5 julho 2022 7:50
5 julho 2022 7:50

Pais de bebês que morreram de síndrome respiratória à espera de UTI no AC denunciam negligência e pretendem acionar a Justiça

Nove crianças de 2 meses a 4 anos morreram em Rio Branco por síndromes respiratórias. Mães se unem e dizem que devem entrar contra o estado na Justiça.

Por G1ACRE

- Publicidade -

As famílias das crianças que morreram vítimas de síndromes gripais em Rio Branco ainda buscam uma explicação para a perda dos pequenos. Pelo menos quatro mães já se juntaram e pretendem entrar na Justiça contra o estado, por entenderem que houve negligência no atendimento das vítimas.

Em comum, elas relatam que os bebês deram entrada em unidades de saúde da capital com sintomas gripais, logo o quadro deles agravou e não havia leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) disponível para internação. Sobre isso, o governo disse que não vai se manifestar.

Ao todo, nove crianças de 2 meses a 4 anos morreram em Rio Branco por síndromes respiratórias nos últimos dias, sendo quatro somente nos primeiros dias de junho. Conforme a Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre), desde abril, foram registrados 96 casos de crianças que precisaram passar por internação no Pronto-socorro de Rio Branco.

No Hospital da Criança de Rio Branco, referência para os atendimentos, há 48 leitos de enfermaria e apenas 9 de UTIs pediátricos. Segundo a Sesacre, todos os leitos estão ocupados. As crianças que precisam de atendimento são recebidas no Pronto-Socorro da capital, que não tem leitos de UTI pediátricos.

Por conta do aumento na procura por atendimentos, a Saúde anunciou nessa quinta (9) que abriu 10 vagas de leitos semi-intensivos no Hospital da Criança e no PS foram abertos 16 leitos de enfermaria para crianças. O g1 tentou saber com a Sesacre se foram abertos mais leitos nesta sexta-feira (10), mas aguarda resposta.

‘Precisam pagar’

Quem começou o movimento para tentar juntar os pais das vítimas foi a servidora pública, Joelma Dantas, mãe do pequeno Théo Dantas, de 10 meses, que morreu na última terça (7) no PS da capital enquanto esperava uma vaga de UTI no Hospital da Criança. Ela disse que a ideia é unir as famílias das nove crianças para buscar justiça.

“Estou tentando contato com as outras oito mães que estão sofrendo a mesma situação nesses últimos dois meses. Em seguida, pretendemos levar a denúncia ao Ministério Público e procurar a Justiça mesmo para responsabilizar o estado, porque no ano passado um especialista chegou a falar sobre essa síndrome grave e alertar a Secretaria de Saúde que teria que se preparar. Então, tudo isso foi fruto de negligência e eles precisam pagar por isso. Com certeza, poderia ter sido evitado”, disse Joelma.

A reportagem entrou em contato com a Promotoria de Saúde do Ministério Público para saber se abriu algum procedimento sobre as denúncias, mas ainda aguarda retorno.

Maytê da Silva, de 3 meses, morreu enquanto esperava vaga em UTI do Hospital da Criança em Rio Branco, diz mãe — Foto: Arquivo pessoal

A consultora de ótica, Berenice Alexandre da Silva, de 25 anos, chora ao falar sobre a morte da filha Maytê da Silva, de apenas 3 meses, ocorrida no último dia 25 de maio no Pronto-Socorro.

“Ela já tinha sido internada em março, chegou a ficar intubada na UTI na época no Hospital da Criança, mas ficou bem e teve alta. Uns dias depois, ela ficou ruim novamente, só chorava, então levei para o PS. Lá, ela ficou piorando, disseram que não tinha vaga de UTI e quando foram intubar, ela teve uma parada cardíaca. Acredito que se tivesse ido para UTI, ela estaria aqui ainda. Acho vergonhoso um estado ter somente 9 vagas de UTI. Ela era minha segunda filha, tenho outro bebê de 1 ano e 9 meses e agora o sentimento é de luto pela morte da minha filha e de medo de precisar da saúde pública de novo”, relatou a mãe.

Enzo Miguel, de 2 anos, foi uma das vítimas dos últimos dias de síndromes gripais. A mãe dele, a dona de casa Sarah Holanda, conta que ao perceber que o menino estava gripado e muito cansado o levou até uma UPA, onde ele recebeu medicação para verme.

O quadro agravou e ela procurou o PS, onde ele morreu. Ela também acredita que houve negligência, chegou a registrar ocorrência na delegacia e pretende se unir com as demais famílias em uma ação contra o estado.

“Meu filho morreu por negligência médica porque se ela tivesse feito escuta pulmonar nele, se ela tivesse feito, ela já ia ver que meu filho estava debilitado e ele não teria morrido. Ela disse que ele estava com verme, passou um remédio e mandou nós irmos pra casa sendo que ele já estava com infecção, uma bactéria no sangue, uma pneumonia grave”, lembrou.

A dona de casa Jeielly Silva, de 24 anos, é mãe da pequena Maria Loise, de 1 ano e 9 meses, que também morreu de síndrome respiratória no último dia 28 abril no PS de Rio Branco. A criança chegou a ser levada para uma UPA, depois foi transferida ao Pronto-Socorro e ao chegar no hospital, a família foi informada que não tinha leito e que teria que aguardar. No mesmo dia, ela não resistiu.

“O pediatra disse que ela precisava de uma vaga na UTI, mas ela faleceu a espera de um leito. Se tivesse ido para a UTI teria sido diferente, porque o médico que atendeu ela falou que ela estava com pneumonia grave e precisava de um leito de UTI. A Maria era minha segunda filha, foi uma filha planejada, era tudo que a gente sempre quis e tem sido muito difícil pra gente”, disse entre lágrimas.

Vírus causador de casos graves

A infectologista Cirley Lobato diz que o Vírus Sincicial Respiratório é o causador dos casos graves de gripe e explicou que ele prefere as vias aéreas superiores, mas que pode inflamar outros órgãos também.

“A predileção por outros órgãos, com comprometimento direto do coração, do fígado, causando quadro de hepatite. Então, eles estão vindo com uma agressão maior, comprometendo outros órgãos, e as vezes independe até do sistema imunológico da criança. Ela pode até ter um sistema imunológico bom, mas a inflamação é tão grande que acaba atingindo outros órgãos”, explicou a especialista.

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS EM SEU EMAIL

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 146.800 outros assinantes

ÚLTIMAS