20 maio 2022 10:51
20 maio 2022 10:51

Justiça condena pastor que orava pela morte de Paulo Gustavo

Pastor José Olímpio é condenado por orar pela morte de Paulo Gustavo

Por Redação Ecos da Notícia

O pastor José Olímpio, da Igreja Assembleia de Deus, não escapou da justiça dos homens. O Ministério Público Estadual (MP-AL) denunciou o religioso por “crime tipificado no art. 20 da Lei 7.716/1989 praticar discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional- racismo”.

José Olímpio havia feito uma postagem na internet afirmando que ia orar pela morte do ator e humorista Paulo Gustavo, quando o artista ainda estava internado em estado grave com Covid-19. Paulo Gustavo morreu no dia 4 de maio de 2021.

Na decisão, na última segunda-feira, dia 25 de abril, o juiz Ygor Vieira de Figueirêdo disse que a conduta preconceituosa do pastor foi feita diante da orientação sexual do artista. Desde 2019 a Justiça brasileira equipara a homofobia ao crime de racismo.

“No caso em apreço, diante das evidências existentes nos autos, da foto escolhida para a postagem e do reconhecimento nacional do qual gozava o ator, inclusive por seu engajamento na pauta da comunidade LGBQTIA+, o tom discriminatório é cristalino, motivo pelo qual resta demonstrada que a conduta preconceituosa foi feita em virtude da orientação sexual do senhor Paulo Gustavo”, diz o magistrado em trecho da decisão.

Postagem feita pelo pastor José Olímpio – Foto: Reprodução/ Instagram @prjoseolimpio_

O QUE DIZ A DEFESA DO PASTOR

No processo, o pastor alegou que não fez qualquer referência à orientação sexual de Paulo Gustavo nem desejou a morte do ator.

“Em qualquer situação postagens assim já seriam inaceitáveis. No momento pandêmico, em que o mundo sofria a morte de milhares, a postagem se mostrou muito mais ofensiva. A atuação mereceu firmeza e a sentença refletiu os anseios da sociedade”, disse o promotor de Justiça Lucas Sachsida.

Ainda no processo, a defesa do pastor Olímpio afirmou que o processo era fruto de um mal entendido. “Ao dizer que ora para que ‘o dono dele o leve para junto de si’, o Sr. José Olímpio fez referência ao que difunde diuturnamente em suas pregações. Qual seja, que para um indivíduo ser salvo, deve buscar estar ao lado do ‘Pai’ (Deus), seguindo todos os dogmas e o texto Bíblico. O desejo do Sr. José Olímpio era o de trazer o ator Paulo Gustavo para a Igreja, jamais que ele morresse em decorrência da Covid-19”.

Em sua decisão, o magistrado afirma que a intenção do réu fica evidente no post feito em sua rede social, contrariando a tese defendida pelo seu advogado na ação.

“Primeiro porque se o réu queria que uma entidade sobrenatural levasse Paulo Gustavo para junto dele era porque, evidentemente, ele desejava sua morte. Segundo, porque, conforme a crença que o réu manifestou ter em audiência, ele entende que Deus é o dono de todos os seres humanos, razão pela qual, caso ele quisesse se referir que o ator deveria ficar na companhia do mesmo Deus na qual o acusado acredita, ele teria escrito ‘para que o nosso Dono o leve’ e não para que ‘o dono dele o leve’, expressão que traz a clara distinção de que, sem dúvida, o réu destacou que o Ser que pertence o ator era diferente do Deus a que ele pertencia”, afirmou o juiz Ygor Vieira de Figueirêdo.

A pena de reclusão de 2 anos e 9 meses de prisão, inicialmente em regime aberto, foi convertida em prestação de serviços à comunidade.

RELEMBRE O CASO

A postagem foi feita na conta pessoal do pastor José Olímpio no Instagram e apagada depois da repercussão negativa. Acompanhado de uma foto do ator, o texto dizia: “Esse é o ator Paulo Gustavo que alguns estão pedindo oração e reza? E você vai orar ou rezar? Eu oro para que o dono dele o leve para junto de si”.

Fonte: Ofuxico

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS EM SEU EMAIL

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 146.224 outros assinantes

ÚLTIMAS