17 agosto 2022 10:48
17 agosto 2022 10:48

Família de colombiana que morreu no AC após parto tenta autorização para levar recém-nascida para Colômbia

Família de Dayanna Lopez Zuleta, de 21 anos, pediu autorização da Justiça do Acre para levar a pequena Amaru Henao para Colômbia após morte da jovem. Dayanna chegou ao Acre há três meses junto com o namorado e pai da criança, Jesus David, e morreu no último dia 17 no PS da capital.

Por G1ACRE

- Publicidade -

A família da pequena Amaru Henao Lopez, nascida no último dia 6, em Rio Branco, capital do Acre, vive um drama para tentar levá-la para a Colômbia, país de origem dos familiares. É que a mãe da recém-nascida, Dayanna Lopez Zuleta, de 21 anos, morreu 11 dias após o parto no pronto socorro da capital acreana e eles precisam de uma autorização judicial para deixar o Brasil com a bebê.

O pedido foi feito na Defensoria Pública do Estado (DPE-AC), em Rio Branco. O defensor responsável pelo pedido informou à família que entrou em contato com a juíza responsável pelo julgamento e reforçou o pedido de urgência para o caso.

Dayanna estava no Acre há três meses com o namorado e pai da criança, Jesus David, de 22 anos. O casal era artista de rua, vivia da renda de tatuagens e malabarismo nos semáforos. A certidão de óbito diz que Dayanna morreu de tromboembolismo pulmonar, coagulação intravascular disseminada e complicações do puerpério.

Após a morte, os pais da estrangeira viajaram até o Acre para ajudar nos trâmites, levar o corpo da filha e para o país de origem e a neta para ficar com eles na Colômbia. Contudo, eles não podem sair do Brasil sem uma autorização judicial de viagem para a bebê, que é brasileira e os pais estrangeiros.

Além da autorização judicial, a criança também precisa receber alta médica. Ela foi internada na manhã desta segunda-feira (27) no pronto socorro da capital com diagnóstico de bronquiolite.

“Sempre falávamos com a Dayana, ela estava bem. Após o parto, ela disse que se sentia um pouco doente, mas pensamos que era consequência do parto porque a amamentação deixa a saúde um pouco debilitada. Porém, estava apresentando uma enfermidade. Ela disse que tudo era coisa do pós-parto. David foi quem nos avisou, avisou para Roberto [pai de Dayanna] que me avisou que ela estava morta”, contou emocionada a mãe de Dayanna e avó da bebê, Noorby Solyp Zuleta Jimenez.

Jesus David e os sogros tentam levar a bebê para a Colômbia após morte de Dayanna — Foto: Reprodução

Auxílio

Jesus David e os pais de Dayanna receberam ajuda da enfermeira Luciana Paula dos Santos e do marido dela, o representante comercial Chesman Barata. Foi Luciana que amparou Jesus David no PS quando ele soube da morte da mulher e comprou leite para a pequena Amaru que chorava com fome.

A enfermeira se comprometeu em cuidar da bebê enquanto o rapaz resolvia os trâmites da morte de Dayanna, ligava para a família e dava início ao processo de repatriação do corpo. Amaru foi levada para casa de Luciana, no Conjunto Habitar Brasil, e depois o pai e os avôs também ficaram hospedados na residência.

“O documento que passaram para nós não foi aceito pelo cartório. O documento é para os avôs levarem a criança porque ele [Jesus David] vai por terra para levar um cachorro de estimação que era apegado com a Dayanna. Criança brasileira com pais estrangeiros precisa de uma autorização judicial para ir embora”, contou Chesman Barata.

O representante comercial também buscou a Polícia Federal e foi orientado a entrar na Justiça. Ele, então, levou os avôs da bebê e o pai na Defensoria Pública do Acre, na última sexta (24), onde foi dada entrado no processo.

Enfermeira Luciana dos Santos acolheu o pai e avôs da bebê após morte da mãe — Foto: Arquivo pessoal

“Está em segredo de Justiça, a juíza ficou de avaliar hoje [segunda 27]. Eles precisam viajar dia 1º de julho, Jesus precisa ir para receber o corpo na Colômbia, vai fazer Brasil, Peru, Equador e Colômbia. São quase cinco dias de viagem para chegar lá”, destacou.

O corpo de Dayanna saiu do Acre na última quarta (22) e está em São Paulo aguardando o translado para a Colômbia. O drama da família, inclusive, virou reportagem no país colombiano.

“Agora nossa previsão é de que dia 1º a gente encerrasse essa situação e a Amaru começasse uma nova história na Colômbia, mas complicou tudo. Ela adoeceu, está na pediatria no Huerb [PS], estão ajudando muito e, se o tratamento for mesmo de sete a oito dias, não vão ter como viajar agora”, falou preocupado Chesman Barata.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS