11 agosto 2022 7:04
11 agosto 2022 7:04

Entenda como vai ficar mais barato comprar imóveis com o Casa Verde e Amarela

O CCFGTS aprovou o aumento do limite de renda para dois grupos do Programa Casa Verde e Amarela, facilitando o acesso dos cidadãos.

Por Seu crédito digital

- Publicidade -

Recentemente, o Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (CCFGTS) aprovou o aumento do limite de renda para dois grupos do Programa Casa Verde e Amarela.

O reajuste aprovado pelo Conselho do FGTS eleva o limite de renda do Grupo 2, de R$ 4 mil para R$ 4,4 mil, e do Grupo 3, de R$ 7 mil para R$ 8 mil. Além disso, as taxas de juros para famílias reenquadradas no Grupo 2 terão uma redução de até 1,16% ao ano e as parcelas, em até 11%.

Com base nas alterações, a taxa de juros para imóveis com valor até R$ 350 mil vai de 8,66% para 7,66% ao ano. A taxa para imóveis com valor superior a R$ 350 mil também recebeu reajuste, passando de 8,66% para 8,16% ao ano.

Novo aumento de subsídio

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) promoverá um novo reajuste de subsídio, destinado às famílias dos Grupos 1 e 2 (com renda de até R$ 4,4 mil). Esse subsídio pode alcançar até R$ 47,5 mil, dependendo da renda familiar, região e tamanho da população da cidade.

“Uma família que tem renda de R$ 1,8 mil e mora em Macapá, no Amapá, por exemplo, pode comprar um imóvel de até R$ 209 mil, e ela vai financiar esse valor menos os R$ 47,5 mil, que é o subsídio que vai receber”, disse Daniel Ferreira, ministro do Desenvolvimento Regional.

Ferreira ainda complementou que promover um novo subsídio dá mais capacidade de pagamento e acesso aos cidadãos que não conseguiam obter o crédito.

Pacote de normas implementado no Programa Casa Verde e Amarela

A elevação aprovada pelo Conselho do FGTS e o aumento do subsídio que será promovido pelo MDR fazem parte de um pacote de normas que têm sido implementadas no Programa Casa Verde e Amarela.

Vale lembrar que o MDR também quer ampliar o prazo de financiamento do FGTS, de 30 para 35 anos. No entanto, a mudança, que integra a Medida Provisória 1.107/2022, ainda precisa ser aprovada e tramita no Congresso Nacional.

 

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS