17 maio 2022 8:52
17 maio 2022 8:52

Política ‘Covid Zero’ na China cria congestionamento em Xangai e afeta mundo inteiro

Consequências são cadeias de suprimentos tensas, fluxos lentos de importações e aumento da inflação

Por Metro 1

A disseminação da variante Ômicron do coronavírus coloca dezenas de cidades da China em confinamento parcial ou total após um novo aumento de casos no país. A situação ameaça a controversa estratégia de “Covid zero” das autoridades chinesas.

As medidas impostas pela China nesta nova onda de Covid determinam que todos que forem diagnosticados com a doença devem ficar em quarentena mesmo que não apresentem sintomas.

Segundo a BBC News Brasil, com 25 milhões de habitantes e um peso vital para a economia do país, a cidade de Xangai sofre a pior onda de Covid desde o início da pandemia, em Wuhan, há mais de dois anos.

A metrópole chinesa não é apenas um centro financeiro global, mas também um dos portos de carga mais importantes para o comércio internacional. Nos últimos dez anos, tem sido o maior porto do mundo em termos de movimentação de cargas.

Em 2021, o porto de Xangai foi responsável por 17% do tráfego de contêineres e 27% das exportações da China.

No entanto, o confinamento ao qual a cidade está submetida dificulta a chegada dos caminhões para levar as mercadorias a outros locais ou distribuí-las às fábricas próximas. Muitas indústrias, como a Volkswagen e a Tesla, tiveram que interromper suas atividades.

Outro problema é que milhares de contêineres estão se acumulando no porto, colocando mais uma vez a cadeia de suprimentos global em xeque justamente quando os analistas estavam confiantes em sua recuperação após a pandemia.

Os principais produtos exportados por Xangai incluem máquinas de lavar, aspiradores, painéis solares, componentes eletrônicos e têxteis.

As consequências globais são cadeias de suprimentos tensas, fluxo lento de importações e aumento da inflação.

“Como a capacidade do porto não é a mesma de março, nem de fevereiro, levará algum tempo para resolver tudo isso. Mesmo que o lockdown da cidade termine amanhã, há um acúmulo de capacidade que não será resolvido rapidamente”, diz Rodrigo Zeidan, professor de Economia e Finanças da NYU Shanghai, à BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC.

“A inflação vai continuar por um tempo. Os preços de muitos bens levarão algum tempo para se estabilizar”, acrescenta Zeidan.

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS EM SEU EMAIL

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 146.197 outros assinantes

ÚLTIMAS