3 julho 2022 2:09
3 julho 2022 2:09

Governo Federal cria grupo exclusivo de monitoramento da varíola do macaco em solo brasileiro.

Governo Federal se antecipa e cria comitê exclusivo de monitoramento do vírus causador da doença "varíola do macaco". Medidas de proteção deverão ser anunciadas nos próximos dias.

Por Redação Ecos da notícia

- Publicidade -

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) criou, na quinta-feira (19), uma Câmara Técnica Temporária – chamada CâmaraPox MCTI –, instância que promete reunir especialistas para acompanhar os impactos científicos com relação à disseminação do vírus monkeypox, responsável pela doença zoonótica viral conhecida como varíola de macacos.

Foto retirada da Internet.

De acordo com um comunicado da pasta, a medida “de vigilância científica” se fez necessária face ao crescimento do número de infecções registrado no Reino Unido, Portugal, Espanha e Estados Unidos neste mês. No domingo (22), a Argentina disse ter detectado uma suspeita de caso da doença no país.

Foto de arquivo retirada da Internet.

Explicando a varíola de macacos

A ideia do comitê de especialistas segue a mesma orientação do MCTI quando formou um grupo em fevereiro de 2020 para investigar o coronavírus, antes mesmo que a Organização Mundial da Saúde (OMS) noticiasse a pandemia da covid-19. O comitê é composto por sete pesquisadores brasileiros da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e da Feevale, de Novo Hamburgo (RS).

Foto ilustrativa.

Registrando que, “até o momento, não há registros de casos de ‘varíola dos macacos’ no Brasil”, os pesquisadores já produziram dois informes técnicos sobre a doença, disponíveis no portal Gov.br. No primeiro, são relatados os casos informados no mundo, junto com uma descrição do vírus, formas de transmissão, sintomas e diagnóstico diferencial com a varicela (catapora).

Foto arquivo retirada da Internet. Manifestação do vírus causador da doença varíola do macaco.

No Informe Técnico 02/2022, são aprofundadas as explicações sobre os tópicos já apresentados anteriormente, e adicionadas informações sobre tratamento e vacina, formas de reduzir a transmissão de humano para humano, além de uma relação de métodos de sanitização, desinfecção, esterilização e isolamento de pacientes no ambiente hospitalar.

Fonte/ Portal Tecmundo

 

 

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS EM SEU EMAIL

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 146.752 outros assinantes

ÚLTIMAS