5 julho 2022 7:44
5 julho 2022 7:44

Depressão pós-parto masculina: condição silenciosa que afeta milhões de pais

Por Redação ecos da notícia

- Publicidade -

Para David Levine, o divisor de águas veio quando ele imaginou que tivesse sacudido seu bebê.

O ano era 2013 e seu filho tinha duas semanas de idade. Ele o havia colocado em uma esteira “talvez de forma um pouco mais bruta do que deveria”, relembra ele.

Na época, incapaz de pensar com clareza, ele tinha certeza de que tinha errado. E, como pediatra, ele sabia que sacudir o bebê pode causar lesões cerebrais e até a morte. Ele ficou horrorizado.

A dor e a frustração de Levine vinham se acumulando desde o nascimento da criança. Como muitos recém-nascidos, levou tempo para que o bebê se ajustasse ao mundo exterior. Mas, para Levine, a impressão era que ele chorava sem parar.

“Eu levei para o lado pessoal, ‘estou falhando, não estou fazendo meu trabalho aqui'”, ele conta. “E também comecei a sentir que era dirigido a mim, que o meu filho estava chorando porque não gostava de mim.”

Levine adorava crianças. Desde que começou sua carreira como pediatra em Nova Jersey, nos Estados Unidos, ele havia ouvido de vários pais: “você será um pai muito bom algum dia.”

Ele havia ficado entusiasmado quando sua esposa ficou grávida e deu à luz. Levine se sentia útil quando ela teve dificuldades para amamentar e podia usar seu conhecimento médico para ajudar a incorporar a fórmula na alimentação do bebê.

Mas, depois, o seu papel mudou. Ele não precisava ser médico; ele precisava ser pai. E, quando surgiram as dificuldades com as tarefas práticas da paternidade, como fazer seu filho parar de chorar, Levine achou que a culpa fosse dele.

“Foi quando as coisas começaram a se agravar”, ele conta. Levine menosprezava seu filho e gritava com ele. Ele começou a ver imagens de violência com seu filho e consigo próprio. E não sabia como fazer as coisas melhorarem.

“Eu dizia para a minha esposa que era o fim da nossa vida”, relembra. “Tudo o que eu conseguia visualizar era o ciclo de desespero que seriam as nossas vidas.”

No seu trabalho como médico, Levine examinava as mães para diagnosticar possíveis casos de depressão pós-parto (DPP), uma doença depressiva que aparece no primeiro ano depois de dar à luz. Ela é normalmente considerada uma condição feminina. Mas poderia ocorrer também com os pais?

Levine nunca havia ouvido falar nisso e não era o único. A DPP é uma condição de saúde mental que pode fazer com que as mães e os pais se sintam mal permanentemente, apáticos ou até com pensamentos suicidas no primeiro ano após o parto.

É um fenômeno bem conhecido entre as mulheres, embora ainda permaneça subdiagnosticado em todo o mundo e nem sempre seja adequadamente tratado, o que às vezes traz consequências trágicas. O que é menos conhecido, mesmo entre os médicos, é que os homens também podem ter depressão pós-parto.

Muitos dos recursos que podem ajudar no diagnóstico e tratamento da DPP (que vão desde os questionários de diagnóstico usados pelos médicos até as redes de apoio, como grupos de pessoas) foram estabelecidos para as mulheres. Mesmo os sintomas normalmente associados à depressão pós-parto costumam referir-se mais às mulheres do que aos homens.

Acrescente-se a isso a estigmatização que os homens podem sentir ao expressar problemas de saúde mental e os especialistas afirmarão que não são apenas as mães que estamos deixando de diagnosticar com DPP. Milhões de pais deprimidos podem também estar desamparados.

A vida muda dramaticamente quando nasce um novo bebê, mas a maioria dos homens não recebe as ferramentas, os recursos ou o reconhecimento necessário para lidar com essa transição

Doença escondida

“Embora tenha aumentado a circulação de informações sobre as doenças mentais, como a depressão pós-parto nas mulheres, é fato que ela tem sido muito menos reconhecida nos homens”, afirma Grant Blashki, consultor clínico da organização australiana de saúde mental Beyond Blue.

Ainda assim, estima-se que cerca de 10% dos pais sofram depressão no primeiro ano após o nascimento do bebê, o que é o dobro da incidência dessa condição na população geral masculina. E há pesquisas que indicam que 10% talvez seja muito pouco. No período de três a seis meses após o parto, cerca de um em cada quatro pais exibe sintomas de depressão.

Muitos pais também sofrem de ansiedade generalizada, transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e estresse pós-traumático, segundo Daniel Singley, psicólogo em San Diego, na Califórnia (Estados Unidos), especializado em problemas masculinos. Mas relativamente poucos desses homens expressarão seus problemas (ou mesmo acreditarão que têm um problema, para começar).

“Na minha experiência, é interessante que, mesmo entre pessoas com boa escolarização ou profissionais de saúde, ainda haja alto nível de estigmatização sobre os problemas de saúde mental entre os homens”, afirma Grant Blashki. “E isso pode resultar em negação, baixa procura de ajuda ou na sensação de que você deveria simplesmente resolver aquilo sozinho.”

Geralmente, os homens tendem a evitar cuidados médicos, mais do que as mulheres. No Canadá, por exemplo, pesquisadores concluíram que cerca de oito em cada dez homens não procuram assistência médica a menos que suas parceiras os convençam.

Mas também existem, em muitos casos, sensações de constrangimento ou vergonha por ser um homem (especialmente um pai) com depressão.

“[Os homens] realmente não querem buscar ajuda para a saúde mental, pois isso é estigmatizado e feminizado. E eles com certeza não querem buscar ajuda durante o período perinatal”, afirma Singley.

Ele prossegue explicando que, em casais heterossexuais com filhos, a mensagem normalmente recebida pelo pai é de que a gravidez e o parto fazem parte do universo feminino.

Os pais podem ser excluídos das consultas pré-natal, dos cursos ou até do próprio parto. Quando estão presentes, muitas vezes são instruídos apenas a oferecer apoio, independentemente da ansiedade e do medo que eles também possam estar sentindo.

Singley ressalta que esse tipo de mensagem ativa o estereótipo masculino de “prover e proteger”, ignorando um elemento fundamental: os pais precisam apoiar as mães, mas eles também precisam de apoio.

Como disse um pai aos pesquisadores de um estudo recente no Reino Unido, “olhando em retrospectiva, as instituições, a família e eu próprio nos concentramos em como eu apoiaria minha esposa e a ênfase era que eu permanecesse forte”.

‘Nós precisamos ser a rocha’

É claro que existe a pressão dos estereótipos masculinos. Se os pais devem ser fortes e fornecer apoio, o que acontece com eles se tiverem depressão?

No mesmo estudo britânico, outro participante afirmou que se “sentia um fracasso, não um verdadeiro homem”. Outro perguntou: “que tipo de homem fica com depressão depois de ter um bebê?”

E alguns eram ainda mais duros consigo próprios sobre receber tratamento. Um homem que recebeu licença do trabalho depois de um diagnóstico de problema de saúde mental afirmou que, quando ficou difícil formar uma nova rotina com o bebê, a sua depressão piorou, “pois eu senti que não estava apenas fracassando como pai, mas como marido”. Já outros mencionaram preocupações com a possibilidade de suas parceiras os deixarem.

“Ainda são frequentes muitos mitos sobre problemas de saúde mental como sinal de fraqueza ou algo que o homem deveria simplesmente poder resolver sozinho”, concorda Blashki. “Esse tipo de mito pode ser intensificado pela sensação de que o homem deveria ser a parte forte durante essa grande fase de transição para a mãe e o bebê.”

Levine, por exemplo, só contou para sua esposa como era forte a sua DPP cerca de um ano mais tarde, quando, depois de conversar sobre DPP com um paciente, que indicou seu nome adiante, foi convidado a compartilhar sua experiência no programa de entrevistas de Charlie Rose, nos Estados Unidos.

“Ela não sabia que eu tinha depressão”, relembra. “Ela não sabia que eu tinha certos sentimentos com relação ao nosso filho. E ela também não sabia que parte da razão por que nunca contei a ela foi porque eu achava que cairia no seu conceito.”

“Os homens não falam sobre seus sentimentos, certo? Nós precisamos ser a rocha para nossas esposas. Eu não tinha ninguém com quem falar sobre isso. E achava sinceramente que, se eu contasse para ela, ela iria me deixar. E a minha esposa é uma pessoa maravilhosa”, prossegue Levine.

Universo feminino

Outro obstáculo é o fato de que a depressão pós-parto muitas vezes é associada principalmente às mulheres. Por isso, é menos provável que um homem, ou as pessoas à sua volta, incluindo profissionais médicos, reconheçam os sintomas da DPP.

É verdade que quem dá à luz tem mais possibilidade de ter depressão no período pós-parto que os seus parceiros. Um estudo concluiu que, em média, cerca de 24% das mães têm depressão, contra 10% dos pais. E também é verdade que parte dos motivos da DPP das mães são as mudanças hormonais no cérebro que acontecem ao dar à luz.

Os sintomas também tendem a ser diferentes nos homens e nas mulheres. Enquanto a imagem comum da DPP pode ser uma mãe chorosa e incapaz de sair da cama, os pais com DPP são mais propensos a adotar comportamentos de fuga: aumentar a carga de trabalho, por exemplo, ou passar mais tempo ao telefone. E eles estão mais sujeitos a abusar de substâncias ou do álcool e a ser indecisos, irritáveis ou autocríticos.

“Às vezes, [os homens] mostram o que chamamos de ‘apresentação depressiva masculina mascarada’, que parece um pouco diferente da forma típica em que pensamos sobre a depressão”, afirma Singley. “Pode haver tendência à somatização”, que é a presença de sintomas clínicos em vez de emocionais, como dores de estômago ou enxaquecas.

Algumas pessoas afirmam que os pais não estão sofrendo DPP “real”, mas sim depressão genérica, um pensamento exacerbado pelo fato de que os pais são mais propensos à depressão pós-parto se já tiverem sofrido depressão anteriormente.

Quando se diz aos homens que eles precisam ser a ‘rocha’, suas próprias dificuldades muitas vezes são ignoradas ou minimizadas

Embora haja alguma verdade nisso, é algo enganoso, segundo Michael Wells, professor do Departamento de Saúde da Mulher e da Criança do Instituto Karolinska em Estocolmo, na Suécia, e pesquisador de saúde pós-parto e DPP masculina.

Na verdade, não só os pais são mais propensos à depressão pós-parto se tiverem sofrido depressão no passado, mas também as mães. “Não são só os hormônios”, afirma Wells.

Além disso, pesquisas recentes concluíram que os hormônios dos pais também se alteram desde o período pré-natal. Os níveis de testosterona dos pais caem durante a gravidez da parceira, por exemplo, enquanto o estrogênio aumenta mais para o final da gestação. E existem evidências de que a DPP paterna possa estar relacionada com essas alterações.

Causas psicológicas à parte, mães e pais comprometidos enfrentam uma série de mudanças depois que o bebê nasce.

“O ajuste ao novo bebê, mudanças no relacionamento, mudanças na vida sexual do casal, novas responsabilidades, lidar com o estresse do parceiro e pressões financeiras”, afirma Blashki. “Pode ser, de forma mais geral, uma época de reflexão sobre a identidade da pessoa e muitos homens podem ficar preocupados com a responsabilidade necessária para cuidar de um bebê.”

Fatores de risco específicos podem também fazer com que alguns pais sejam mais propensos à DPP. Um deles é a saúde mental da parceira. O risco de o pai desenvolver depressão pós-parto é mais de cinco vezes maior se a mãe tiver DPP (e, se o pai tiver DPP, a mãe também é mais propensa a desenvolver a condição).

Outros fatores de risco incluem a falta de estabilidade no emprego, gravidez não planejada, baixa satisfação no relacionamento, falta de informação sobre a gravidez e o parto, pouco apoio social, falta de sono e expectativas irreais da paternidade.

É interessante observar que nós associamos a DPP aos pais novos, mas a pesquisa desenvolvida por Wells e seus colaboradores concluiu que não são apenas os pais de primeira viagem que apresentam risco de depressão pós-parto. Muitos pais com outros filhos também desenvolvem DPP.

O fato de que mesmo alguém como Levine, que tinha um emprego e um casamento estáveis, nenhum histórico de problemas de saúde mental e pleno conhecimento médico sobre a gravidez e os bebês, pudesse ter DPP tão rápida e profundamente demonstra que essa condição pode afetar qualquer pessoa.

De sua parte, Levine acredita que sua DPP tenha sido exacerbada por não compreender totalmente como pode ser difícil ser pai, ou qual era o comportamento normal dos recém-nascidos. Ele não percebeu que muitos bebês simplesmente acordam com frequência ou choram muito. E achava que a culpa era dele próprio.

‘Minha personalidade mudou’

Isso soa muito familiar para Mark Williams, do grupo de apoio britânico Fathers Reaching Out.

Quando seu bebê nasceu, em 2004, Williams, que mora no País de Gales, era trabalhador autônomo. Ele esperava voltar ao trabalho em duas semanas, mas nada saiu conforme o planejado.

Primeiro, o parto da sua esposa foi traumático. “Tive um ataque de pânico na sala de parto e o médico disse que a minha esposa iria para a sala de cirurgia” para uma cesariana não programada, segundo ele.

E, enquanto ela estava lá, ninguém disse a ele o que estava acontecendo. Ele achava que a esposa e o bebê iriam morrer.

Depois desse incidente traumático, Williams foi lançado aos desafios da vida com um recém-nascido, sofrendo ainda a pressão de voltar ao trabalho “sem dinheiro e com a hipoteca para pagar”. Sua esposa também teve forte depressão pós-parto.

“Comecei a consumir álcool e evitar situações. Minha personalidade mudou”, ele conta. Williams sentia raiva e era agressivo. Certa vez, ele socou o sofá com tanta força que quebrou a mão.

Ele tomou conhecimento da DPP masculina em uma conversa casual com alguém na academia. A esposa daquela pessoa também teve DPP e os dois homens acabaram se sentindo deprimidos. Mas, quando Williams procurou saber quais tipos de grupos existiam para os pais, como havia para as mães, ele voltou com as mãos vazias.

Ao longo dos anos, ele conseguiu superar sua depressão com terapia cognitivo-comportamental, medicação e mais apoio. Williams também recebeu diagnóstico de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).

Mas ele queria ter certeza de que, se outros pais superassem a estigmatização da DPP masculina e pedissem ajuda, eles poderiam encontrá-la. “Não havia nada para eles. Ninguém realmente falava sobre aquilo”, ele conta.

Em 2010, Williams lançou a Fathers Reaching Out, para conectar os pais e oferecer apoio e aconselhamento sobre saúde mental. Essa organização se dissolveu posteriormente por “falta de financiamento”, segundo Williams.

Ele rapidamente ouviu não apenas os pais, mas também suas parceiras. “As mães diziam ‘meu marido está com muitas dificuldades, seu comportamento mudou desde a gravidez e o nascimento do bebê'”, ele conta.

Williams dedicou-se não só a apoiar outros pais, mas também ao ativismo. Ele dá palestras, trabalha com acadêmicos, escreveu um livro, criou o Dia Internacional da Saúde Mental dos Pais e fez lobby junto ao governo britânico para que oferecesse análises de saúde mental aos pais se a parceira sofresse de alguma condição de saúde mental, com sucesso.

A consciência sobre a saúde mental em geral e a DPP masculina em particular aumentou, segundo Williams, mas não o suficiente. “Melhorou muito, mas ainda falta muito reconhecimento”, afirma ele.

“As orientações NICE [as recomendações nacionais de saúde e assistência da Inglaterra] não mencionam os pais. A OMS só tem informações sobre as mães, não sobre os pais. É preciso um grande impulso nacional, ou que alguma celebridade venha e realmente leve isso adiante”, segundo Williams.

Michael Wells destaca outro problema, que é o fato de que, como a DPP foi considerada um transtorno de saúde mental das mulheres por muito tempo, as ferramentas de diagnóstico utilizadas pelos profissionais de saúde (que normalmente consistem em um questionário a ser preenchido pela paciente durante a consulta) foram idealizadas para as mulheres.

Ou seja, os médicos são menos propensos a detectar aquelas manifestações cruciais de DPP masculina e emitir o diagnóstico correspondente.

E ainda existem profissionais da medicina que pensam que a DPP é um problema só das mulheres, segundo Wells. Ele conta: “falei [recentemente] com uma enfermeira e perguntei ‘vocês estão diagnosticando pais?’. Ela respondeu ‘não, os pais não ficam com depressão’. Para ela, tudo era hormonal e tinha a ver com dar à luz. Por isso, os pais não podiam ter.”

Como ajudar os pais

Não buscar ajuda pode ter um alto preço. Os homens dos países ocidentais têm quatro vezes mais propensão ao suicídio que as mulheres (naturalmente, não só devido à DPP).

E existe também o efeito sobre as famílias. Os pais desempenham um papel fundamental no desenvolvimento inicial dos bebês. Um estudo demonstrou, por exemplo, que, se o pai sofrer de depressão no primeiro ano de vida de um bebê, a criança terá maior probabilidade de enfrentar mais dificuldades de comportamento, ter desenvolvimento mais fraco e menor bem-estar com quatro ou cinco anos de idade.

Uma solução para ajudar no diagnóstico e tratamento da DPP, segundo os especialistas, é a inclusão dos pais, priorizando sua saúde mental além da saúde das mães, desde o princípio. Wells, por exemplo, descobriu na sua pesquisa que, quando os pais recebem mais apoio das parteiras, enfermeiras e das suas parceiras, eles têm menos possibilidade de desenvolver depressão.

Desestigmatizar a DPP masculina e o papel do pai em geral pode ajudar os homens a entender que eles precisarão de apoio e onde procurar por ele

“O pai muitas vezes não recebe atenção dos médicos ou das enfermeiras”, afirma David Levine. “Você estabelece essas famílias com a ideia de que a mãe é a mais importante e o pai é secundário. E isso não é verdade.”

“Minha esposa não sofreu depressão pós-parto; eu tive. Mas a minha depressão pós-parto poderia ter despertado DPP ou ansiedade nela. Ou, se ela tivesse tido [DPP], haveria 50% de possibilidade que eu também tivesse. E ninguém conta essas coisas. Os pediatras, que são os únicos médicos que normalmente veem os dois pais a todo momento, não estão diagnosticando essas famílias”, prossegue ele.

Daniel Singley acrescenta que também é importante deixar claro para os pais que eles precisarão de apoio. Esse apoio pode ser algo como procurar amigos que são pais. Ou podem ser grupos de pais, onde os homens se reúnem para falar sobre os desafios da paternidade.

Além das comunidades presenciais, esses grupos também podem reunir-se online, como fazem os grupos organizados pela Postpartum Support International, norte-americana, ou pelo grupo de apoio britânico Pandas.

Mas também é preciso que os homens se abram. Somente falando sobre os problemas de saúde mental poderemos desestigmatizá-los, ajudando a garantir que os homens consigam ajuda quando precisarem.

Todos os especialistas estão de acordo neste ponto: Levine, Singley, Wells e outros. E eles acrescentam que o aumento da licença-paternidade e mudanças da cultura do ambiente de trabalho, para que passe a aprovar e não estigmatizar os pais que tirarem licença-paternidade, também fariam diferença.

Os pais podem não precisar se recuperar fisicamente do parto como as mães, mas também precisam de tempo para ajustar-se. E a licença-paternidade pode também permitir que os pais se sintam mais empoderados e comprometidos, o que pode protegê-los contra a depressão pós-parto.

Quando o filho de David Levine completou três meses de idade, ele tirou licença-paternidade.

“Foram três semanas e meia em casa com ele que me causaram imenso impacto, pois eu era seu único cuidador, era responsável por ele e ganhei confiança nas minhas habilidades como pai”, relembra ele.

“Eu precisava alimentá-lo e vesti-lo, levá-lo no carro para encontrar minha esposa na cidade, ir à casa dos meus pais ou visitar um amigo para almoçar. Comecei a perceber que eu conseguia fazer essas coisas. E isso trouxe um grande impacto para a minha autoestima”, ele conta.

Rejeitando a ‘Grande Mentira’

Levine afirma que, de forma geral, as pessoas também precisam ser mais honestas sobre a paternidade.

Ele fala frequentemente às pessoas sobre o que ele chama de “a Grande Mentira”: a ideia de que você pode ter tudo. Você pode trabalhar em tempo integral, ser pai em tempo integral e tudo parecerá como nas imagens brilhantes de quartos de bebê perfeitos e filhos sorrindo que você vê nas redes sociais.

As pessoas muitas vezes pensam nisso sobre as mães. Mas também pode ocorrer com os homens, que podem ainda sofrer a pressão de gênero para prover financeiramente suas famílias.

“Por isso, quando as coisas não parecem sair como você achava que deveriam parecer, você problematiza isso e diz ‘devo ser eu. Eu devo estar estragando tudo. Porque vi pessoas lidando com isso a vida inteira'”, explica ele. “Não deve ser motivo de vergonha dizer apenas ‘sim, ser pai é difícil. Ser pai é divertido. Mas ser pai é difícil, especialmente no começo.”

Para Levine, o medo de admitir que ele tinha problemas fez com que precisasse de mais algumas semanas, e incentivo da sua esposa, para buscar ajuda.

Ele falou com uma terapeuta na empresa onde trabalhava. Ela era especialista em depressão pós-parto e compreendia que os homens podiam ter DPP, mas nunca havia sido procurada antes por um paciente homem.

Levine começou a fazer terapia cognitivo-comportamental. E, com a ajuda de uma enfermeira para o bebê à noite, ele começou a dormir melhor.

Mas ele acrescenta que nem tudo eram flores. Quando seu segundo filho nasceu, quatro anos depois, Levine teve DPP novamente. Mas, desta vez, ele reconheceu os sintomas.

Ocupando a diretoria de uma organização chamada Postnatal Support International desde 2018, da qual será vice-presidente a partir de julho, Levine irá falar sobre DPP masculina na convenção deste ano da Academia Norte-Americana de Pediatria.

Ele conta sua experiência a todos os pais que chegam com um novo bebê. Sua missão é desestigmatizar a DPP masculina.

Levine ainda sabe que tudo poderia ter sido muito diferente.

“Quando passei por isso, se não fosse pediatra, se não tivesse o trabalho que eu tinha, é possível que eu não estivesse agora falando com você”, relata ele. “Porque algo realmente terrível poderia ter acontecido.”

Onde buscar ajuda?

– Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e Unidades Básicas de Saúde (UBS) — clínicas da família, postos e centros de saúde;

– Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h);

– Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192);

– Hospitais;

– Prontos-socorros;

Apoio emocional e prevenção ao suicídio:

– Centro de Valorização da Vida (CVV) — funciona 24 horas por dia pelo telefone 188 (ligação gratuita de qualquer linha telefônica fixa ou celular), e também atende por e-mail e pessoalmente (confira no site do projeto).

Fonte: Yahoo notícias

 

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS EM SEU EMAIL

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 146.800 outros assinantes

ÚLTIMAS