4 julho 2022 6:24
4 julho 2022 6:24

Seca no Iraque faz cidade de 3.400 anos reaparecer em meio ao Rio Tigre

Edifícios foram encontrados com as paredes preservadas apesar de serem feitas de tijolos de barro e estarem submersas por mais de 40 anos; pesquisadores acreditam que o local seja Zakhiku.

Por Redação Ecos da notícia

- Publicidade -

Arqueólogos encontraram uma cidade com cerca de 3.400 anos, localizada no Rio Tigre, no Iraque. A descoberta só foi possível devido à seca que atinge o país e abaixou o nível da água no reservatório Mossul. Segundo o jornal Wion News, uma equipe de pesquisadores alemães e curdos foram os responsáveis por localizar a cidade perdida, que continha uma série de grandes edifícios e também um palácio nas ruínas. Estima-se que o local seja Zakhiku, que é da época do Império Mittani da Idade de Bronze entre 1550 e 1350 aC.

O Iraque tem sido fortemente afetado pelas mudanças climáticas. A região do Kemune não recebe chuva há tempos e o sul do país sofre com uma seca extrema. O reservatório de Mossul é a principal fonte de abastecimento de água desde dezembro e tem sido utilizada para evitar a seca das colheitas. A descoberta pegou os pesquisadores de surpresa e os obrigaram a escavar e documentar partes da importante cidade antes que ela ficasse submersa.

Créditos: Divulgação/Wion/Foto: Universidade de Tübingen.

Em entrevista a Deutsche Welle, a arqueóloga alemã e professora da Universidade de Freiburg, declarou que “com base no que encontraram em 2018, sabiamos que o local poderia trazer descobertas interessantes”, mas acrescenta dizendo que “não sabíamos exatamente o que encontraríamos”. Apesar da importância da descoberta, a professora informa que “há pouquíssimas menções ao nome da cidade em outras fontes” e que “só agora estão adquirindo novos conhecimentos sobre ela”. Contudo, Hasan Ahmed Qasim, presidente da Organização de Arqueologia do Curdistão, garante que “os resultados da escavação mostram que o local era um importante centro do Império Mitani”.

Para evitar mais danos ao local pelo retorno da água, os edifícios escavados – que foram encontrados com as paredes preservadas apesar de serem feitas de tijolos de barro secos ao sol e terem ficado submersas por mais de 40 anos – foram cobertos com lonas plásticas apertadas e com cascalho como parte de um extenso projeto de conservação. Hoje, a cidade já voltou a ficar submersa e os arqueólogos esperam que um dia ela volte a aparecer.

Fonte/ Portal Jovem Pan

 

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS EM SEU EMAIL

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 146.770 outros assinantes

ÚLTIMAS