23 novembro 2021 5:20 pm
24.3 C
Rio Branco
23 novembro 2021 5:20 pm

André Gonçalves tem prisão decretada por não pagar pensão, diz colunista

Ator estaria devendo mais de R$ 350 mil à filha Valentina, de 18 anos, fruto do relacionamento dele com Cynthia Benini

uai
-------- Continua depois da Publicidade--------

Na última segunda-feira (22/11), o ator André Gonçalves  teve o pedido de prisão decretado e deverá se apresentar para a Justiça em até 60 dias. A informação é do colunista Léo Dias , do portal Metrópoles .

De acordo com a publicação, o valor da dívida de pensão alimentícia de R$ 350 mil é  endereçado a filha do artista chamada Valentina Benini , de 18 anos. A jovem é fruto de seu casamento com a jornalista e atriz  Cynthia Benini .

Além de Valentina, o ator é pai também de Manuela , de 22 anos, fruto do relacionamento com a atriz Tereza Seiblitz , e Pedro Arthut , 19 anos, fruto do relacionamento com Myriam Rios .

O ator deixou de pagar o valor em 2007, gerando uam dívida de R$ 112 mil, que somado aos juros, está com mais de R$ 350 mil. Com isso, André Gonçalves deverá usar uma tornozeleira eletrônica.

 

Em julho deste ano, André, casado com a atriz Danielle Winits , teve os bens penhorados na Justiça por causa da dívida de pensão alimentícia. A Justiça penhorou um carro e uma moto que estavam em nome do ator, além de bloquear suas contas que contavam com R$ 18.

André Gonçalves participou do Dança dos famosos , da TV Globo , em 2020. O ator acumula passagens por tramas da emissora carioca como Malhação, Império, Cheias de Charme e Salve Jorge . Em 2018, ele atuou na novela Jesus , da Record TV.

Por que André deverá usar tornozeleira eletrônica?

Ainda de acordo com o jornalista, que conversou com a advogada Gabriela Grasel Bittencourt , especialista em direito constitucional, explicou que a tornozeleira eletrônica só será retirada quando o ator começar a pagar a dívida. Se o pagamento não for realizado, André pode ser transferido para um presídio.

A pena para quem não paga a pensão alimentícia não mudou: permanece sendo a prisão. Mas a Justiça precisou fazer adaptações diante da emergência trazida pela pandemia da Covid-19. “O STJ entendeu que, por questões de saúde – devido à covid-19 – não era viável a prisão. A pena corria como a prisão domiciliar, porém com o tempo foi visto que isto não funciona, pois o devedor estaria em casa com todos. Hoje, o caso voltou a ser estudado individualmente: se a penitenciária da cidade, por exemplo, possuir vagas e se encontrar numa boa condição sanitária, o alimentante pode ser preso”, disse a advogada.

-------- Continua depois da Publicidade--------

ÚLTIMAS NOTÍCIAS