20 novembro 2021 9:45 am
22.3 C
Rio Branco
20 novembro 2021 9:45 am

Estrela chinesa do tênis acusa ex-líder do Partido Comunista de assédio sexual

Com a CNN Brasil
-------- Continua depois da Publicidade--------

Postagem publicada na internet pela atleta foi censurada e excluída em menos de 30 minutos

A explosiva acusação na internet com a hashtag #MeToo (movimento contra o assédio sexual) de uma estrela do tênis chinesa contra um ex-líder de estado foi abafada pela censura geral. As autoridades correram para eliminar qualquer menção a um escândalo politicamente delicado que repercutiu na internet chinesa.

Peng Shuai, de 35 anos, campeã de duplas de Wimbledon e de Roland Garros, acusou na terça-feira (2) o vice-premiê aposentado Zhang Gaoli de pressioná-la a fazer sexo, de acordo com imagens de uma postagem excluída da conta verificada de Peng no Weibo, rede social chinesa semelhante ao Twitter.

CNN não pôde verificar de forma independente a autenticidade da postagem e entrou em contato com Peng para comentar o caso, bem como com o Escritório de Informação do Conselho de Estado da China, que cuida das consultas à imprensa para o governo central.

Na postagem, que parece uma carta aberta a Zhang, ela alega um relacionamento durante um período intermitente de pelo menos 10 anos. Peng diz que ela abriu seu coração para ele.

“Por que você teve que voltar para mim, me levou para sua casa para me forçar a fazer sexo com você? Sim, eu não tinha nenhuma evidência, e era simplesmente impossível ter evidência”, escreveu ela.

“Eu não poderia descrever o quão enojada eu estava, e quantas vezes eu me perguntei se ainda sou um humano? Eu me sinto como um cadáver ambulante. Todos os dias eu estava atuando, quem sou eu verdadeiramente?”

CNN não conseguiu contato com Zhang, de 75 anos, que serviu no Comitê Permanente do Politburo do Partido Comunista, o órgão de liderança supremo do país, de 2012 a 2017, durante o primeiro mandato do líder chinês Xi Jinping no poder. Ele se aposentou como vice-primeiro-ministro em 2018.

Na China, os principais líderes da posição de Zhang permanecem inacessíveis e privados, mesmo após a aposentadoria, o que torna virtualmente impossível encontrá-lo para comentar esta história.

O movimento #MeToo da China já teve como alvo acadêmicos, trabalhadores de ONGs e celebridades – com resultados variados. Mas esta é a primeira vez que atinge os escalões mais altos do Partido Comunista.

“Devemos perceber o quão notável é para Peng Shuai escolher falar. Poucas pessoas teriam a coragem de fazer isso, porque isso poderia vir à custa de sua segurança e da sua família”, disse Lv Pin, uma proeminente feminista chinesa, agora vivendo em Nova York.

Para aumentar a sensibilidade política, o escândalo também aconteceu poucos dias antes de uma reunião crucial das elites do partido em Pequim, que deve abrir caminho para que Xi Jinping concretize um terceiro mandato.

Censura

Enquanto as alegações de Peng agitavam a internet, a censura começou com uma velocidade e ferocidade nunca vistas em nenhum dos casos #MeToo anteriores do país.

Sua longa postagem, publicada pouco depois das 22h, na terça-feira, foi excluído em menos de 30 minutos. As capturas de tela inicialmente circularam amplamente nas redes sociais e em grupos de bate-papo privados, mas logo foram censuradas também, junto com outras postagens que discutiam o caso.

A conta verificada de Peng, que tem mais de meio milhão de seguidores, permanecia no Weibo até a noite de quarta-feira. Mas foi bloqueado de pesquisas. Todas as seções de comentários nas postagens anteriores dela também foram fechadas.

Em um sinal a nível sem precedentes de censura, até mesmo uma página de discussão do Weibo sobre tênis foi fechada para comentários. E referências obscuras ao escândalo também foram removidas.

No Douban, o site de resenhas de filmes parecido com o IMDB da China, a página do programa de TV de romance coreano “O Primeiro Ministro e eu” foi censurada, depois que usuários discutiram o caso de Peng em sua seção de resenhas.

A censura rápida e completa contrasta fortemente com a resposta a outros casos recentes de #MeToo, como as acusações de estupro contra a estrela pop canadense-chinesa Kris Wu.

Esse escândalo ganhou grande força nas redes sociais, dominando os principais tópicos de tendência no Weibo por dias, enquanto a mídia estatal ampliava a acusação, censurando Wu por sua decadência moral.

Wu foi posteriormente preso sob suspeita de estupro. Antes de ser detido, Wu negou as acusações em sua conta pessoal no Weibo. Sua empresa disse que estava entrando com uma ação legal contra seu acusador, chamando as acusações de “rumores maliciosos”.

Logo depois, o governo desencadeou uma forte repressão à indústria do entretenimento, cancelando uma série de “celebridades malcomportadas”.

As alegações

Peng afirmou em sua postagem que fez sexo pela primeira vez com Zhang há mais de 10 anos, quando Zhang servia como chefe do Partido Comunista em Tianjin, uma cidade costeira ao sudeste de Pequim. Mas Zhang interrompeu o contato depois de ser promovido ao Comitê Permanente do Politburo em Pequim, de acordo com o post.

O texto não explicava as circunstâncias de seu primeiro contato sexual.

Então, certa manhã, cerca de três anos atrás, depois que Zhang se aposentou, o post alega que Peng foi repentinamente convidada por ele para jogar tênis em Pequim. Depois, ela escreve, Zhang e sua esposa trouxeram Peng de volta para sua casa, onde Peng afirmou que ela foi pressionada a fazer sexo com Zhang.

Peng Shuai durante sua primeira partida no Open da Austrália, em Melbourne (21 de janeiro de 2020) / AP Photo/Andy Brownbill

“Naquela tarde, não concordei no início e chorava o tempo todo”, escreveu Peng. Depois de jantar com Zhang e sua esposa, e após muita persuasão de Zhang, ela cedeu, de acordo com o post.

Como Zhang, sua esposa Kang Jie continua protegida pelo governo e não foi encontrada para comentar.

“Eu estava em pânico e com medo, e concordei com meus sentimentos por você de sete anos atrás”, disse o post.

Peng disse que então teve um relacionamento extraconjugal com Zhang, mas sofreu “muitas injustiças e insultos”. Ela alegou que eles brigaram na semana passada, e Zhang se recusou a encontrá-la e desapareceu.

Peng disse que não tinha evidências para provar suas alegações e afirmou que Zhang sempre teve medo de que ela registrasse as coisas.

“Eu sei que para alguém de sua eminência, o vice-premiê Zhang Gaoli, você disse que não estava com medo. Mas mesmo que seja só eu, como uma mariposa voando em chamas, cortejando a autodestruição, eu diria a verdade sobre nós”, escreveu ela.

CNN não pode verificar de forma independente as afirmações de Peng.

As informações sobre a vida pessoal de altos funcionários chineses são normalmente envoltas em sigilo, e até mesmo algumas das informações biográficas mais básicas são consideradas tabu. Sob Xi, no entanto, as supostas extravagâncias e delitos de alguns funcionários desonrados envolvidos em sua campanha anticorrupção foram amplamente divulgados, fornecendo uma rara janela para suas vidas privadas.

“Uma mulher verdadeiramente notável”

Apesar da censura, muitos usuários de mídia social expressaram apoio a Peng, muitas vezes em termos vagos.  “Como ela deve ter ficado desesperada e indefesa”, postou um popular blogueiro de tênis com mais de 200.000 seguidores.

“Não sei o que mais posso dizer além de rezar para que ela fique segura. Aceitamos por padrão que esse incidente vai desaparecer da internet – a postagem vai desaparecer, a conta vai desaparecer, a justiça vai desaparecer; só a dor que atormenta a vítima não vai desaparecer, só o medo da próxima vítima não vai desaparecer”, disse outro comentário.

Ambas as postagens foram excluídas posteriormente.

As sobreviventes de agressão sexual há muito enfrentam forte estigma e resistência na China, tanto a nível oficial quanto entre o público. Mas, nos últimos anos, um número crescente de mulheres se reuniu em torno das vítimas que se manifestaram, à medida que o movimento #MeToo ganhava força.

Lv, a ativista feminista em Nova York, disse que Peng despertou a simpatia do público em parte por causa do sucesso que teve em sua carreira profissional.

Em 2013, Peng ganhou o campeonato de duplas em Wimbledon, com sua parceira de Taiwan. Em 2014, a dupla conquistou o título em Roland Garros. Peng também foi semifinalista do US Open.

“Ela é uma mulher verdadeiramente notável, a glória da China, uma pessoa mundialmente famosa. Mesmo mulheres como ela estariam presas em uma situação difícil como essa”, disse Lv. “Isso mostra quantos obstáculos as mulheres chinesas têm que superar em sua busca por igualdade e independência.”

“Todos estão preocupados com ela. Ninguém sabe o que aconteceria com ela. Acho que a atenção do público ao caso é sua maior proteção”, acrescentou.

(Texto traduzido, leia original em inglês aqui)

-------- Continua depois da Publicidade--------

ÚLTIMAS NOTÍCIAS