13 agosto 2022 3:48
13 agosto 2022 3:48

Começa audiência de sargento da PM que atirou em estudante durante confusão em bar no interior do AC

Testemunhas de acusação e a vítima são ouvidas nesse primeiro dia de audiência. Erisson Nery atirou no estudante Flávio Endres Ferreira em novembro de 2021.

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

A Vara Única Criminal da Comarca de Epitaciolândia começou, nesta terça-feira (26), a audiência de instrução e julgamento do sargento da Polícia Militar Erisson Nery, acusado de atirar no estudante Flávio Endres Ferreira em novembro de 2021. Nessa audiência, deve ser decidido se o militar vai ou não a júri popular.

A vítima levou ao menos quatro tiros e ficou com sequelas em uma das mãos. Após passar por uma cirurgia na região do abdômen e ficar nove dias internado no pronto-socorro de Rio Branco, o estudante Flavio recebeu alta no dia 7 de dezembro do ano passado.

O Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC) informou que a audiência, de forma virtual, começou às 8h presidida pela juíza Joelma Ribeiro. A defesa informou que nesta terça serão ouvidas as testemunhas de acusação e a vítima, o que dá cerca de 14 pessoas.

Na quarta-feira (27), será dado continuidade com o depoimento das testemunhas defensivas e a oitiva do réu. A defesa disse que pode ainda se estender por mais

A antiga defesa de Neri também já havia entrado com pedido de análise de insanidade mental, o que foi negado pela Vara Única Criminal da Comarca de Epitaciolândia. A defesa não revelou que tese deve usar. Recentemente, o processo passou a correr em segredo de Justiça.

Estudante Flavio Endres Ferreira foi baleado pelo sargento da PM Erisson Nery em novembro de 2021 — Foto: Arquivo pessoal

Denúncia

Em fevereiro deste ano, a Justiça aceitou a denúncia do MP-AC contra o sargento. Nery responde pelos crimes de tentativa de homicídio qualificado por motivo fútil e recurso que impossibilitou a defesa da vítima, porte irregular de arma de fogo de uso permitido e por lesão corporal de natureza grave.

O sargento ficou conhecido nas redes sociais após assumir um trisal com a mulher, também sargento da PM, Alda Nery, e a administradora Darlene Oliveira. Os três moravam na cidade de Brasileia, no interior, e há alguns meses a sargento fazia tratamento psicológico, quando o casal voltou a gerar polêmica ao surgir boatos de separação.

O sargento também já responde a um processo por ter matado um adolescente de 13 anos em 2017, quando o menino tentou furtar a casa dele. Mais de quatro anos após o crime, o policial ainda não foi julgado. O MP fez a denúncia em julho do ano passado pelos crimes de homicídio e fraude processual e a denúncia foi aceita um dia depois pela Justiça.

Relembre o caso

No dia 27 de novembro do ano passado, o sargento Nery se envolveu em uma confusão em um bar na cidade de Epitaciolândia, interior do Acre, que acabou com o estudante Flávio baleado. No dia 29, o militar foi preso e ouvido na delegacia do município, enquanto um grupo de amigos fazia protesto e pedia justiça.

Vídeos que circularam na internet mostram o momento da confusão dentro e fora do bar. Uma das imagens mostra o sargento Nery armado após atirar contra o estudante e, em outro vídeo, é possível observar que a vítima foi agredida inicialmente pela sargento da PM Alda Nery, mulher do policial.

Nery, porém, alegou que reagiu a uma importunação sexual feita pelo homem contra sua mulher, a administradora Darlene Oliveira. Mas, um vídeo do interior do bar onde ocorreu a confusão mostra que a vítima foi agredida inicialmente pela sargento da PM Alda Nery.

As imagens confirmam o depoimento da equipe que fazia a segurança no local. No depoimento, um dos seguranças diz que o sargento acusava o pessoal da mesa ao lado de estar olhando de forma desrespeitosa para a mulher dele. O segurança tentou acalmar o sargento, mas ele continuava alterado.

Fonte: G1ACRE

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS