16 agosto 2022 1:59
16 agosto 2022 1:59

Ex integrante da CIA é condenado por “maior vazamento de dados da história da agência”

Joshua Schulte compartilhou ferramentas cibernéticas com o WikiLeaks em 2016.

Por Redação Ecos da notícia

- Publicidade -

Um ex-funcionário da CIA, agência de inteligência do governo dos Estados Unidos, acusado de realizar o maior vazamento de dados confidenciais da história da agência foi condenado em todas as acusações que enfrentava em um tribunal federal na quarta-feira (13).

Joshua Schulte, acusado de entregar dados confidenciais ao WikiLeaks em 2016, foi condenado por coletar e transmitir ilegalmente informações de defesa nacional e obstruir uma investigação criminal e o processo do júri, entre outras acusações.

Schulte trabalhou como engenheiro de computação no Centro de Inteligência Cibernética da CIA e criou ferramentas que podiam capturar dados de computadores sem serem detectados. Um julgamento anterior terminou em um júri suspenso em 2020.

O ex-funcionário teve acesso a “algumas das ferramentas cibernéticas de coleta de inteligência mais valiosas do país usadas para combater organizações terroristas e outras influências malignas em todo o mundo”, disse o procurador do Distrito Sul de Nova York, Damian Williams, em comunicado.

“Quando Schulte começou a se ressentir da CIA, ele coletou secretamente essas ferramentas e as forneceu ao WikiLeaks, tornando algumas de nossas ferramentas de inteligência mais críticas conhecidas ao público – e, portanto, aos nossos adversários”, afirmou Williams.

Os problemas de Schulte na CIA começaram no verão de 2015, quando ele começou a brigar com a administração e um colega de trabalho, entrando com uma ordem de restrição contra o colega no tribunal estadual, mostram os registros. Schulte e o colega de trabalho foram transferidos como resultado da briga.

Os investigadores alegaram que o ex-funcionário ficou furioso quando colegas da CIA quiseram contratar um engenheiro de computação para criar uma ferramenta cibernética semelhante à que ele estava desenvolvendo, disseram os promotores.

Um ano depois, os investigadores afirmam que Schulte roubou ferramentas cibernéticas e código-fonte e os transferiu para o WikiLeaks , de acordo com registros do tribunal. Ele então tentou cobrir seus rastros, apagando todos e quaisquer vestígios de acesso ao sistema.

Schulte deixou a CIA em novembro de 2016. Mas em março de 2017, o WikiLeaks publicou a primeira parte de seus vazamentos do Vault 7, que se originaram de dois programas aos quais Schulte teve acesso, mostram os registros do tribunal.

O WikiLeaks divulgou um comunicado de imprensa para acompanhar as informações, dizendo que os dados foram fornecidos anonimamente por uma fonte que queria levantar questões políticas, especificamente sobre se a CIA havia ultrapassado suas capacidades de hackers e excedido sua autoridade.

Schulte, que também mentiu para os investigadores da CIA e do FBI para encobrir seus rastros, foi preso em agosto de 2017 por acusações de pornografia infantil. Ele foi indiciado pelas acusações relacionadas à violação de dados meses depois.

“Schulte estava ciente de que o dano colateral de sua retribuição poderia representar uma ameaça extraordinária a esta nação se tornado público, tendo um efeito devastador em nossa comunidade, fornecendo inteligência crítica para aqueles que desejam nos prejudicar”, disse Williams.

“Hoje, Schulte foi condenado por um dos atos de espionagem mais descarados e prejudiciais da história americana”, concluiu.

Fonte/ CNN BRASIL

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS