29 dezembro 2021 11:01 am
26.3 C
Rio Branco
29 dezembro 2021 11:01 am

Schumacher segue na mesma oito anos após acidente

Da Redação Ecos da Notícia
-------- Continua depois da Publicidade--------

Desde que Michael Schumacher foi hospitalizado na sequência do acidente de esqui sofrido nos Alpes Franceses, exatos 8 anos atrás, em 2013, a vida do heptacampeão foi abraçada por um cobertor inacabável de sombra. A família, com a esposa Corinna Schumacher à frente, protegeu a situação da forma como podia. Queria, e ainda quer, respeito pela decisão de manter privacidade irrestrita. E assim foi, quase que religiosamente, ao longo de quase oito anos. Mas 2021 apresentou uma homenagem e, com ela, as declarações que acabam com qualquer segredo, ainda que sem alarde.

O lançamento do documentário ‘Schumacher’, distribuído pela Netflix e feito com certo controle criativo da família, lançado no último mês de setembro, revisita a carreira de Michael. Na F1 e como homem fora das pistas, figura humana. Já na parte final, os sinais estão ali. Corinna jamais falaria ou permitiria que falassem especificamente sobre o estado do marido, mas foi ela mesmo – e o filho e piloto da F1 Mick – quem deram as declarações mais gráficas. Talvez não seja essa a palavra, mas são comentários claríssimos. Para bom entendedor, meia palavra basta.

“Nunca culpei Deus pelo que aconteceu. Foi só azar, já que podia ter acontecido com qualquer um. Claro, sinto falta dele todos os dias. Mas não sou a única a sentir falta dele. As crianças, a família, o pai dele, todos ao redor. Todos sentem falta de Michael”, falou Corinna. “Acho que meu pai e eu nos entenderíamos de maneira diferente agora simplesmente porque falaríamos a mesma língua. Teríamos muito mais para falar e é nisso que penso na maior parte do tempo. Imagino que seria legal demais, seria excelente. Daria tudo para ter isso”, disse Mick.

Novamente, meia palavra apenas basta para quem sabe o que procurar. Michael está vivo “por causa de Corinna”, foi o que falou também o amigo e ex-chefe e presidente da FIA Jean Todt. Está vivo, mas o estado é o mesmo daqueles em 2014 onde a sedação foi tirada e coma terminou.

A esposa, Corinna, e os filhos Gina-Maria e Mick dão depoimentos no documentário (Foto: Reprodução)

A história do acidente de Schumacher

Dezembro não costuma ser um mês de grandes notícias no esporte a motor. Com os campeonatos encerrados, a época é de reflexão e preparação de olho no ano seguinte. Só que um 29 de dezembro foi diferente de todos os outros: exatos sete anos atrás, em 2013, Michael Schumacher sofreu um acidente de esqui que transformou a vida em um mistério sem fim no horizonte.

O pesadelo começou em Méribel, cidade montanhosa na França. O local é conhecido pela prática de esqui, uma das modalidades favoritas de Schumacher. O momento de descontração corria bem até um acidente feio, com a cabeça do alemão acertando uma pedra. O heptacampeão entrou em coma induzido no fim de 2013, sofrendo com lesões cerebrais que nunca ficaram devidamente claras para o público.

Esclarecer ao público, aliás, nunca foi o forte da assessoria de Schumacher. Sabine Kehm, braço direito do alemão, blindou a família e limitou ao máximo as informações vazadas ao público. Informações, só quando eram positivas: em abril, sinais de consciência foram percebidos mais claramente; em junho, o fim do período de coma induzido. Esse passo permitiu que Michael deixasse o hospital de Grenoble, na França, para seguir reabilitação em Lausanne, na Suíça.

2015 chegou com um novo panorama: os rumores se tornaram muito mais frequentes e passaram a ser combatidos pela família. As informações de que Schumacher estava paralisado e não conseguia falar nunca foram confirmadas, com a assessora Kehm sempre destacando um progresso constante, mesmo que lento.

As informações seguiam rareando, com a proteção ao redor de Schumacher ficando ainda mais notória tão logo a transferência do hospital para a casa na Suíça foi possível. Raras pessoas tinham autorização para visitar Michael, sendo sempre pessoas de confiança que nunca vazariam informações. Jean Todt, chefe da Ferrari nos anos dourados do começo do século, é uma das raras pessoas que veem Michael. O francês nunca trouxe informações novas, apenas afirmando que os dois acompanham corridas de Fórmula 1 pela TV ocasionalmente.

“É algo muito privado. Michael está muito bem amparado, vive com sua família, na sua casa, entre Genebra e Lausanne. Continua lutando. É a única coisa que posso dizer hoje”, disse Todt em 2019.

A estreia de Schumacher completou 30 anos em 2021 (Foto: AFP)

Curiosamente, uma das raras novidades sobre Schumacher em 2020 veio de Flavio Briatore. Melhor dizendo, da ex de Briatore. Em um reality show na Itália. Questionada por outro participante sobre o estado de saúde do alemão, a modelo Elisabetta Gregoraci afirmou que a comunicação só é possível através dos olhos. Isso reafirma a informação de que Michael ainda não recuperou a fala.

Para lamento dos curiosos, é difícil acreditar em qualquer informação oficial da família Schumacher no futuro próximo. A esposa Corinna providenciou até mesmo uma mudança para a ilha espanhola de Mallorca, buscando privacidade completa. Mesmo com todo o esforço, isso ainda é difícil: em janeiro, uma pessoa afirmou ter fotos do ex-piloto deitado em sua cama, disposto a vender por valores milionários. O material nunca viu a luz do dia.

As raras notícias não significam que Michael Schumacher deixou de ser alguém relevante em 2020. Pelo contrário: foi um ano em que seria ainda mais especial tê-lo nos autódromos. Schumi teria a chance de dar os parabéns a Lewis Hamilton, que empatou o recorde de sete títulos mundiais. E mais importante ainda: teria a chance de acompanhar a jornada do filho Mick rumo ao título da F2, carimbando passaporte para a F1 em 2021 como piloto da Haas. Uma enorme pena. Que Michael, mesmo recluso em sua casa, ainda tenha alguma qualidade de vida.

E, então, Mick estreou e viveu o primeiro ano. A mãe esteve junto em boa parte da temporada, Mick foi superior ao companheiro – o possível numa equipe que apresentou de longe o pior carro do grid. As grandes notícias, porém, foram mesmo aquelas do documentário. Primeiro, o filme em si, uma carta de amor a Michael, e as declarações da família. Foram as maiores dos últimos anos e, provavelmente, as últimas relevantes em muito tempo.

Fonte: Terra

-------- Continua depois da Publicidade--------
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS