17 agosto 2022 11:02
17 agosto 2022 11:02

Chutes na barriga provocaram infecção que matou garoto de 7 anos

Por Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

O pai e a madrasta da criança foram presos; o menino ficou dois dias de cama após as agressões e foi levado ao hospital já morto.

Goiânia – Laudo do Instituto Médico Legal (IML) aponta que chutes na barriga provocaram uma infecção generalizada que causou a morte do pequeno Davi Luiz Rodrigues Rosa, de 7 anos, na cidade de Goianésia, a 175 km da capital goiana. O garoto teria sido agredido pela madrasta, que foi presa.

Conforme o laudo, o menino também apresentada lesão no fêmur, além de outros hematomas pelo corpo. De acordo com a Polícia Civil, Davi foi socorrido ao hospital da cidade quando já estava morto.


Madrasta Vanária Rodrigues e o pai do menino, André Luiz Rosa, foram presos suspeitos da morte da criança em Goianésia, Goiás Reprodução


Mulher presa por suspeita de provocar morte de enteado de 7 anos com agressão, em Goianésia, Goiás Reprodução


Menino morto vítima de agressão em casa, em Goianésia, Goiás Reprodução


Hospital Municipal de Goianésia, Goiás Reprodução

Prisão

O pai e a madrasta de do menino foram presos, na quarta-feira (16/2), suspeitos de envolvimento na morte da criança. Segundo a investigação da Polícia Civil, o casal levou Davi Luiz Rodrigues Rosa já morto para o hospital da cidade, e os médicos chamaram policiais militares.

A madrasta Vanária Rodrigues da Silva, segundo a investigação, foi presa por supostamente ter praticado as agressões físicas contra o menino. Já o pai dele, André Luiz Santos Rosa, é suspeito de não ter ajudado a criança no momento em que sofria a violência em casa. O casal é investigado por lesão corporal seguida de morte.

Agressão no corpo

De acordo com a Polícia Civil, a equipe de policiais foi chamada por médicos do Hospital Municipal de Goianésia depois que os profissionais da saúde identificaram sinais de agressão no corpo de Davi após ela dar entrada na unidade, para onde foi levada pelo casal.

A direção do hospital informou que o casal chegou com a criança pela entrada de emergência e não precisou esperar por atendimento. No entanto, conforme acrescentou, os médicos constataram que o menino foi levado morto para a unidade de saúde.

Exames de urgência

Com base no relatório médico, a investigação confirmou que Davi já estava morto há algum tempo, mas ainda apura o momento exato em que o crime teria sido praticado. Por esse motivo, os policiais militares levaram o casal para a delegacia da cidade, onde foi preso.

Fonte: Metrópoles

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS