7 outubro 2021 9:06 am
26.3 C
Rio Branco
7 outubro 2021 9:06 am

Márcio Bittar cita desvalorização dos correios e defende privatização da estatal

Souza Salomão
- Publicidade-

Na audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado da República na tarde desta quarta-feira, 6, os debatedores criticaram a tentativa de privatização da Empresa de Correios e Telégrafos (ECT).

O senador Márcio Bittar, sem partido, autor do requerimento para a audiência e relator do projeto de privatização dos Correios, afirmou que é importante ouvir vários pontos de vista.

O congressista destacou que caso a privatização dos Correios for confirmada, a empresa que vencer o leilão terá de manter o monopólio. Ele também disse que “nos últimos 20 anos” os Correios não deram lucro e disse temer que, daqui a alguns anos, a empresa perca valor de mercado.

“O fato de o Estado conceder um serviço à iniciativa privada não tira o direito do poder público de desfazer o contrato”, declarou.

- Publicidade-
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
Artigo anteriorTaiwan teme invasão pela China até 2025
Próximo artigoBailarina plus size vence processo após ataques gordofóbicos de humoristaA bailarina plus size Thais Carla venceu o processo judicial aberto após receber série de ataques gordofóbicos incitados e iniciados pelo humorista Léo Lins, do programa “The Noite”, do SBT. O resultado da ação foi publicado na última segunda-feira (4/10). Os comentários surgiram por conta de um vídeo em que a bailarina fala sobre as dificuldades enfrentadas por pessoas gordas ao utilizar poltronas de avião. O humorista terá que pagar uma indenização de R$ 5 mil sem direito a recurso. Na decisão, os juízes Francinaldo Santos Palmeira e Carolina Almeida da Cunha Guedes, da 4ª Vara Cível do Sistemas de Juizados Especiais, da Comarca de Salvador, concluíram que as declarações do humorista foram ofensivas e incitaram outras pessoas a atacarem a dançarina. “O réu exalou inequívoca gordofobia, inclusive encorajando que as pessoas inscritas nas suas redes sociais publicassem mensagens igualmente ofensivas contra ela […] É dever estatal proteger as minorias. Dessa maneira, não é tolerável o discurso de ódio ou quaisquer atividades nocivas à Dignidade do Outro. Liberdade de expressão não é um salvo-conduto para humilhar, expor à execração pública”, Segundo os magistrados, Léo, que já é conhecido por promover uma série de piadas contra minorias, além de ter utilizado a imagem de Thais sem autorização, tirou nítido proveito econômico da situação. Em seu perfil no Instagram, Thais Carla comemorou a decisão e deixou um recado para os seguidores: “E, agora, vocês já sabem: lutem pelos direitos de vocês! Espero que essa ação sirva para inspirar muitas outras pessoas. Ninguém pode nos ofender livremente e achar que ‘tudo bem’. Fiz isso não só por mim, mas por todas pessoas gordas que sofrem ataques. Não merecemos viver isso caladas”.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS