10 agosto 2022 3:33
10 agosto 2022 3:33

Idosa tenta evitar assassinato do filho e acaba morrendo baleada em RO

Por Uol Notícias

- Publicidade -

Uma idosa de 67 anos morreu após se colocar na frente do próprio filho, de 50, para tentar impedir o assassinato dele no município de Vilhena (RO). O caso foi registrado na noite de ontem.

Segundo ocorrência da Polícia Militar de Rondônia, a vítima, Eunice Fernandes Gonçalves, estava em casa quando um suspeito bateu na porta dela. O filho da mulher, identificado como Edson José Gonçalves, abriu a porta e foi surpreendido pelo homem, que tentou atirar contra ele.

Edson chegou a ser atingido por um tiro, mas correu para dentro da casa. Neste momento, Eunice se colocou na frente dele e tentou dar vassouradas no homem, que atirou contra o rosto dela.
O suspeito ainda conseguiu atingir a esposa de Edson, Solange Ferreira de Oliveira, 40, mas a arma falhou e ele fugiu do local.

Ao chegar na cena do crime, os policiais encontraram a mulher de 67 anos desacordada. A morte dela foi confirmada por equipes do Corpo de Bombeiros no local. Edson e Solange tinham ferimentos causados por armas de fogo, mas não correm risco de morte e foram capazes de identificar o suspeito em depoimento aos policiais.

Segundo eles, o suspeito tentava se vingar do filho do casal, o neto de Eunice, que ele acreditava ter participado do assassinato do filho dele em 2021. O rapaz de 20 anos, identificado apenas como “Oscar”, tinha sido baleado pelo homem pouco antes dos disparos contra a idosa.

O suspeito de cometer o crime foi encontrado após diligências e confessou a autoria em depoimento à polícia. Ele disse que tinha como alvo o rapaz de 20 anos e o pai dele, Edson, e que só atirou na idosa porque ela se colocou na frente do filho.

O homem, que segundo a ocorrência policial tinha deixado a prisão pouco antes de cometer o crime, foi preso novamente e deve responder pelos crimes de homicídio doloso contra a idosa e por três tentativas de homicídio.

O suspeito não teve o nome divulgado pela polícia. O UOL não foi capaz de identificá-lo até o momento para buscar posicionamento de seus representantes legais.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS