6 dezembro 2021 3:15 am
23.3 C
Rio Branco
6 dezembro 2021 3:15 am

Como é viver com crometofobia, o medo de gastar dinheiro

Informação do G1.Com

Gastar dinheiro, em tese, deveria ser uma fonte de satisfação. Afinal, ter dinheiro para gastar é melhor do que não ter dinheiro, certo?

-------- Continua depois da Publicidade--------

Mas há muitas questões psicológicas envolvidas nesse processo que podem arruinar a experiência mesmo para quem não tem dificuldades financeiras.

Há, por exemplo, pessoas que gastam compulsivamente e depois não conseguem pagar as contas. Ou aqueles que viveram na pobreza e, quando sua situação melhora e eles têm a possibilidade de gastar, se restringem até às coisas mais básicas por medo de cair na pobreza novamente. Alguns não gastam simplesmente por ganância e preferem levar o dinheiro para a sepultura.

A lista de razões associadas ao medo de gastar dinheiro é muito longa. Mas quando esse comportamento começa a interferir no desenvolvimento normal da vida, é possível que seja uma condição rara chamada crometofobia — o medo extremo de gastar dinheiro.

O conceito tem um uso bastante informal, uma vez que não é um transtorno mental clinicamente reconhecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em sua Classificação Internacional de Doenças (CID).

No entanto, a publicação contempla algumas categorias onde a crometofobia poderia eventualmente encontrar um espaço (apesar de não ser incluída como tal).

“Fobias específicas”, são definidas pela publicação como “medo ou ansiedade acentuada e excessiva que ocorre constantemente ao se expor ou antecipar a exposição a um ou mais objetos ou situações específicas (por exemplo, proximidade de certos animais, voar de avião, altura, confinamento em espaços, visão de sangue ou ferimentos) que é desproporcional ao perigo real.”

Os sintomas, segundo o CID, devem persistir por vários meses e ser suficientemente graves para causar “uma deterioração significativa nas relações pessoais, familiares, sociais, educacionais, de trabalho ou em outras áreas importantes do funcionamento”.

Terapeutas especializados no tratamento de pacientes com sérios problemas de administração de dinheiro afirmam que, independentemente da definição clínica, é fato que algumas pessoas desenvolvem um medo desproporcional de gastar dinheiro.

Se é clinicamente uma fobia ou não, pode ser discutido, mas a angústia que essas pessoas experimentam afeta várias dimensões de suas vidas. A lista de razões associadas ao medo de gastar dinheiro é muito longa — Foto: Getty Images por BBC.

‘Segure o dinheiro’

“Há muitas questões emocionais relacionadas a gastar dinheiro”, diz Khara Croswaite, uma terapeuta financeira americana e autora de livros sobre psicologia e empreendedorismo, à BBC News Mundo (serviço de notícias em espanhol da BBC). “O medo de gastar dinheiro pode levar as pessoas a desenvolver comportamentos como não pagar contas ou não comprar coisas básicas”, diz ela.

Alguns se envergonham de suas dívidas e preferem se isolar, ou descartar despesas, mesmo as mais básicas, o que os leva a evitar encontros sociais e a não praticar atividades de que gostam.

O problema pode afetar o sono, a saúde e o humor. E dependendo da gravidade, pode levar a diversos transtornos de ansiedade.  “É uma espiral de pensamentos negativos”, diz Croswaite.

Viver com uma fobia severa pode levar ao abuso de drogas ou álcool e, nos casos mais extremos, ao suicídio.  Não necessariamente o medo é uma fobia específica — Foto: LUCAPIERRO por BBC

‘Eu tinha medo de dinheiro’

“Eu morria de medo de dinheiro”, diz Kelly Reeves em seu blog dedicado ao empreendedorismo e ao desenvolvimento pessoal. Ela constantemente verificava sua conta bancária com medo do que poderia encontrar. E se tinha dinheiro na carteira, também ficava obcecada em verificar constantemente se ele estava lá. Ao mesmo tempo, não suportava falar sobre dinheiro ou ouvir outras pessoas falando.

Pagar qualquer coisa a deixava ansiosa, mesmo que fosse algo realmente necessário, como colocar gasolina no carro.  Como não pagava suas contas para não gastar dinheiro, ela caiu em um buraco cada vez mais profundo.

E mesmo que ainda esteja endividada, ela está em uma situação muito melhor do que no passado. “Estou pagando minhas contas com gratidão”, escreve ela. Uma fobia específica de gastar dinheiro “é muito rara”, diz Elizabeth Sterbenz, uma terapeuta financeira de Los Angeles, na Califórnia.

Provavelmente  Pode ocorrer em associação com outros transtornos de ansiedade, ela explica, ou em conjunto com outras fobias.  “É por isso que é importante descobrir se estamos realmente enfrentando um caso de fobia de dinheiro ou se há algo mais por trás disso, algo mais profundo”, diz Sterbenz à BBC Mundo. “Por exemplo, isso pode ocorrer como resultado de incidente traumático do qual a pessoa pode ou não se lembrar”, acrescenta.

Sintomas

A nível fisiológico, a pessoa que tem aversão a gastar dinheiro pode apresentar sintomas como falta de ar, taquicardia, aumento da pressão arterial, suores, náuseas, dores musculares ou diarreia, quando confrontada com a situação. De uma perspectiva cognitiva, desenvolve crenças negativas ou ideias irracionais sobre dinheiro e se sente impotente para controlá-las. E do ponto de vista comportamental, a pessoa tende a evitar o estímulo fóbico (no caso o dinheiro) de todas as maneiras possíveis.

Esses tipos de sintomas se repetem nos diferentes tipos de fobia com maior ou menor intensidade.

Causas

Se a crometofobia for considerada um distúrbio dentro das chamadas fobias específicas, as causas podem ser muito variadas. Conforme descrito pela Mayo Clinic, um centro médico e acadêmico americano sem fins lucrativos, em seu site, as causas de fobias específicas podem incluir:

-------- Continua depois da Publicidade--------

Julgamento de acusados no caso da Boate Kiss entra hoje no quinto dia

Depoimentos são de vítima e de testemunha de defesa de um dos réus

DPU recomenda que prefeito de Rio Branco pare de fazer discurso de ódio sobre musical com Papai Noel gay

Tião Bocalom se manifestou contra a iniciativa que foi aprovada pela FGB no último dia 26. Defensoria deu prazo de 10 dias para prefeito responder se vai ou não acatar recomendação.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS