Brasil numa máquina do tempo rumo ao passado”, lamentou. “Fome, desemprego, destruição dos direitos trabalhistas, inflação, corrupção e ameaças à democracia são as marcas desse desgoverno que nega a ciência em todos os seus atos.”

‘Apagão científico’

Falando para um público formado em grande parte por cientistas, acadêmicos, pesquisadores, professores e educadores, o presidenciável reiterou seu compromisso com o incentivo à ciência, tecnologia e inovação (CTI).

Segundo ele, no governo de Bolsonaro ocorreu um “apagão científico”, marcado pelos números da pandemia de covid-19.

“O resultado mais trágico desse apagão científico que estamos sofrendo hoje são os quase 680 mil brasileiros mortos pela covid”, disse. “Muitos deles porque o atual presidente ignorou todas as recomendações da comunidade científica.”

Ele também destacou o fenômeno conhecido como ‘fuga de cérebros’.

“A redução dos investimentos em áreas essenciais sobretudo educação e ciência, o ataque às universidades públicas, o desemprego e a precarização da força de trabalho estão levando à perda de pessoal qualificado para o exterior.”

Por fim, lembrou a perda de orçamento de entidades de fomento à pesquisa e à ciência.

“Do mesmo modo, nos últimos anos os orçamentos do CNPq e da CAPES despencaram, e este ano são inferiores a um terço dos valores de 2015”, pontuou.

Fonte/ Portal Yahoo.com

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS