27 outubro 2021 4:07 pm
31.1 C
Rio Branco
27 outubro 2021 4:07 pm

Evangélicos sobem tom contra Alcolumbre sobre Mendonça

noticias ao minuto (SF)

Os evangélicos redobraram a ofensiva na última semana

- Publicidade-

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Em defesa da nomeação de André Mendonça a uma das cadeiras do STF (Supremo Tribunal Federal), importantes líderes evangélicos subiram ainda mais o tom contra o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) que tem travado a sabatina do ex-ministro de Jair Bolsonaro.

Os evangélicos redobraram a ofensiva na última semana. Em mensagens que fizeram chegar ao gabinete de Alcolumbre, líderes religiosos dizem que vão se mudar para o Amapá em 2022 para impedir a reeleição do senador. E que podem inclusive lançar um candidato evangélico.

Na última semana, evangélicos estiveram em reuniões com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e com Bolsonaro. Este indicou que não pretende abrir mão da indicação de Mendonça. A avaliação de aliados do presidente é que, apesar das resistências no Senado, Bolsonaro não retira o nome de Mendonça justamente porque teme perder o apoio do segmento que ajudou a elegê-lo em 2018.

Alcolumbre também contou com o apoio de líderes evangélicos para se eleger, em 2014. Um deles foi o pastor Guaracy Júnior, da igreja Quadrangular do Amapá, que agora critica o senador pela demora em marcar a sessão da CCJ do Senado, a primeira fase de avaliação da indicação de Mendonça.

“Estou vendo Davi se desgastar com o público evangélico. Ele, que já está com rejeição muito grande no Amapá. Penso que ele não se reelege mais”, disse Guaracy à reportagem. O pastor afirmou ter recebido Alcolumbre em sua igreja diversas vezes durante a eleição de 2014. Para ele, o senador estaria descumprindo um compromisso com os evangélicos, que agora se sentiriam traídos.

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Em defesa da nomeação de André Mendonça a uma das cadeiras do STF (Supremo Tribunal Federal), importantes líderes evangélicos subiram ainda mais o tom contra o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) que tem travado a sabatina do ex-ministro de Jair Bolsonaro.

 Os evangélicos redobraram a ofensiva na última semana. Em mensagens que fizeram chegar ao gabinete de Alcolumbre, líderes religiosos dizem que vão se mudar para o Amapá em 2022 para impedir a reeleição do senador. E que podem inclusive lançar um candidato evangélico.

Na última semana, evangélicos estiveram em reuniões com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e com Bolsonaro. Este indicou que não pretende abrir mão da indicação de Mendonça. A avaliação de aliados do presidente é que, apesar das resistências no Senado, Bolsonaro não retira o nome de Mendonça justamente porque teme perder o apoio do segmento que ajudou a elegê-lo em 2018.

Alcolumbre também contou com o apoio de líderes evangélicos para se eleger, em 2014. Um deles foi o pastor Guaracy Júnior, da igreja Quadrangular do Amapá, que agora critica o senador pela demora em marcar a sessão da CCJ do Senado, a primeira fase de avaliação da indicação de Mendonça.

“Estou vendo Davi se desgastar com o público evangélico. Ele, que já está com rejeição muito grande no Amapá. Penso que ele não se reelege mais”, disse Guaracy à reportagem. O pastor afirmou ter recebido Alcolumbre em sua igreja diversas vezes durante a eleição de 2014. Para ele, o senador estaria descumprindo um compromisso com os evangélicos, que agora se sentiriam traídos.

- Publicidade-
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS