18 agosto 2022 12:44
18 agosto 2022 12:44

Pai deixa o trabalho para acompanhar filho cadeirante no 1º emprego como supervisor no Censo 2022 do IBGE no Piauí: ‘meu pai é minhas duas pernas’

Pai e filho já percorreram mais de 50 quarteirões nos bairros e no centro de Picos após uma semana de trabalho.

Por G1Pi

- Publicidade -

Aos 28 anos, Francisco de Assis Moura conseguiu o primeiro emprego como Supervisor de Área no Censo Demográfico. E para realizar a pesquisa de campo que começou há uma semana, na cidade de Picos, ele, que é cadeirante, conta com a ajuda do pai, o agricultor Juvenal Mendes, que parou de trabalhar na cidade de Dom Expedito Lopes para acompanhar o filho na jornada de trabalho para o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Ibge).

Pai deixa trabalho para acompanhar filho cadeirante no Censo do IBGE

Por conta de uma paralisia cerebral, Francisco perdeu parte dos movimentos das pernas e dos braços, além de ter a fala comprometida, mas sempre buscou por oportunidades. Segundo o pai, desde pequeno Francisco conviveu com as desconfianças por conta das condições físicas.

“Quando eu comecei a levar ele pra aula, pequenininho, aí o pessoal dizia ‘rapaz, tu é doido, vai trazer uma pessoa dessa pra escola’ e aí eu dizia que meu filho era inteligente, ‘olha, um dia ele vai ser gente.’ Olha aí onde é que ele tá hoje”, contou o pai.

Ainda segundo o agricultor, num primeiro momento, ele pensou em pagar alguém para acompanhar Francisco durante o trabalho, mas desistiu e resolveu ele mesmo deixar seu trabalho acompanhar o filho.

Pai acompanha filho durante pesquisa do Censo Demográfico do IBGE no sul do Piauí — Foto: Rede Clube

Após uma semana de trabalho, pai e filho já percorreram mais de 50 quarteirões do centro e dos bairros de Picos coletando informações sobre as ruas, a iluminação pública e a acessibilidade local. Francisco contou que entende a importância do trabalho que está sendo realizado por ele.

“É uma atribuição de muita valia, de muita responsabilidade, tem que ter muito conhecimento técnico a respeito do assunto”, disse Francisco.

Francisco reconhece todo o esforço do pai, que parou de trabalhar na roça para estar com ele pelas ruas da cidade durante o trabalho.

“Não tenho palavras que consigam representar quem é meu pai. Eu costumo dizer que meu pai é minhas duas pernas” ,completou Francisco.

28% de PCDs no mercado de trabalho

Francisco percorre as ruas de Picos com o pai para realizar pesquisa do Censo Demográfico — Foto: Rede Clube

Um levantamento mais recente divulgado pelo IBGE destacou que apenas 28% da população com algum tipo de deficiência está inserida no mercado de trabalho. Francisco contou que conhece bem as dificuldades enfrentadas por pessoas com deficiência.

“Eu sei o tanto que não funciona as coisas pras pessoas com deficiência, eu falo em Picos e por aí, no Brasil. Existe a lei mas não existe a aplicabilidade dela”, lamentou Francisco.

 

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS