17 agosto 2022 9:46
17 agosto 2022 9:46

ALERTA: Variante BA.5 “A pior versão do vírus da Covid que já vimos”, alerta especialista

Esse vírus "Leva o escape imunológico, já extenso, para o próximo nível e, em função disso, maior transmissibilidade", muito além das versões anteriores do Omicron.

Por Redação Ecos da notícia

- Publicidade -

Quase dois anos e meio desde o início da pandemia de coronavírus, a variante mais infecciosa e transmissível já chegou. Ondas repetidas de Covid-19 deixaram milhões de pessoas mortas, com vacinas ajudando a diminuir o número de vítimas.

Agora o vírus está se espalhando novamente – evoluindo, escapando da imunidade e gerando um aumento nos casos e hospitalizações. A versão mais recente de sua mudança de forma, BA.5, é um sinal claro de que a pandemia está longe de terminar.

A mais nova ramificação do Omicron, juntamente com uma variante intimamente relacionada, BA.4, está alimentando um aumento global de casos – 30% nas últimas quinzenas, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

E a mesma variante se tornou a cepa dominante nos Estados Unidos, onde foi responsável por 65% das novas infecções na semana passada, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

“Temos observado este vírus evoluir rapidamente. Estamos planejando e nos preparando para este momento. E a mensagem que quero transmitir ao povo americano é esta: BA.5 é algo que estamos monitorando de perto, e a maioria importante, sabemos como gerenciá-lo”, disse Ashish Jha, coordenador de resposta à Covid-19 da Casa Branca, em uma entrevista coletiva na terça-feira.

2020 – em meio a casos crescentes, mutação viral em andamento e pressão crescente nos sistemas de saúde já sobrecarregados.

Em um comunicado, o comitê, composto por especialistas independentes, destacou os desafios à resposta global em andamento ao Covid-19, incluindo uma queda nos testes e no sequenciamento irregular do genoma, levantando a questão de quão precisa qualquer nação pode ser razoavelmente capaz de monitorar BA.5.

Dados oficiais subestimam drasticamente o número real de infecções nos EUA, dizem epidemiologistas, deixando o país com um ponto cego crítico, pois a variante de coronavírus mais transmissível ainda se estabelece. Alguns especialistas acham que pode haver até 1 milhão de novas infecções todos os dias na população mais ampla dos EUA – 10 vezes mais do que a contagem oficial.

Quanto a como gerenciar a nova onda, Jha pediu aos americanos com 50 anos ou mais que recebam segundas doses de reforço. Adultos que estão em dia com as vacinas são menos propensos a serem hospitalizados do que aqueles que não estão vacinados. Mas apenas cerca de um em cada quatro adultos nos EUA com mais de 50 anos receberam seus segundos reforços recomendados, mostram dados coletados pelo CDC.

Autoridades de saúde dos EUA estão trabalhando com urgência em um plano para permitir segundos reforços de Covid-19 para todos os adultos, confirmou um alto funcionário da Casa Branca na segunda-feira, em meio a temores de que a imunidade dos adultos mais jovens possa estar diminuindo à medida que os casos de Covid-19 aumentam com o domínio. de BA.5.

O que torna BA.5 diferente?

Eric Topol, cardiologista e professor de medicina molecular da Scripps Research, chamou o BA.5 de “a pior versão do vírus que já vimos”. Ele explicou em um boletim recente: “Leva o escape imunológico, já extenso, para o próximo nível e, em função disso, maior transmissibilidade”, muito além das versões anteriores do Omicron.

Em outras palavras, BA.5 pode evadir facilmente a imunidade de infecções e vacinas anteriores, aumentando o risco de reinfecção. Embora a variante não pareça levar a doenças mais graves, em entrevista na segunda-feira, Topol disse que, dada a extensão da evasão imunológica do BA.5, ele espera ver uma escalada nas hospitalizações, como vimos na Europa e em outros lugares onde a variante se enraizou. “Uma coisa boa é que não parece ser acompanhado pelas admissões na UTI e as mortes como variantes anteriores, mas isso é definitivamente preocupante”, acrescentou.

Especialistas em saúde pública nos EUA podem se consolar com a trajetória da variante na Europa. Ryan, da OMS, disse na semana passada que, embora muitos países europeus estejam experimentando um salto nas hospitalizações, “o que não estamos vendo é um aumento nas internações em unidades de terapia intensiva, então as vacinas ainda estão funcionando e são essas lacunas na imunidade que são causando o problema.”

Mas ainda assim, reduções acentuadas na vigilância do Covid-19 em todo o mundo estão dificultando os esforços dos epidemiologistas enquanto correm para rastrear a evolução do vírus.

Fonte/ Portal istoedinheiro.com

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS