28 novembro 2022 8:12
28 novembro 2022 8:12

Com menos venezuelanos, número de novos refugiados no Brasil cai 91%

Em 2020, Ministério da Justiça reconheceu mais de 26 mil pessoas como refugiadas. Em 2021, número caiu para pouco mais de 2 mil

Por da Redação Ecos da Notícia

- Publicidade -

Refugiado afegão se emociona ao encontrar Papa Francisco em primeiro evento do Dia Mundial dos Pobres

O Brasil reconheceu 2.224 pessoas como refugiadas em 2021, de acordo com um balanço do Ministério da Justiça e Segurança Pública. A maioria desses 2.224 é de crianças; são 1.500.

O órgão que decide quem deve receber o status de refugiado é o Comitê Nacional para os Refugiados (Conare).

Refugiados e migrantes são atendidos em Posto de Interiorização e Triagem de Manaus, em 2019 — Foto: ACNUR Brasil/Alexandre Pereira
Refugiados e migrantes são atendidos em Posto de Interiorização e Triagem de Manaus, em 2019 — Foto: ACNUR Brasil/Alexandre Pereira

De acordo com o ministério, nos anos de 2019 e 2020 houve um número de reconhecimentos muito grande motivado pelo fluxo de imigrantes da Venezuela, que ocorreu nos anos de 2018 e 2019.

Nos anos de 2020 e 2021 a vinda de imigrantes foi menos volumosa e mais parecida com a dos anos anteriores a 2018.

Visto temporário de residência

 

Houve também uma quantidade de pessoas que receberam vistos temporários e autorização de residência, principalmente por causa da situação no Afeganistão –o Talibã retomou o controle do país.

No começo de dezembro, o Ministério divulgou um balanço que informava que o Brasil tinha concedido 339 vistos humanitários a cidadãos afegãos. Segundo a pasta, outros 393 pedidos eram analisados pelos diplomatas brasileiros naquela época.

Em setembro, os ministérios das Relações Exteriores e da Justiça e Segurança Pública anunciaram que o Brasil poderia conceder visto humanitário a afegãos que desejassem deixar o Afeganistão por conta do Talibã, que retomou o controle do país.

Segundo portaria do governo que trata do tema, pode ser concedido visto temporário e de autorização de residência para fins de acolhida humanitária para cidadãos “afegãos, apátridas e pessoas afetadas pela situação de grave ou iminente instabilidade institucional ou de grave violação de direitos humanos ou do Direito Internacional Humanitário no Afeganistão“.

Fonte: G1

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS