20 outubro 2021 1:59 pm
31.3 C
Rio Branco
20 outubro 2021 1:59 pm

Com Bolsonaro freado, Brasil completa um mês de estabilidade institucional

Pelo menos no Congresso, esse recuo parece ter surtido alguns efeitos, como o destravamento de projetos de interesse do governo

- Publicidade-

O Brasil completa um mês de estabilidade institucional, após longo período de turbulência. Com o país atolado em um emaranhado de crises, aliados têm conseguido convencer o presidente Jair Bolsonaro a manter uma trégua nos atritos com os outros Poderes, em especial o Supremo Tribunal Federal (STF). Pelo menos no Congresso, esse recuo parece ter surtido alguns efeitos, como o destravamento, no Senado, da pauta econômica e de outros projetos de interesse do governo.

A puxada de freio de Bolsonaro coincide com o momento em que estão em jogo, no Legislativo, matérias importantes como o Marco das Ferrovias, a privatização dos Correios, a reforma do Imposto de Renda, a PEC dos precatórios e o BR do Mar — projeto que amplia o transporte marítimo de cabotagem pela costa brasileira para reduzir a dependência do transporte rodoviário.

Esses projetos são vitais para o governo organizar as contas e cumprir metas prioritárias, como o lançamento do Auxílio Brasil, planejado para substituir o Bolsa Família e turbinar os recursos transferidos aos beneficiários. Internamente, o Planalto avalia que o novo programa tem potencial para recuperar a popularidade de Bolsonaro, que vem caindo num contexto de desemprego, alta inflacionária e aumento da pobreza e da fome no país.

Ajuda de Temer

Em 9 de setembro, com a ajuda do ex-presidente Michel Temer (MDB), Bolsonaro divulgou a Carta à Nação, na qual recuou das ameaças feitas contra o Supremo Tribunal Federal (STF) no feriado da Independência. Desde então, em eventos, nas redes sociais e em conversas com apoiadores, o presidente da República abandonou o tom belicoso com que se referia a ministros da Corte, em especial Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, que também é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Por causa de ataques a magistrados e ao processo eleitoral, o chefe do Executivo se tornou investigado em inquéritos nas duas Cortes.

Por trás dessa aparente calmaria institucional estão os principais caciques do Centrão, grupo de partidos que assumiu a articulação política do governo. Atuam como bombeiros de plantão o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP); a ministra da Secretaria de Governo, Flávia Arruda (PL); e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Aliado de primeira hora de Bolsonaro, o deputado Bibo Nunes (PSL-RS) aprova o comportamento atual do presidente e diz acreditar que não haverá mudanças daqui para frente. “Estou achando excelente a postura do presidente. Acredito que a postura dele vai ser essa até o final do mandato, e, depois da reeleição, ele vai continuar, com certeza. Porque o Brasil está vivendo um momento de paz, de harmonia entre os Poderes, e estamos vencendo a pandemia, o que fará, com certeza, que tenhamos bons momentos após a vitória contra a pandemia”, disse Nunes.

Ele observa que a poeira da crise baixou também porque, na sua opinião, “os demais Poderes também recuaram nos ataques ao presidente”. “Não só a postura do presidente é excelente, como também a dos demais Poderes, que mudaram o seu ímpeto. Eles também frearam, porque estavam atacando o tempo todo. Eram muitos ataques ao presidente, tinha muito desrespeito. Hoje, estamos vivendo uma harmonia que, para o bem do Brasil, continue para sempre”, acrescentou.

- Publicidade-
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS